Diferença entre bolsa e financiamento estudantil Diferença entre bolsa e financiamento estudantil

Diferença entre bolsa e financiamento estudantil

Antes de começar os estudos no ensino superior, alguns passos são cruciais: encontrar o curso que mais encaixe com o seu perfil e avaliar bem as faculdades antes de escolher onde ingressar. Além disso, é importante um planejamento financeiro para pagar as mensalidades e contar com esse investimento ao longo de, ao menos, uns dois anos – no caso dos cursos técnicos – até quatro ou cinco anos – para graduação como licenciatura ou bacharelado.

Porém, nem sempre é fácil se organizar previamente para arcar com as mensalidades ou, até mesmo organizando, o dinheiro não é suficiente. Nesse caso, é bom não se desesperar: existem diversas opções para que você consiga pagar o seu curso sem sufoco e conquiste o diploma de ensino superior sem que isso pese no seu bolso.

Entre as opções existentes, estão as bolsas de estudos e os financiamentos estudantis. Entretanto, apesar das duas opções serem boas e terem a finalidade de te ajudar a concluir os estudos, elas são bem diferentes na prática. Para que você tire todas as suas dúvidas sobre bolsa de estudo e financiamento estudantil, escrevemos esse artigo para te ajudar na escolha da melhor opção para o seu perfil, caso esteja precisando de uma força para pagar a faculdade.

O que é bolsa de estudo?

As bolsas de estudo são benefícios cedidos pela própria faculdade com o objetivo de colocar ainda mais alunos para dentro do ensino superior, incentivando a educação de todo a população. Dessa forma, as bolsas ajudam o estudante a pagar o valor das mensalidades, taxas, matrículas e demais gastos que ele venha a ter ao longo do curso.

Para ser beneficiado, porém, é necessário que o aluno cumpra com alguns pré-requisitos que vão depender do regulamento da faculdade, podendo ir desde a renda familiar até o desempenho ao longo do ensino médio, além de serem contemplados também os estudantes que conquistaram as melhores posições no processo seletivo.

Tipos de bolsas de estudo

É importante frisar que existem diferentes bolsas de estudo e que elas vão depender da instituição de ensino. Entre as principais, podemos listar:

– Bolsa integral: nessa modalidade, a faculdade oferece 100% de desconto em todo o curso, ou seja, o estudante não paga nada pelas mensalidades, nem nos demais custos ao longo do curso, como matrícula ou rematrícula.

– Bolsa parcial: nessa opção, a faculdade geralmente oferece 50% de desconto no valor do curso conforme a renda familiar mensal per capita (que é necessário ser menor que três salários mínimos). Além disso, a bolsa parcial também pode ser conquistada por meio de concurso de bolsas – geralmente realizado junto com o processo seletivo.

– Bolsa mérito: como o próprio nome diz, esse tipo de bolsa é cedido a alunos que conquistaram os melhores lugares no processo seletivo do curso escolhido. Por conseguir uma bolsa como essa, é importante atingir uma pontuação acima da média, acertar determinada quantidade de questões ou se classificar nos primeiros lugares da lista de chamada.

Vantagens e benefícios

Imagine estudar em uma boa faculdade, cursar a graduação dos seus sonhos e, ainda, ter um dinheiro extra para poder investir em outras coisas? Com uma bolsa de estudos, isso é possível.

Sendo ela integral ou parcial, você vai poder usar o dinheiro economizado para viajar, fazer um curso de idiomas, investir em algo que goste e, até mesmo, fazer uma poupança para planos futuros. Além disso, é importante lembrar que o ingresso no ensino superior fica mais fácil com uma bolsa de estudos, já que as mensalidades do curso já não serão mais um obstáculo.

Um ótimo exemplo de bolsa de estudos existentes é o ProUni (Programa Universidade Para Todos) do Governo Federal. O programa engloba diversas faculdades privadas e oferece desconto de 100% ou 50% nas mensalidades de todo o curso.

O que é financiamento estudantil?

Assim como a bolsa de estudos, o financiamento estudantil também tem como objetivo aumentar ainda mais o acesso de estudantes de baixa renda à educação superior, contribuindo com o desenvolvimento da população de todo o Brasil como um todo.

Porém, ele funciona como um empréstimo ou crédito (chamado pelas faculdades de “crédito universitário”). Dessa forma, o aluno contrata o crédito, recebe a ajuda para pagar o curso e, depois, precisa devolver o valor para a instituição financeira – que pode ser pública ou privada. Em alguns casos, o valor vem acrescido de juros, taxas ou correções monetárias, mas também é possível fazer um financiamento com juros zero.

Tipos de financiamentos

Apesar de todos os financiamentos estudantis terem a mesma finalidade e ajudarem o estudante a pagar as mensalidades da graduação, existem algumas diferenças entre eles. Dentre as principais, podemos citar o tipo de instituição: é possível fazer o seu financiamento público com o Governo Federal, por meio do FIES, ou com instituições privadas, como o PRAVALER.

Para ajudar você a escolher entre as opções de financiamento, contamos um pouco mais sobre cada um abaixo:

– FIES: o Fundo de Financiamento Estudantil (FIES) é um programa do Governo Federal de crédito universitário, com iniciativa do MEC, que auxilia os alunos com o pagamento das mensalidades. Porém, apesar de já ter sido a principal forma de financiamento entre os estudantes, hoje ele não tem mais tanta procura por conta da lista de pré-requisitos que exige, tais como:

  • ter feito o ENEM (Exame do Ensino Médio), obtido uma nota superior a 450 pontos e não ter zerado a redação;
  • necessária a comprovação de renda familiar bruta mensal (per capita) de até três salários mínimos;
  • só é possível pagar as parcelas financiadas depois que o aluno estiver formado;
  • as inscrições só abrem 2 vezes por ano;
  • as vagas são limitadas;
  • só é possível contratar para os cursos presenciais (não abrange o ensino a distância).

– P-FIES: desde 2018, entretanto, o Governo Federal liberou o Novo Fies, uma modalidade nova do financiamento para abranger ainda mais estudantes. O programa agora conta com FIES e P-FIES, tem a possibilidade de taxas de juros zeradas para quem mais necessita e uma diferença nas regras de cada um conforme a renda familiar do estudante. Dessa forma, o P-FIES é destinado para alunos com renda per capita mensal familiar de até cinco salários mínimos e conta com recursos de fundos constitucionais e de desenvolvimento, além de parcerias com bancos privados.

– PRAVALER: além de ser o maior programa de crédito estudantil privado do Brasil, com o PRAVALER é possível estudar em instituições de ensino particulares bastante renomadas, como PUC, Anhembi Morumbi, FAAP e Estácio financiando os cursos que, muitas de vezes, possuem mensalidades mais altas e ter mais chances de ingressar no mercado de trabalho.

Além disso, o programa também possui taxas bem baixas de juros (às vezes, a depender da faculdade, até sem juros) e se diferencia do FIES quando à simplicidade de acesso, que é bem fácil. Se liga nos diferenciais do programa:

  • não é preciso ter feito o ENEM;
  • você pode começar a pagar as parcelas enquanto estuda;
  • pode ser para cursos presenciais, EAD e pós-graduação;
  • é possível solicitar em qualquer época do ano e as parcelas nunca se acumulam;
  • não é preciso comprovar renda;
  • não tem limite de vagas.
infográfico mostrando as diferenças entre bolsa de estudo e financiamento estudantil

Vantagens e benefícios

Caso a grana esteja curta e você tenha o sonho de conquistar um diploma de ensino superior, é preferível contar com a ajuda dos financiamentos estudantis existentes do que fazer empréstimos bancários. Isso porque a taxa de juros dos financiamentos costuma ser bem menor e o prazo para quitar a dívida com a instituição financeira é bem maior.

Considerações finais

Agora que você já sabe a diferença entre bolsa de estudo e financiamento estudantil, chegou a hora de estudar. E, apesar dessas ajudas serem ótimas para essa fase da sua vida, é sempre bom saber como lidar com o dinheiro para não passar sufoco na faculdade. Por isso, separamos 20 dicas de educação financeira para jovens estudantes. Confere lá!

Quero receber notícias do PRAVALER

Preencha o campo abaixo com seu e-mail e fique sabendo tudo sobre o PRAVALER em primeira mão.