Devedores do Fies reclamam de parcelas altas e desistem de renegociar

Renegociação do Fies foi liberada a partir de 7 de março e vai até o dia 31 de agosto

Devedores do Fies reclamam de parcelas altas e desistem de renegociarDevedores do Fies reclamam de parcelas altas e desistem de renegociar

Por PRASABER

A renegociação do Fies (Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior), programa do governo federal para financiar o ensino superior, não tem sido atraente para muitos inscritos que ainda têm prestações a pagar.

Parcelas altas e valores à vista longe da realidade financeira foram argumentos citados ao UOL por jovens profissionais que desistiram de pagar a dívida. “Fiquei ansiosa pela renegociação, mas continuou inviável pagar”, disse a psicóloga Maria Jaíne da Silva de Oliveira, 25. Com uma dívida de pouco mais de R$ 51 mil, a parcela do seu financiamento é, hoje, de R$ 540. Nesse modelo, ela ainda vai pagar cerca de 95 prestações do Fies.

A proposta de renegociação era de 150 parcelas de R$ 497 —o que totalizaria R$ 74.550. Ou, à vista, R$ 45 mil. “Não mudou muito para mim”, afirmou. “Acredito que [essa renegociação] não atende a necessidade e realidade financeira de muitos estudantes.” Procurado pela reportagem por e-mail e por telefone na quinta (17) e na sexta-feira (18) para responder sobre as críticas dos devedores, o Ministério da Educação não se manifestou até o fechamento desta reportagem. O espaço fica aberto para atualizações.

O UOL ainda questionou o MEC sobre o número de devedores que aderiram à renegociação até o fim da semana passada. A pasta informou que deve divulgar um balanço nesta semana. A MP (Medida Provisória) 1.090, regulamentada em 10 de fevereiro, permite a renegociação de contratos feitos até 2017. A renegociação foi liberada a partir de 7 de março, até 31 de agosto.

Para inscritos no CadÚnico (o cadastro únicos para programas sociais do governo federal) e que receberam auxílio emergencial durante a pandemia de coronavírus, os descontos são de 92%. Aos demais, o desconto é de 86,5%. Essas porcentagens valem para quem tem mais de 360 dias de atraso no pagamento.


Fonte: UOL

Compartilhar