Como conseguir financiamento no curso de Medicina Como conseguir financiamento no curso de Medicina

Como conseguir financiamento no curso de Medicina

Para quem sonha em fazer o curso de Medicina, uma das primeiras coisas que pensa é a questão financeira, já que essa graduação é conhecida por ter um custo mais elevado. Isso porque as faculdades precisam de uma complexa estrutura para captação dos alunos e isso impacta nas mensalidades cobradas.

A boa notícia é que o sonho de se tornar médico é acessível! Existem diversas possibilidades para reduzir ou gerenciar os custos da faculdade e fazê-la caber no bolso.

É justamente sobre isso que vamos falar neste artigo. Continue a leitura e veja como conseguir financiar o curso de Medicina e aliviar as mensalidades enquanto estuda.

Crédito Estudantil com até o triplo do tempo para pagar

Por que Medicina é um curso tão concorrido?

Os anos passam e a graduação de Medicina continua sendo a mais disputada nos vestibulares de todo o país. Mas, você sabe por que esse curso é tão concorrido e procurado pelos vestibulandos, seja nas universidades particulares quanto nas federais?

Os motivos que levam ao interesse no curso de Medicina podem ser subjetivos e pessoais. Contudo, listamos algumas possíveis causas:

Tradição

A profissão de médico existe há muitos anos, mesmo na época em que não existia faculdade de Medicina. Quando não havia tantos hospitais em uma comunidade, clínicas e postos de saúde, geralmente, tinha-se poucos médicos, quase sempre alguém que vinha de uma família rica e que foi para uma cidade grande estudar, então, retornava para sua terra e exercia a profissão. Isso fez com que o médico se tornasse uma referência.

Muitas vezes, os próprios pais incentivam os filhos a seguirem essa profissão pela tradição e reconhecimento no mercado de trabalho.

Gratificação

A gratificação de ser médico e ter a chance de salvar vidas e cuidar das pessoas é um dos principais motivos que levam um aluno a escolher o curso de Medicina, pois gera o sentimento de recompensa em seu trabalho, mesmo que muitas vezes seja exaustivo por conta da rotina e responsabilidade.

Em um momento de pandemia, por exemplo, vimos mais do que nunca o quanto o papel do profissional da saúde é importante na sociedade. Por isso, há ainda mais valorização da profissão.

Retorno financeiro

O médico é um dos profissionais que possuem um retorno financeiro excelente pelo prestígio e importância social. Além disso, quanto maior for a especialização, maior tende a ser o salário.

Alta chance de empregabilidade

Por ser uma profissão essencial, independente do cenário econômico ou social, a demanda por médicos é sempre alta. Além disso, o Brasil é um país extenso, o quinto maior do mundo em território e o sexto em população, o que gera a procura permanente pelo profissional.

Esses pontos que listamos faz com que uma grande quantidade de alunos se interesse pelo curso e lutem por uma vaga. Para driblar a concorrência, é importante que os vestibulandos se dediquem aos estudos e sigam rotinas bem planejadas, com cronogramas de estudo e até cursos preparatórios.

Onde medicina é menos concorrido no Brasil?

Segundo a Demografia Médica, desenvolvido pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) e outras entidades, até novembro de 2017 o Brasil possuía 289 escolas médicas em funcionamento. Entretanto, apesar do número de instituições de ensino, milhares de brasileiros têm o interesse de seguir essa profissão e, com a proibição na criação de novos cursos de medicina, essa concorrência só aumenta.

Com a quantidade de universidades que oferecem o curso de Medicina, é difícil conseguir mapear todas e descobrir a taxa de concorrência de cada uma. Mas, para aumentar as chances de passar e garantir a vaga no curso, separamos algumas dicas práticas que você pode adotar.

Escolha faculdades particulares


Uma das principais dicas para encontrar vestibulares de Medicina mais fáceis é tentar a vaga em faculdades particulares. Isso porque, tendo em vista o número limitado de unidades públicas pelo país em relação às de iniciativa privada, fica muito difícil conseguir uma cadeira nessas instituições.

É importante lembrar que escolher uma graduação particular não significa necessariamente lidar com mensalidades caras. Por terem isso em mente, muitos estudantes acabam descartando a possibilidade de estudar em outros polos de ensino.

Há diversas oportunidades para conquista de bolsa de Medicina ou descontos nas mensalidades que podem ser aproveitadas. Assim, além de ingressar mais rapidamente num curso superior, não precisa se preocupar com as questões financeiras caso esteja por dentro dessas possibilidades de abono nos custos. Falaremos disso mais adiante, continue acompanhando!

Estude em instituições no interior


Outra dica para passar em Medicina é procurar instituições do interior, ou seja, buscar aquelas faculdades que, mesmo tendo sua sede em grandes cidades, cultivam unidades fora das capitais. Isso porque a concorrência menor nesses polos é certa, tendo em vista o reduzido número de habitantes.

Vale lembrar que, em geral, essas faculdades também podem ter uma mensalidade menor em relação às demais. Afinal, os custos para manter a unidade no interior são expressivamente reduzidos quando comparados aos da capital.

Analise a média de vagas por instituição


Geralmente, a concorrência acontece por conta de dois fatores: a quantidade de candidatos inscritos e as vagas disponíveis para o curso. Esses elementos interferem até na nota de corte em Medicina para programas de bolsa e créditos.

Por isso, analisar essas informações pode indicar quais são as unidades menos concorridas na cidade e nas quais vale a pena se inscrever. Não se esqueça de que isso pode mudar de um semestre para o outro.

Além disso, tenha em vista que o fato de a concorrência ser menor não garante a vaga. Quando encontrar o melhor vestibular de Medicina para se inscrever, verifique a sua estrutura de prova e se prepare para o processo seletivo escolhido. O caminho ideal para o sucesso é juntar o número reduzido de candidatos e uma boa preparação.

Verifique a existência de cotas para o curso


Com a finalidade de democratizar o acesso ao ensino superior, algumas instituições reservam uma porcentagem de vagas especificamente para alguns grupos de pessoas. Então, uma dica importante para encontrar o vestibular de Medicina menos concorrido é verificar a possibilidade de ingresso por cotas.

Para isso, antes de se inscrever para o processo seletivo de alguma instituição de ensino, confira se há categorias distintas de avaliação destinadas a, por exemplo, estudantes de escola pública, aos alunos com renda familiar reduzida ou pessoas que se enquadram nas cotas raciais.

Confira a nota de corte da instituição


Falamos muito por aqui sobre a nota de corte, isso porque ela é um importante indicativo de concorrência da faculdade. É o valor que indica o desempenho mínimo que deve ser alcançado no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para conseguir ingressar em determinada instituição ou em programas de bolsa oferecidos pelo governo.

Ela é calculada considerando, justamente, o número de vagas e o rendimento que os inscritos no processo seletivo tiveram no exame. Assim, se houver 20 lugares para o curso, por exemplo, a pontuação do vigésimo colocado é equivalente à nota de corte.

Algumas universidades permitem utilizar a nota do Enem para ingressar imediatamente como estudante. Nesses casos, não precisa prestar o vestibular caso tenha obtido um bom desempenho no exame.

Mas, como esse não é o caso de toda universidade e sabemos o quanto é difícil passar no vestibular para conseguir uma vaga em Medicina, principalmente através do Enem, trouxemos as menores notas de corte de Medicina do Sisu (Sistema de Seleção Unificada) para mostrar que, ao contrário do que pensam, existem algumas faculdades públicas em que a disputa pelo acesso é bem menor.

Confira as menores notas de corte em faculdades públicas:

  1. UFERSA (Universidade Federal Rural do Semi-Árido) – Mossoró, RN: 750,06
  1. UNEMAT (Universidade do Estado do Mato Grosso) – Cáceres, MT: 757,75
  1. UFAC (Universidade Federal do Acre) – Rio Branco, AC: 759,47
  1. UFVJM (Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri) – Teófilo Otoni, MG: 759,47
  1. UFRR (Universidade Federal de Roraima) – Boa Vista, RR: 761,94
  1. UFVJM (Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri) – Diamantina, MG: 762,56
  1. UFS (Universidade Federal do Sergipe) – Lagarto, SE: 764,71

Este ano, 110 instituições oferecem vagas em diversos cursos de graduação e você pode conferir a nota de corte do Sisu 2021 e ter a oportunidade de se inscrever no curso de Medicina em instituições públicas, mesmo que em outro estado.

Qual é o valor do curso de Medicina?

O curso de Medicina costuma ser caro. Isso tem a ver com as despesas das instituições para adequar aquilo que oferecem às exigências tanto do Ministério da Educação (MEC), quanto da saúde do país. Por se tratar de algo que envolve a vida humana, determinados gastos não podem ser negligenciados por economia, o que encarece o preço final.

De acordo com estudo do Semesp, a mensalidade média do curso de medicina é de R$ 6,2 mil, a maior do Brasil (a segunda maior é a de odontologia, de R$ 2,1 mil). Lembrando que esse é valor médio. As mensalidades vão de R$ 3 mil até o máximo de R$ 9 mil.
Para o estudante, existe outro agravante: o curso é em tempo integral, o que não permite a ele conciliar estudo e trabalho durante a faculdade.

Por outro lado, é um investimento que se recupera em poucos anos. Com a média salarial mais alta do país, de acordo com um estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a Medicina está entre as carreiras mais prestigiadas e segue praticamente imune a crises.

Crédito Estudantil com até o triplo do tempo para pagar

Por que Medicina é tão caro?

O fato da Medicina ser uma carreira muito disputada, com alta empregabilidade e garantia de bons salários ajuda a tornar o curso mais caro. É aquela coisa: quanto maior a demanda, maior o preço.

Mas não é apenas isso que explica o valor das mensalidades do curso. Existem também os componentes de infraestrutura e corpo docente qualificado, que elevam bastante o custo desta graduação.

Além disso, boa parte das aulas de Medicina é realizada em laboratórios, utilizando materiais especializados, por vezes importados, que, em geral, têm um custo de aquisição e manutenção bastante alto. Entram nesta conta, por exemplo, microscópios, compostos químicos de uso diário, equipamentos comuns da prática profissional, simuladores, medicamentos, espaço físico, segurança e controle biológico, tratamento de resíduos etc.

A boa notícia é que os custos investidos na graduação acabam tendo um retorno positivo mais adiante, poucos anos depois que o profissional inicia sua carreira. No Brasil, boa parte dos médicos está empregada no serviço público e algumas posições oferecem bons salários, mesmo para os recém-formados. Na iniciativa privada o cenário é similar.

Onde o curso de Medicina é mais barato no Brasil?

Os cursos de Medicina mais baratos do Brasil estão no Nordeste e no Sul, porém esse custo é relativo e varia de acordo com a região. O Pravaler oferece opções de financiamento para cursar Medicina com até 50% de desconto na mensalidade em qualquer região do Brasil, desde que a instituição de ensino seja conveniada com a empresa.

 Financiamento estudantil com Pravaler na UPF – Valor do semestre em 08/2021

É possível financiar o curso de Medicina?

Devido ao preço alto das mensalidades, o sonho de estudar Medicina em uma universidade particular pode parecer distante para algumas pessoas. Entretanto, programas de financiamento como o Pravaler, o Fies e de alguns bancos ajudam a tornar realidade o desejo de cursar o ensino superior.

Vamos conhecer as possibilidades de financiamento estudantil privado e público que podem viabilizar os estudos de quem não consegue arcar com as prestações à vista:

Pravaler

O Pravaler é a maior instituição privada voltada para a intermediação de financiamento estudantil e trabalha em parceria com os bancos Andbank, BV e Itaú. Oferecemos crédito para você pagar as mensalidades na metade do valor e no dobro de tempo.

Temos parceria com centenas de faculdades por todo o Brasil e no nosso site é possível encontrar as opções disponíveis, selecionando estado, município, curso e modalidade – graduação, pós-graduação ou técnico.

Veja o depoimento da Simone, que conseguiu estudar Medicina graças ao financiamento estudantil Pravaler.

Fies

O Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) é um programa do Ministério da Educação (MEC), criado pela Lei nº 10.260, de 2001, e tem como objetivo financiar a graduação de estudantes em faculdades privadas.

Pode concorrer a uma vaga no Fies quem participou de alguma edição do Enem a partir de 2010, tendo obtido nota média a partir de 450 pontos e nota superior a zero na redação.

Veja as principais regras do Fies:

  • Taxa de juros de 6,5% ao ano;
  • Após a conclusão do curso, o aluno tem 18 meses de carência para começar a pagar o financiamento;
  • Durante o curso, o aluno paga apenas uma pequena prestação trimestral (de R$ 50 a R$ 150);
  • Operado por instituições financeiras federais (Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal).

A partir de 2018, o programa foi dividido em três modalidades:

  • Fies 1: Para alunos com renda familiar per capita de até três salários-mínimos. Não cobra taxa de juros. O aluno começa a pagar as prestações com parcelas de até 10% da sua renda mensal;
  • Fies 2: Para alunos com renda familiar per capita de até cinco salários-mínimos. Destinado a moradores das regiões Norte, Nordeste e Centro-oeste. A taxa de juros é de 3% ao ano, mais a correção monetária. O aluno também começa a pagar as prestações com parcelas de até 10% da sua renda mensal;
  • Fies 3: Também chamada de P-FIES, para alunos com renda familiar per capita de até cinco salários-mínimos. Esta modalidade é operada também por instituições financeiras privadas e, por isso, a taxa de juros pode variar.

Como funciona o financiamento estudantil de Medicina?

O financiamento estudantil de Medicina funciona como um empréstimo com condições facilitadas. Você faz um acordo com a instituição financeira que concede o crédito e, assim, pode efetuar o pagamento da graduação de forma mais diluída e acessível do que as mensalidades originais do curso.

Como todo financiamento, as linhas de crédito estudantis também têm correções monetárias, juros e taxas administrativas. Ainda assim, podem ser muito vantajosas para estudantes que não têm condições de arcar com os custos do curso no momento, mas não querem esperar mais para iniciar a graduação.

Com prazos longos para acertar a dívida do financiamento, você tem mais tempo para organizar sua vida financeira e até mesmo começar a atuar na sua área no mercado de trabalho.

Como conseguir bolsa de estudos em Medicina?

A maneira mais comum de conseguir uma bolsa de estudos para Medicina é por meio do Prouni (Programa Universidade para Todos). Conduzido pelo Governo Federal, o programa concede bolsas parciais e integrais a estudantes que comprovam que não têm condições de arcar com os custos do curso.

Para conseguir esse benefício é necessário passar por um processo seletivo que irá exigir uma boa nota no Enem do último ano. A pontuação mínima necessária para se inscrever é de 450 na média das provas, sem ter zerado a redação.
Os interessados também precisam atender a três exigências básicas: ter feito todo ensino médio em escolas da rede pública (ou na rede particular como bolsista integral), ter renda familiar bruta mensal de até três salários-mínimos por pessoa e não ter diploma de nível superior.

O governo abre duas oportunidades por ano, no primeiro e no segundo semestre, mas a concorrência é alta por aqui. As notas que garantem bolsa em Medicina variam de 700 a 850 pontos, em média.

Como conseguir uma bolsa de estudos para Medicina sem ser pelo Prouni?

O Prouni pode ser a principal forma de conseguir bolsa de estudos para Medicina, mas não é a única. Em faculdades mais tradicionais, por exemplo, os alunos que passaram em primeiro ou segundo lugar no vestibular podem garantir uma bolsa parcial ou integral.

Há também aquelas instituições que, por meio de convênios com empresas, podem dar um desconto interessante nas mensalidades, que funciona praticamente como uma bolsa parcial.

Muitas vezes, as secretarias de educação do estado ou do município da região onde você vive também contam com algum programa de bolsa de estudos. Então, não custa se informar a respeito.

Como usar a nota do Enem para cursar Medicina?

Como já citamos por aqui, para ingressar na faculdade utilizando os programas do governo que oferecem condições especiais para estudar, é necessário ter feito o Enem. Descubra quais são as suas principais opções na hora de usar a nota do exame:

Sisu

O Sisu (Sistema de Seleção Unificada) é a escolha para quem deseja ingressar em uma faculdade pública de Medicina com a nota do Enem. Ele é um sistema do Governo Federal que utiliza a média obtida pelos estudantes para conquistar vagas em instituições estaduais e federais de todo o Brasil.

As notas de corte para esse curso são bastante altas pelo Sisu. Em alguns casos, podem chegar a 850 pontos. A média pode ser obtida com a soma de todos os cadernos (incluindo o de redação) e a divisão por cinco. Algumas faculdades, porém, utilizam pesos diferentes para cada disciplina. O cálculo é feito automaticamente pelo sistema.

Fies

O Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) é um programa do governo para os estudantes que se encontram em situação de vulnerabilidade social. Ele consiste no parcelamento dos valores da faculdade a juros baixos, que só serão pagos pelo estudante após a conquista de seu diploma.

Em algumas universidades, as notas de corte variam ano após ano. No entanto, elas giram em torno de 700 pontos, sendo 788 uma média mais alta e 662 a mais baixa.

Prouni

Se você não pode arcar com os custos de uma faculdade de Medicina, o Programa Universidade para Todos (Prouni) é o certo para você! Como já falamos, essa opção concede bolsas de 100% ou 50% para estudantes de baixa renda. Caso não consiga o abono total, é possível financiar o restante com a ajuda do Fies.

As notas de corte, em média, giram em torno dos 700 pontos. É possível encontrar pontuações mais altas e mais baixas de acordo com a instituição pretendida e, claro, com o desempenho dos estudantes no Enem no ano vigente do concurso.

Substituição do vestibular tradicional

Em algumas faculdades, a nota do Enem também pode ser utilizada como substituta ao vestibular. Por isso, se você mandou bem no Exame Nacional do Ensino Médio, essa é outra possibilidade de ingresso em um curso renomeado.
Assim que o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) divulga a nota do Enem, os estudantes que realizaram a prova poderão consultar seu desempenho individual pela página do participante e no aplicativo e já podem pensar em qual das possibilidades que citamos será a melhor a seguir.

Vale lembrar que para fazer um financiamento estudantil com o Pravaler você não precisa ter feito Enem e a contratação pode ser feita a qualquer época do ano.

É vantajoso fazer Medicina com Fies?

O Fies é uma boa estratégia para conquistar um diploma na área, pois o programa conta com graduações prioritárias, e Medicina é uma delas. Ou seja, o Fies favorece o financiamento dos cursos da área da saúde. Além disso, ainda é possível trabalhar na saúde pública como forma de quitar parte da dívida do financiamento.

É importante ressaltar que vale a pena investir no financiamento para Medicina. Afinal, a média salarial de um clínico geral é de R$ 6.617,38. Logo, são boas as perspectivas de quitar a dívida após a conclusão do curso.

Mas, vale lembrar que para conseguir o Fies é necessário comprovar renda familiar mensal bruta, por pessoa, de até três salários ou entre três e cinco salários-mínimos, ter feito o Enem e que o teto de financiamento da mensalidade é de 7 mil reais.

E tem mais: além do valor da mensalidade do curso, para se manter numa faculdade há muitas outras despesas como transporte, material de estudo, congressos, alimentação etc. Durante o curso, o estudante que adquiriu o Fies tem a obrigação de pagar mensalmente o valor não financiado acrescido ao encargo operacional fixado em contrato, cujo valor mínimo é R$ 50.

Após concluir a formação, o valor das parcelas passa a ser integral descontado diretamente do salário, caso o formado já tenha um emprego.

É importante que o estudante conheça as outras opções de financiamentos e compare as taxas de juros para analisar qual a mais vantajosa. Além do Fies e P-Fies, também existe o financiamento estudantil Pravaler, que oferece financiamento em cerca de 500 instituições, não exige participação no Enem e a solicitação pode ser feita durante todo o ano. Neste financiamento, é necessário um fiador para conseguir o crédito.

Veja aqui a diferença entre o Fies e o Pravaler:

Infográfico comparativo entre Financiamento Pravaler e Fies

Não deu com o Sisu, o que fazer?

Não rolou uma bolsa de estudos com o Sisu? Considere um financiamento!

Se você não tem perfil para participar do Prouni, e conseguir uma bolsa por outros meios está difícil, talvez o financiamento estudantil a juros baixos seja a melhor saída.

Pode não ser a situação ideal para quem realmente precisa de uma bolsa de estudos, mas é uma saída a ser levada em conta se você não quer mais adiar o sonho de estudar Medicina.

O Fies e o Pravaler são soluções que podem simplificar o seu acesso ao ensino superior e, no caso do Pravaler, até alavancar seu crescimento profissional na pós-graduação. Confira as possibilidades de cada um deles de acordo com o seu perfil pessoal antes de tomar a sua decisão.

Pensamos na sua privacidade

Usamos cookies para que sua experiência seja melhor. Ao continuar navegando, você está ciente dos nossos Termos e Políticas.

CONTINUAR