Universidade Distrito Federal Universidade Distrito Federal

Diferentes gerações geram atritos no ambiente de trabalho

Muitas empresas estão passando por conflitos com as diferentes gerações de profissionais atuando ao mesmo tempo no mercado de trabalho. Se você está na faculdade e atua no mercado de trabalho, já deve ter percebido os desafios de trabalhar com pessoas de diferentes idades.

Os jovens estão cada vez mais conectados e atualizados com as novas tecnologias, enquanto os mais velhos prezam pela segurança, estabilidade e hierarquia no ambiente de trabalho. Muitas vezes, ignoram as novas ideias propostas pelos jovens, não entendem a praticidade para resolver certas questões, têm receio de mudanças e aos poucos os conflitos vão surgindo.

De acordo com um recente estudo feito pela ASTD Workforce Development em parceria com a VitalSmarts, cerca de 91% das empresas empregam funcionários de pelo menos três gerações diferentes. E o mais preocupante é que pelo menos 79% não possui nenhum programa ou estratégias definidos para lidar com as diferenças de idade da equipe.

Lidar com esses conflitos entre as diferentes gerações é um verdadeiro desafio atualmente. Em muitos casos, o problema entre os jovens e as empresas também é outro problema ainda desafiador. Quer saber um pouco mais sobre esses conflitos e como mudar isso? Veja como se comportam essas gerações e o que as empresas podem fazer para melhorar essa sintonia.

Gerações X, Y e Z

A geração X, nascida entre os anos 70 e 80, tem perfil voltado à carreira de longo prazo dentro de uma única empresa, gosta de estabilidade, tem menos facilidade com as novas tecnologias, receio de mudanças e gostam de sentir poder através da hierarquia.

A geração Y, nascida após 1982 até anos 90, já cresceu em um mundo globalizado e cada vez mais digital. Gosta de liberdade na hora de trabalhar, propõe ideias revolucionárias, gosta de agilidade para resolver as coisas, costumm ser multitarefas. Enquanto trabalha, também ouvem música, troca assuntos com colegas e ainda está conectada às redes sociais. Costuma não ter paciência para reuniões longas e exige qualidade de vida no ambiente de trabalho.

Já a geração Z compreende os jovens nascidos entre 92 e 2010. Sua principal característica é estar sempre conectada. Nasceu no mundo virtual da internet, dos smartphones, redes sociais e insere a tecnologia digital a tudo que realiza no dia a dia. É tão virtual que acaba encontrando problemas para se relacionar no ambiente de trabalho. Isolada pelos fones de ouvido, essa geração está desafiando a forma de trabalhar, pois valoriza novas formas, que conciliem liberdade e flexibilidade, sem estereótipos pré-determinados. Querem trabalhar com o que gostam e da maneira que for mais confortável.

No ambiente de trabalho, o funcionário da geração X geralmente é o gestor da empresa, que ocupa cargos mais altos. A geração Y é composta pelos novos funcionários, recém-formados que acabaram de entrar na empresa. E a Z, geralmente, são os estagiários.

Com comportamentos e desejos tão diferentes, acabam surgindo os conflitos dentro da empresa. Aliar a criatividade dos mais jovens aos propósitos dos mais velhos é desafiador, pois os dois podem se complementar e, por questões de desentendimento, acabam prejudicando a produtividade da empresa.

Cultura organizacional alinhada ao perfil do jovem

Muitos jovens entram em conflito com as empresas por não se adequarem ao padrão da cultura organizacional da empresa. Muitas ainda possuem características conservadoras, que não acompanham a inovação e criatividade dos jovens.

Procure por empresas que tenham perfis mais liberais, abertas a mudanças, que aceitam a participação do funcionário e quem sabe até propõem ofertas para trabalhar em home office.

Como gerenciar os atritos e o que a empresa pode fazer?

Às vezes, o jovem só quer mostrar que um celular ou tablet pode ajudar a resolver uma simples questão durante uma reunião ou apresentação. E o gestor, alheio a isso, não enxerga que o impulso do jovem e suas novas propostas podem ajudar no trabalho.

O jovem faz várias coisas ao mesmo tempo e quer receber feedback; quer participar do processo e apontar soluções mais práticas.

Para resolver essas questões, é importante a empresa entender os diferentes estilos de trabalho, compartilhar as percepções, respeitar os valores e buscar pontos em comum que possam se complementar e valorizar o melhor de cada geração.

Estabelecer uma cultura em que as diferentes gerações sejam valorizadas surge como questão fundamental no gerenciamento de conflitos no ambiente de trabalho. É importante os mais velhos estarem dispostos a ensinar os mais novos, abertos ao diálogo. Instituir um sistema de avaliação de desempenho que reconheça as interações de cada um com o restante da equipe pode ajudar. Um exemplo pode ser a aplicação de feedback 360°, em que todos os funcionários são avaliados por superiores, pares e subordinados.

Estas são algumas opções para buscar respeito e entendimento entre todos. E você, o que pensa sobre esse assunto?

Categoria: Profissões

Quero receber notícias do PRAVALER

Preencha o campo abaixo com seu e-mail e fique sabendo tudo sobre o PRAVALER em primeira mão.