4 dicas para fixar tudo o que você estuda na memória

Está estudando para o vestibular, para um concurso público ou para uma prova de algum processo seletivo? Então, você certamente tem uma longa lista de conteúdos que precisa entender e memorizar. Ou seja, a memória é uma ferramenta importante para o seu sucesso. Mas em certos momentos, bate a insegurança: “mesmo que eu estude com dedicação, será que conseguirei mesmo fixar os conteúdos?”. Acredite, é possível fixar tudo o que você estuda. Para isso, temos quatro dicas importantes. Confira!
1 – Entenda como sua memória funciona
Acredita-se que existem diferentes perfis de aprendizado e que isso pode ser estendido à memória. Os três perfis básicos são visual, auditivo e sinestésico; cada um deles se encaixa melhor com certas técnicas de estudo.
Por exemplo, quem é visual pode usar mapas mentais ou resumos esquematizados. Enquanto isso, quem é auditivo pode gravar as aulas para ouvir durante o dia. Por fim, quem é sinestésico pode tocar objetos (como o livro) durante o estudo, pois associa o que está aprendendo com a sensação tátil do momento.
2 – Relembre em ciclos
O método de revisão em intervalos determinados de tempo é uma boa maneira de fixar o conteúdo na memória. Esse método está associado ao conceito de “curva do esquecimento”, desenvolvido em 1885 pelo filósofo Ebbinghaus. Esse conceito afirma que, nos 30 dias seguintes a uma sessão de estudos, nosso cérebro retém cada vez menos informação sobre o conteúdo até chegar a um patamar estável mínimo, que é a informação que realmente está fixada na memória.
Porém, se você fizer revisões em intervalos determinados de tempo, pode elevar este patamar de fixação. A recomendação de Alberto Dell’Isola em seu livro “Supermemória – você também pode ter uma” é a seguinte: faça uma revisão de 10 minutos em até 24 horas após a sessão de estudo. Faça outra revisão de cinco minutos uma semana após a sessão de estudo. Por fim, complete com uma revisão de dois a quatro minutos 30 dias após a sessão de estudos.
3 – Durma o suficiente
Já está comprovado por estudos científicos que o sono tem um papel importante junto à memória. O que isso quer dizer? Bem, durante o último estágio do sono, chamado de Rapid Eye Movement (Movimento Rápido dos Olhos ou REM), ocorre a conversão da memória de curto prazo em memória de longo prazo.
Se houver uma privação prolongada do sono ou sono inadequado (poucas horas, agitado e leve), o indivíduo não conseguirá fixar na memória o que aprendeu durante o dia. Esse tipo de situação é muito comum entre vestibulandos e concurseiros, que frequentemente dormem quatro ou cinco horas apenas para aumentar o tempo de estudo. Porém, um estudo da National Sleep Foundation (Fundação Nacional do Sono dos EUA) já demonstrou que indivíduos adultos, entre 18 e 64 anos, precisam de 7 a 9 horas de sono por noite. Dormir 6 horas por noite ainda é aceitável; 5 horas ou menos não é recomendado.
4 – Use simplificações
Nós começamos este texto falando que a memorização é um problema porque existe um volume muito grande de informações que o estudante precisa fixar. Mas você pode minimizar este problema simplificando os conteúdos ao máximo.
Existem algumas técnicas que permitem fazer isso, como a técnica dos acrônimos, que cria usa iniciais para formar uma palavra, resumindo conceitos essenciais do assunto. Assim, ao invés de vinte palavras, sua memória só precisará fixar uma.
Vamos ver um exemplo. Suponha que você queira memorizar os verbos de ligação do Português. Você pode tentar repetir a lista completa – que inclui ser, estar, parecer, permanecer, ficar, andar, continuar, virar, tornar-se e vários outros – até “decorá-los”. Porém, usando a técnica de acrônimos, você pode usar as letras iniciais dos principais verbos para formar uma palavra divertida e mais fácil de memorizar: “seresparperfianconvitor”.
Existem outras técnicas que simplificam o conteúdo para que sua memória tenha menos informações para processar. E você também pode desenvolver seus próprios métodos de simplificação. A regra é sempre quando mais enxuto, melhor.

Quero receber notícias do PRAVALER

Preencha o campo abaixo com seu e-mail e fique sabendo tudo sobre o PRAVALER em primeira mão.