O que é Fies e como o programa funciona


Mesmo que você ainda não saiba muito sobre ele, você já deve ter ouvido falar do Fies. O que é Fies? Ele nada mais é do que um programa criado pelo governo com o objetivo de ampliar o acesso de estudantes a cursos de graduação que eles teriam dificuldade de bancar. Isso é feito por meio da concessão de um financiamento estudantil.

É um tipo de programa bastante diferente daqueles que concedem bolsas de estudos. Afinal, após concluído o curso de graduação, o estudante beneficiário do Fies precisa devolver a quantia de dinheiro emprestada.

Continue lendo e confira tudo o que você precisa saber o funcionamento do Fies, além de como se inscrever para participar do programa.

O que é o Fies?

O Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) é um programa criado pelo Ministério da Educação (MEC) em 1999. Com o intuito de facilitar o acesso de jovens de baixa renda ao ensino superior, ele oferece financiamento estudantil para estudantes de cursos de graduação em faculdades privadas.

A ideia, portanto, é possibilitar que os estudantes que não tem condições de arcar com as mensalidades de um curso possam continuar os estudos. Ao final da graduação, o beneficiário deve devolver o valor do financiamento por meio do pagamento de parcelas mensais.

Para participar do Fies, o estudante precisa estar matriculado em um curso de graduação presencial pago, cujo conceito obtido pelo Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes) seja maior ou igual a três.

Quem pode participar do Fies?

Para participar do Fies, o candidato precisa ter feito o Enem, em alguma de suas edições a partir de 2010, e conseguido uma pontuação total de, no mínimo, 450 pontos e nota maior que zero na redação. Aqueles que tiverem zerado a redação não podem se candidatar ao Fies.

Além disso, até mesmo os beneficiários do Prouni que tenham conseguido bolsas parciais podem se inscrever para financiar 50% do valor da mensalidade do curso de graduação. No entanto, esses candidatos não podem participar de ambos programas para cursos em universidades diferentes e o processo acontece em um período específico.

Os estudantes de todo o Brasil, graduados ou não, podem participar do programa, cujas modalidades dependem diretamente da renda familiar:

Fies

Essa modalidade de financiamento é para os candidatos com renda familiar per capita de até 3 salários mínimos. Se aprovado, o candidato precisa pagar uma taxa de coparticipação todos os meses durante o período do curso. Depois de concluir a graduação, o pagamento do financiamento é feito por meio de parcelas mensais definidas de acordo com a realidade financeira de cada estudante. Nessa modalidade, não há cobrança de juros.

P-Fies

Já essa segunda modalidade é destinada aos candidatos com renda familiar per capita de 3 a 5 salários mínimos. As condições do financiamento são definidas por cada banco, que funciona como agente financeiro operador de crédito.

Como se inscrever para o Fies?

Para solicitar o financiamento estudantil, é preciso seguir alguns passos:

Inscrição no Fies Seleção

Nessa primeira etapa, o estudante precisa informar alguns de seus dados no Sistema de Seleção do Fies (FIES Seleção), como CPF, data de nascimento e e-mail. Feito isso, uma mensagem é enviada para o endereço de e-mail informado para que o cadastro seja validado. Após essa validação, o estudante deve fornecer seus dados pessoais, o curso e a universidade para finalizar a inscrição.

Inscrição no SisFIES

Após a divulgação da pré-seleção no site do Fies, os estudantes selecionados fazem a inscrição no SisFIES. Nessa segunda etapa, o candidato precisa fornecer todas os dados do financiamento a ser contratado, como informações do fiador, renda e outros documentos.

Validação das informações

Com a inscrição no SisFIES concluída, o estudante deve ir até a sua instituição de ensino para validar as informações cadastradas no sistema na Comissão Permanente de Supervisão e Acompanhamento (CPSA). Todas as instituições que participam do programa possuem uma unidade do CPSA, que é o órgão responsável por tratar dos assuntos relacionados ao Fies.

Contratação do financiamento

Nessa última etapa, em até 10 dias após as informações serem validadas, o estudante deve comparecer a um agente financeiro do Fies (Banco do Brasil ou a Caixa Econômica Federal) junto ao seu fiador, na agência de sua preferência. É nesse momento que acontecem as negociações e a formalização do financiamento estudantil. No caso do P-Fies, o aluno é direcionado para o operador de crédito para apresentar a documentação exigida e formalizar a contratação do financiamento.

Para ficar por dentro das datas e prazos para cada etapa, acesse o site do Fies. O cronograma costuma ser lançado junto com o edital, após a divulgação dos resultados do Prouni.

Documentos necessários para contratar o financiamento

No momento de efetivar a contratação do financiamento no banco, o candidato precisa estar pronto e ter em mãos todos os documentos necessários: documento de identificação com foto, CPF, comprovante de residência e documento de regularidade de inscrição (DRI).

Será preciso apresentar também algumas documentações do fiador, como documento de identificação com foto, CPF, comprovante de residência, comprovante de rendimentos e, eventualmente, certidão de casamento e documentos do cônjuge.

Uma dica é ficar atento a quem pode ser fiador já no momento da inscrição no SisFIES. Isso porque apenas os cidadãos brasileiros ou portugueses podem ter essa atribuição.

E, o cônjuge do estudante ou outros beneficiários do Fies não podem ser fiadores dos candidatos. Por se tratar de uma grande responsabilidade, os estudantes precisam conhecer bem essas regras do Fies antes de preencher todos os dados no sistema.

Como funciona o processo de seleção?

Diferentemente do Prouni e do Sisu, a inscrição no Fies permite que o estudante escolha apenas uma única opção de curso. Por meio do uso de filtros de localidade, turno, instituição de ensino e curso, o candidato é direcionado para as vagas disponíveis, tendo que escolher uma delas.

Durante o período de inscrição, as notas de corte dos cursos são atualizadas todos os dias. Até o fim das inscrições, o candidato pode mudar o curso escolhido a qualquer momento.

Isso porque a nota de corte é calculada pela relação entre o número de vagas do curso e a nota obtida no Enem pelos candidatos não-graduados inscritos. As notas mínimas para ingressar em cada curso, portanto, vão variando conforme os candidatos escolhem o curso que gostariam de fazer.

Assim, o sistema vai criando uma ordem de classificação para seleção dos candidatos, de acordo com suas notas do Enem.

Compartilhar
Categoria: Fies
Tags: ENEM ENEM 2019

Pesquisar

Quero receber notícias do PRAVALER

Preencha o campo abaixo com seu e-mail e fique sabendo tudo sobre o PRAVALER em primeira mão.