Faculdades retomam aulas práticas em Belo Horizonte

Volta as aulas segue protocolos contra covid-19.

Faculdades retomam aulas práticas em Belo HorizonteFaculdades retomam aulas práticas em Belo Horizonte

Por PRASABER

A prefeitura de Belo Horizonte autorizou dez instituições de ensino superior a retomar as aulas práticas e em laboratório. As faculdades, segundo a Secretaria Municipal de Saúde (SMSA), apresentaram protocolos sanitários que garantem a segurança tanto dos alunos quanto dos colaboradores. Ainda não é possível saber quando as atividades voltarão em todas elas.

As aulas práticas são essenciais no processo de aprendizagem, destaca o coordenador do Núcleo de Orientação Psicopedagógica das faculdades Kennedy e Promove, Cláudio Vieira de Lima. “A prática concretiza o processo de ensino, e a retomada é importante para que possamos ter profissionais com qualidade no mercado ao mesmo tempo que mantemos a saúde dos alunos e funcionários”.

Nas unidades, as atividades dos cursos da área da saúde, como Odontologia e Psicologia, foram retomadas no último dia 3 de novembro. As aulas referem-se aos conteúdos práticos do primeiro e segundo semestres e devem ser concluídas até o próximo mês, informou o diretor-acadêmico das duas instituições de ensino, Natanael Aleva.

Distanciamento de dois metros, medição de temperatura, tapetes sanitizantes e portarias exclusivas para entrada e saída dos alunos são alguns dos protocolos implantados no Promove e na Kennedy.

A retomada e as medidas adotadas agradaram Ítalo Dionísio de Andrade, matriculado no 6º período de Psicologia. “Tivemos que dividir a turma em dois grupos para evitar aglomeração. Mas gostei muito (de voltar)”.

Segundo o professor Cláudio Vieira, uma proposta para o cumprimento da carga horária será apresentada aos alunos que não quiseram retornar por algum motivo. Também entram na lista os que fazem parte do grupo de risco para Covid-19.

O Comitê de Enfrentamento à Covid-19 da capital informou que universidades só serão reabertas quando BH apresentar 50 casos da doença para cada cem mil habitantes. A SMSA não informou o índice atual.

Compartilhar