Conheça as novas regras do FIES 2020

Por PRASABER

Conheça as novas regras do FIES 2020

Para conquistar boas posições no mercado de trabalho, ter um diploma universitário, além de qualificação profissional, pode fazer toda a diferença. No entanto, nem todos os estudantes que saem do ensino médio têm condições financeiras para fazer esse investimento.

O financiamento estudantil é uma saída e possibilita o acesso desses alunos ao ensino superior. Entre as alternativas, o Fundo de Financiamento Estudantil (FIES) é a mais procurada por pessoas de baixa renda, isso porque o programa conta com pagamento flexibilizado e juros abaixo do mercado – ou zero, dependendo das políticas de cada instituição de ensino.

Promovido pelo Governo Federal e Ministério da Educação (MEC), o FIES incentiva estudantes com renda baixa a iniciarem uma graduação através de um fundo de financiamento que possibilita o pagamento de valores abaixo do mercado com juros zero, dependendo do contrato. Essa modalidade ajuda estudantes que, mesmo sem condições financeiras, querem fazer um curso superior em faculdades particulares com tranquilidade, uma vez que só vai começar a pagar após a sua formação.

Criado em 1999, o FIES passa por atualizações de tempos em tempos. Neste ano, novas regras referentes ao financiamento foram publicadas no Diário Oficial da União. Entre as principais mudanças, estão os perfis que podem fazer parte do programa, o período que é possível fazer a solicitação, a nova modalidade de financiamento etc.

Com o ano iniciando, novas turmas abrem e o Novo FIES já é assunto entre os estudantes que querem ingressar no ensino superior. Se você é um deles, listamos abaixo todas as mudanças para que você se atualize e faça a solicitação para o FIES 2020. Confira:

O que muda no FIES 2020?

  • Nova modalidade de contratação: nas edições passadas, para participar do processo seletivo do FIES, os candidatos ao benefício deveriam ter renda familiar de até três salários mínimos. Agora, o programa trouxe a modalidade P-FIES, que permite o financiamento para candidatos com renda familiar mensal de até cinco salários mínimos. No entanto, por ser mantido por bancos privados, enquanto beneficiários do FIES possuem juro zero na contratação do crédito, os que entrarem no P-FIES pagam uma taxa que varia de acordo com a instituição financeira escolhida, que vai de 1,9% a 2,5% ao mês.
  • Nota mínima do ENEM: em ambas as modalidades, é obrigatório que o aluno tenha prestado o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) em edições a partir de 2010. Além disso, também deve ter atingido a pontuação mínima de 450 em provas objetivas e não ter zerado a redação. Antes, era necessário apenas que o aluno não tirasse zero na avaliação.
  • Carência para quitar o financiamento: nas versões passadas, para começar a pagar o financiamento, o aluno possuía uma carência média de 18 meses até entrar no mercado de trabalho e começar a pagar o valor acordado em contrato. Com o Novo FIES, se o beneficiário estiver empregado assim que se formar no ensino superior, já começará a pagar de imediato as prestações. Caso o estudante não esteja inserido no mercado de trabalho, o financiamento será cobrado em prestações que equivalem ao pagamento mínimo. Vale destacar que o valor é descontado direto da renda mensal, por esse motivo, leva em consideração a média que o estudante pode pagar e dilui o pagamento de maneira acessível, quitando a dívida em até 14 anos.
  • Período de solicitação: para participar do processo seletivo do FIES, os estudantes contarão com dois períodos de inscrição, e não serão mais aceitas solicitações a qualquer momento do ano. O MEC divulgou o período do primeiro semestre de 2020 e as inscrições acontecerão entre 05 e 12 de fevereiro. Ainda não foi publicado o prazo do segundo semestre, mas as especulações é de que se iniciem a partir de 25 de junho.
  • Redução de vagas: o Governo Federal abriu vagas para cerca de 100 mil estudantes solicitarem o financiamento do FIES em 2020, no entanto, em uma reunião realizada pelo comitê gestor, foi aprovada a redução de vagas para os próximos anos, atingindo em 2021 e 2022 cerca de 54 mil vagas. A decisão poderá sofrer novas alterações, com base em mudanças nos parâmetros econômicos do ano vigente.
  • Regularização de inadimplentes: foi aprovada para 2020 a possibilidade de cobrança judicial de valores devidos por beneficiários do programa. Contratos do FIES que foram firmados até o segundo semestre de 2017 e tiverem dívida de, pelo menos, R$10 mil serão reavaliados e negociados com os beneficiários inadimplentes para normalizarem as pendências.

Como fazer a inscrição no FIES 2020?

As inscrições para o FIES acontecem totalmente on-line. Os interessados deverão acessar o portal oficial do programa e preencher os dados necessários na aba de primeiro acesso. Com o preenchimento do CPF do candidato, o sistema valida automaticamente sua participação no ENEM, que é requisito obrigatório para ser beneficiário.

Após preencher as informações pessoais, a renda familiar e, pelo menos, três cursos de interesse, o candidato deve enviar a solicitação e ficar atento ao portal, que divulgará a lista de pré-selecionados ao programa e também a de espera, para casos de perfis aptos ao FIES.

Os pré-selecionados deverão finalizar a inscrição indo em até a Comissão Permanente de Supervisão e Acompanhamento (CPSA) da instituição de ensino escolhida em um período de até 10 dias. Caso não conclua nesse período, terá sua solicitação cancelada e, para casos de financiamento do FIES, darão espaço para nomes da lista de espera.

Você sabe a diferença entre o FIES e o PRAVALER?

As regras do FIES mudaram, mas os contratos de financiamento seguem com benefícios. E, além dos programas governamentais, os estudantes que não conseguirem ou não estiverem dentro dos perfis exigidos também contam com opções de financiamento em instituições privadas.

O PRAVALER é uma das instituições financeiras que mais se aproximam dos benefícios oferecidos pelo FIES. No entanto, algumas diferenças fazem do PRAVALER uma das melhores alternativas para solicitar crédito estudantil.

Enquanto para ser contemplado com o FIES deve-se ter renda mínima determinada e participado do ENEM, com o PRAVALER nada disso impede o estudante de solicitar o crédito estudantil. Além disso, as taxas são reduzidas, as formas de pagamento ajustadas ao bolso do aluno e as possibilidades de acessar um ambiente de ensino aumenta, uma vez que o financiamento é aceito em cursos técnicos, graduação, pós-graduação e até MBA, presencial ou a distância.

As solicitações de crédito estudantil do PRAVALER podem ser realizadas durante todo o ano e o processo acontece de maneira descomplicada e on-line. Encontre o curso que você sempre sonhou em graduar entre as mais de 500 universidades parceiras.

Compartilhar

Quero receber notícias do PRAVALER

Preencha o campo abaixo com seu e-mail e fique sabendo tudo sobre o PRAVALER em primeira mão.