Alunos do EJA e dos CILs serão aprovados independentemente de frequência

Qualquer participação em atividades durante a pandemia é suficiente para aprovação.

Alunos do EJA e dos CILs serão aprovados independentemente de frequênciaAlunos do EJA e dos CILs serão aprovados independentemente de frequência

Por PRASABER

A Secretaria de Educação do Distrito Federal orientou, por meio de circular, que os professores de turmas de educação profissional, Educação de Jovens e Adultos (EJA) e dos Centros Interescolares de Línguas (CILs) aprovem os alunos independentemente da frequência deles nas atividades oferecidas durante a pandemia do novo coronavírus.

O texto recomenda que sejam aprovados os “estudantes que frequentaram os dias letivos ou acessaram a plataforma ou que forem atendidos por meio de materiais impressos, a partir do dia 13 de julho, independentemente do número de dias ou acessos/vezes”.

A recomendação é de que apenas os alunos que não participaram de qualquer atividade no período sejam reprovados. O texto destaca que “em razão da pandemia da Covid-19 e considerando as dificuldades que o ensino remoto impõe a todos, nenhum estudante terá como resultado final abandono”.

As orientações são para as turmas que adotam o calendário semestral. O encerramento do primeiro semestre letivo de 2020 será na próxima sexta-feira, 25 de setembro.

A recomendação provocou queixas de professores, por terem seu esforço não compensado. Os docentes consideram que o trabalho e a dedicação para oferecer conteúdo aos estudantes durante os períodos de restrições impostos pela pandemia do novo coronavírus foram desconsiderados pela Secretaria de Educação.

A diretora do Sindicato dos Professores do Distrito Federal (Sinpro-DF), Rosilene Corrêa, ponderou que muitos estudantes continuam sem meios de acesso ao conteúdo produzido. “Não concordamos com uma aprovação em massa. Mas também não defendemos a reprovação. Se não foi oferecido, não pode ser cobrado, é essa a triste realidade. Temos uma parcela significativa de estudantes que estão sem acesso [às aulas on-line], mais de 100 mil, de acordo com nossas pesquisas”, disse a sindicalista.

Aulas presenciais no DF

As aulas presenciais estão suspensas no Distrito Federal desde o dia 12 de março por conta da pandemia. Segundo o secretário de educação do DF, não há previsão de retorno presencial neste ano.

Compartilhar