Enem 2019: guia completo para se dar bem

Enem 2019 Guia Completo


Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) é a avaliação que o Ministério da Educação faz para verificar a qualidade de ensino no país. Além disso, a nota do Enem pode ser usada pelo aluno como forma de ingresso no ensino superior, dependendo da universidade onde ele pretende estudar.

Na prática, ainda que o objetivo inicial do exame seja avaliar o desempenho dos alunos de ensino médio, ele não é obrigatório. Entretanto, a possibilidade de fazer dele um meio para chegar ao ensino superior faz do Enem um dos exames mais importantes do mundo. Por isso, saiba mais sobre o exame e entenda como se preparar para ele.

Quem pode fazer a inscrição para o Enem

A participação no exame é aberta a qualquer pessoa que tenha no mínimo o 3º ano do ensino médio concluído. Além disso, estudantes que tenham ao menos o 1º ou o 2º ano também podem participar, mas como treineiros, o que significa que eles podem fazer a prova para testar seus conhecimentos, mas sua nota não terá validade para programas como o SiSU e o Fies.

A inscrição custa R$ 85, mas o Ministério da Educação oferece isenção desse pagamento para:

  • Alunos do terceiro ano do ensino médio de escola pública;
  • Alunos formados em escola pública;
  • Alunos formados em escola particular com bolsa e que atualmente tenham renda familiar mensal de no máximo 1,5 salário-mínimo por pessoa;
  • Inscritos em programas sociais do governo federal.

Como pedir a isenção

Para pedir isenção da inscrição da prova é preciso acessar o site do Enem. Lembrando que, caso você tenha conseguido a isenção no ano anterior, mas por algum motivo não tenha comparecido a qualquer dos dias de prova, será necessário justificar a ausência para conseguir uma nova isenção.

Uma vez aprovado, você ainda deve fazer a sua inscrição, mas sem a necessidade de efetuar o pagamento.

O passo a passo é o seguinte:

  1. Acessar a página do Enem.
  2. Ir até o cronograma e clicar em “Isenção de taxa de inscrição”.
  3. Clicar em “Sistema Enem”, “Isenção Enem” e preencher o formulário.
  4. Confirmar que você se enquadra em uma das situações que permitem isenção.
  5. Conferir seus dados pessoais e preencher os espaços em branco.
  6. Responder os questionários que aparecerão na sua tela.
  7. Enviar a sua solicitação

Dicas para se preparar para o ENEM

Podemos dividir a preparação em duas partes. A primeira delas diz respeito à organização e a segunda ao conteúdo da prova. Vamos tratar detalhadamente de cada uma delas.

A organização

A prova do Enem é feita em dois domingos diferentes, sendo o primeiro dia reservado para as questões de Ciências Humanas e suas Tecnologias e Linguagens e para a prova de redação dissertativa-argumentativa. Já no segundo dia é realizada a avaliação de Matemática e suas Tecnologias e de Ciências da Natureza e suas Tecnologias.

É preciso se planejar para o tempo de prova. No primeiro dia, o estudante tem 5 horas e 30 minutos para responder o questionário com 90 perguntas e fazer a redação. No segundo, são 5 horas para resolver todas questões.

Em 2019, as provas serão realizadas nos dias 3 e 10 de novembro, ou seja, no primeiro e no segundo domingo do mês. A organização do exame é rigorosa em relação à pontualidade, sendo assim, geralmente os portões são abertos ao meio-dia e fechados às 13 horas, impedindo os estudantes que não entraram de fazer a prova.

Por isso, a dica aqui é confirmar os horários antes do dia da avaliação e se programar para chegar cedo, sem correr riscos. Não deixe também de conhecer o local de prova e fazer o trajeto antecipadamente. Assim você estima o tempo necessário para o deslocamento.

Os locais de prova serão divulgados no dia 16 de outubro e você poderá fazer a consulta na página do participante ou pelo aplicativo do ENEM.

O que levar para a prova do Enem

No dia da prova, é necessário levar documento original com foto, caneta esferográfica com tinta preta. Lanches e bebidas como água, sucos e isotônicos também são permitidos, mas lembre-se de escolher alimentos leves e fáceis de consumir durante a prova. Alimentos industrializados devem estar lacrados ao entrar na sala.

Vale lembrar que celulares não são permitidos durante o exame. Porém, caso você precise levar, o dispositivo deverá ficar desligado e dentro de um porta-objetos com lacre sob a sua cadeira.

O cartão de confirmação do Enem 2019 não é mais obrigatório para fazer a prova e, ao contrário de edições anteriores, não será enviado via correio pelo Inep, cabendo ao estudante a consulta e impressão do documento. No entanto, é bastante aconselhável levá-lo para o exame, já que no cartão constam informações como:

  • seu número de inscrição do Enem;
  • local da prova, data e horário;
  • opção de língua estrangeira;
  • solicitações de atendimentos especiais em caso de gestantes, lactantes ou outras necessidades;
  • solicitação de certificado de participação após o exame.

Resultado do Enem 2019

Depois da prova, a ansiedade para saber o índice de acerto e o resultado começa a aparecer. Para saber o resultado, acesse o site do Inep com o número do seu CPF e a senha cadastrada.

Para interpretar os resultados e saber se a sua média é suficiente para entrar ou não na faculdade e curso que você deseja, você pode acompanhar a média histórica das notas de corte do Sisu, Prouni e Fies. Ainda que não seja garantido que a nota se mantenha, é possível ter uma base comparativa considerando que ela pode oscilar para mais ou para menos.

O conteúdo

A segunda parte da preparação diz respeito à prova em si. Como ela compreende todo o conteúdo do ensino médio, o ideal é o aluno começar a pensar na avaliação com no mínimo um ano de antecedência. Assim ele pode se planejar para as questões com maior tranquilidade.

O Enem valoriza a capacidade do aluno de agir diante de situações práticas do dia a dia. Para avaliar isso, os examinadores usam o termo “Eixos Cognitivos”, que nada mais são do que o conjunto de capacidades adquiridas ao longo do ensino médio.

Isso é considerado na forma como o aluno resolve os problemas demonstrando ser capaz de dominar linguagens, compreender fenômenos, lidar com situações-problemas, construir argumentação e elaborar propostas. É na qualidade de lidar com essas exigências de maneira considerada ética e cidadã que o aluno atende às expectativas da prova.

Também é importante que o candidato tenha a capacidade de fazer associações entre as diferentes áreas do conhecimento, apresentando propostas com soluções para os problemas apresentados, respeitando questões sociais. Neste caso, quanto maiores forem as suas habilidades para articular conceitos e demonstrar que o que pode ser feito de acordo com a proposta, melhor.

O que é avaliado

Do ponto de vista técnico, o Enem se divide em 4 áreas do conhecimento, que são:

  • Matemática e suas Tecnologias;
  • Línguas, Códigos e suas Tecnologias;
  • Ciências Humanas e suas Tecnologias;
  • Ciências da Natureza e suas Tecnologias.

Pode parecer confuso, mas essa divisão segue uma lógica. A primeira área de conhecimento, Matemática e suas Tecnologias, por exemplo, compreende o uso de raciocínio lógico em situações que geralmente fazem parte da rotina de uma pessoa. Assim, podem surgir questões que envolvem razão, proporção, porcentagem, probabilidade, progressões, entre outros temas.

Perceba que, neste caso, o Enem cria uma exigência que vai além da simples assimilação das matérias que vemos na escola. Ele exige do aluno a capacidade de usar de maneira prática os conteúdos que aprende ao longo do ensino médio.

Como isso pode aparecer na prova? Por meio de questões que propõem uma situação que poderá ser mais facilmente resolvida se o candidato souber articular conhecimentos técnicos. Assim, quando o candidato reúne competências para tanto, ele tende a chegar ao resultado mais rapidamente e ganhar tempo para seguir adiante.

Matérias tradicionais

Isso não significa que a maneira tradicional como as matérias são divididas nas escolas deva ser ignorada. Pelo contrário. O Enem continua valorizando o domínio delas, mas exige algo mais, que na maioria das vezes pode ser identificado logo no enunciado.

A própria divisão em áreas do conhecimento mostra que o Enem segue valorizando as matérias tradicionais. Línguas, códigos e suas Tecnologias reúne questões de Língua Portuguesa, literatura e língua estrangeira. Ciências Humanas e suas Tecnologias aborda História, Geografia, Filosofia e Sociologia, além de questões definidas como de Atualidades. Ciências da Natureza e suas Tecnologias, por sua vez, é onde aparecem as questões de Física, Química e Biologia.

Em resumo, a prova do Enem apresenta um perfil. Nele, as questões antes entendidas como de Exatas e Biológicas tendem a aparecer como exigências para que o aluno lide com situações do seu dia a dia, enquanto as questões de Humanas e Atualidades exigem dele o entendimento do cenário político e social que vive e a compreensão da base histórica que deu origem a eventos atuais.

Como calcular a nota do Enem

Cada curso determina um peso para as provas de acordo com aquilo que será exigido na graduação. Isso se justifica, pois para um aluno que pretende cursar Engenharia, por exemplo, é mais importante ter uma nota boa em Matemática do que em Geografia. O mesmo vale para quem procura uma vaga em um curso de Publicidade e Propaganda, que verá um peso maior na prova de Língua Portuguesa do que na de Química.

As universidades podem trabalhar com a média simples ou apresentar a sua média complexa da nota do Enem. Assim, a média simples é obtida a partir da soma simples das notas das cinco provas. Posteriormente, esse valor é dividido por 5 para se chegar ao resultado.

Para se obter a média complexa é preciso conhecer o peso que cada universidade estabelece para as diferentes provas aplicadas. Nesse caso, a média passa a ser a soma das cinco notas multiplicadas pelos respectivos pesos. Em seguida, esse resultado deve ser dividido pela soma dos pesos.

Programas como o ProUni e o Fies usam a média simples para preencher suas vagas. Além disso, em boa parte dos vestibulares do SiSU, esse é o critério para selecionar os melhores candidatos. A média complexa costuma aparecer em instituições como as grandes faculdades públicas e privadas, que precisam estabelecer pesos para as provas, atribuindo a elas valores diferentes de acordo com o curso em questão.

A Redação

É bom lembrar que a Redação também tem um peso importante na nota final do aluno. Por isso vale a pena saber como ela é avaliada. Cada prova é corrigida por dois professores que em hipótese alguma se comunicam entre si. Eles atribuem uma nota para a redação de acordo com 5 critérios, que são:

  • O domínio da norma padrão da língua escrita;
  • A compreensão da proposta alinhada à aplicação dos conceitos do programa no desenvolvimento do tema;
  • A capacidade do aluno de defender um ponto de vista de maneira criteriosa e qualificada;
  • Demonstração de conhecimentos de mecanismos linguísticos;
  • Elaboração de proposta para enfrentar o problema abordado sem desrespeitar os direitos humanos.

Tendo em vista essas exigências, cada professor dá uma nota de 0 a 200 para cada uma dessas competências. A somatória será a nota total do examinador. Como são 5 competências, se o aluno tirar a nota máxima em todas elas, ele terá 1000 pontos.

A nota final será o resultado de uma média aritmética das duas notas finais.

Para ter um desempenho acima da média, vale a sempre a dica: se atente aos temas mais relevantes da atualidade que têm grandes chances de aparecer na redação do Enem 2019 e escreva sobre eles em uma redação simulada, com a mesma estrutura pedida no exame.

Como usar a nota do Enem

Você pode usar o resultado do Enem para tentar vagas nos programas do Governo Federal, como o ProUni, Fies e o Sistema de Seleção Unificada (SISU), voltado para universidades públicas. Ela serve como requisito para o estudante que almeja bolsas parciais ou integrais em universidades privadas ou que pretende custear um curso superior para pagar depois. Existem até mesmo universidades estrangeiras que aceitam a nota do Enem, como é o caso de instituições do Reino Unido e de Portugal.

Agora, você sabia que é possível começar uma faculdade sem ter feito a prova do Enem? Pois bem, além dessas opções, existe o PRAVALER, um programa privado de financiamento estudantil que permite que o candidato participe da seleção mesmo sem a nota do Enem, sendo uma solução interessante para qualquer período do ano.

O PRAVALER é um modelo de financiamento muito vantajoso para o estudante, pois nele, o aluno pode pagar o semestre estudado em até um ano, além de não acumular dívidas, ou seja, você sé começa a arcar com as despesas de um novo semestre quando tiver concluído o anterior.

É a solução ideal para quem precisa de financiamento, mas não pode fazer a prova do Enem ou não alcançou uma nota alta.

Quer saber mais sobre o programa e como ele permite crédito universitário mesmo sem o Enem?

Então acesse o site do PRAVALER e faça a sua simulação.

Compartilhar
Categoria: Enem
Tags: ENEM ENEM 2019

Pesquisar

Quero receber notícias do PRAVALER

Preencha o campo abaixo com seu e-mail e fique sabendo tudo sobre o PRAVALER em primeira mão.