Universidades públicas definem retorno com aulas remotas

Datas para retorno no ensino superior público ainda não data confirmada.

Universidades públicas definem retorno com aulas remotasUniversidades públicas definem retorno com aulas remotas

Por PRASABER

As universidades públicas já definiram que o recomeço das aulas neste ano acontecerá por meio do ensino remoto, de acordo com o parecer divulgado pela Andifes, a associação que representa os reitores universitários. Cursos cujos anos finais exijam aulas práticas ou estágios, como os da área da saúde, estão isentos dessa regra e os alunos poderão realizar as atividades presencialmente.

A data de retorno do ano letivo ainda não foi definida e as instituições federais têm autonomia para definir seus calendários. No entanto, de acordo com o secretário executivo da Andifes, o retorno presencial ainda não está sendo cogitado.

Universidades particulares

As universidades privadas devem recomeçar o semestre em 1º de março e seguirão uma portaria do Ministério da Educação (MEC), publicada em dezembro, que já havia definido a data. No entanto, de acordo com a Associação Brasileira das Mantenedoras do Ensino Superior (Abmes), a definição sobre o método de ensino – remoto ou presencial – dependerá do número de casos de Covid-19 e mapeamento de risco em cada local.

No estado de São Paulo, por exemplo, a liberação para as aulas presenciais quando ocorre quando a região está na fase amarela. As atividades práticas dos cursos da área da saúde, assim como nas instituições públicas, também poderão ser realizadas presencialmente.

Protocolos de biossegurança

As instituições de ensino superior deverão se submeter, em caso de retorno presencial, ao manual disponibilizado pelo Ministério da Educação (MEC) em julho de 2020, em que são apresentados os procedimentos e medidas coletivas e individuais para amenizar os riscos de contaminação pelo coronavírus. Na ocasião da divulgação do protocolo, o então então secretário de Educação Profissional e Tecnológica do MEC, Ariosto Antunes Culau, lembrou que cada instituição terá autonomia para decidir o retorno ou não das aulas presenciais, observando às diretrizes estabelecidas pelas autoridades de cada local.


Fonte: G1

Compartilhar