Tudo sobre o Curso de design digital Tudo sobre o Curso de design digital

Saiba tudo sobre o curso de Design Digital

A carreira de designer digital continua em alta e provavelmente será uma profissão promissora no futuro. Saiba mais sobre o curso de Design Digital e as possibilidades que o mercado apresenta para os próximos anos.

O que de fato é o design digital

De uma maneira geral, podemos entender o design digital como uma especialização do design visual. É o especialista que tem a responsabilidade de torná-lo mais compreensível e acessível a interface onde um usuário se encontra.

Na prática, o designer digital é um facilitador, que precisa pensar em cada elemento do projeto do qual faz parte, em função da necessidade de difundir a mensagem que a empresa precisa. Assim, ele cria o ambiente adequado para a propagação da informação online, pensando em cada detalhe, considerando texto, imagem, entre outros.

Cabe ao designer digital encontrar soluções, uma vez que cada meio apresenta suas limitações. Assim, é na superação desses desafios e com a apresentação de propostas interessantes que ele pode criar um ambiente inovador e decisivo para a propagação de determinada mensagem.

Pense que para divulgar um produto digital é necessário não somente informar, mas também persuadir e estimular o consumo. Para que esses três elementos se encontrem é necessário que alguém, no caso, o designer digital, tenha total compreensão a respeito de uma série de fatores que vão desde o comportamento do consumidor até as ferramentas necessárias para a criação das peças.

É por isso que a carreira em design digital tem sido tão procurada. As empresas têm requisitado muito a presença desse tipo de profissional para criar soluções para seu público. Por isso, saiba mais sobre ela na sequência.

Qual é a diferença entre design digital e design gráfico?

O designer gráfico é responsável pela estrutura visual de informações impressas – ou offline –, como as páginas de livros ou revistas, embalagens, logotipos, tipografias, outdoors e outros formatos não digitais.

Além disso, o profissional de design gráfico tem maior liberdade de criação, já que deve priorizar dentro do layout apenas a harmonia entre os elementos presentes e assegurar que a mensagem seja transmitida com clareza.

Já o designer digital, além desses requisitos, deve estar atento também ao desenvolvimento de interfaces amigáveis, tornando a experiência do usuário dentro de um site ou aplicativo, por exemplo, mais fácil e intuitiva.

A carreira

O primeiro pré-requisito é o interesse em tecnologia. O designer digital não é um profissional dedicado a um único nicho, muito pelo contrário, sua função é multifacetada, de maneira que ele tem como atuar em diferentes áreas no mercado das novas tecnologias.

Assim, para cuidar da identidade visual de um projeto, por exemplo, ele precisa se interessar pelo trabalho com imagens, cores e suas combinações. Na edição de vídeo, ele precisa dominar as complexas ferramentas que fazem parte do dia a dia do profissional da área e na criação de soluções móveis é preciso ter atenção à tecnologia dos smartphones.

De maneira geral, para ser um designer digital é preciso gostar da comunicação on-line e realmente querer estar em dia com tudo o que envolve esse tema.

Com o crescimento de tudo o que envolve a internet no Brasil e no mundo, é natural que o chamado mercado digital também se destaque. Cada vez mais vemos produtos e serviços sendo oferecidos pela rede, facilitando o acesso de pessoas a soluções antes tidas como inviáveis. Nesse cenário, a mídia digital precisa acompanhar esse avanço.

É nesse contexto que o profissional com formação em design digital ganha importância. Ele é o responsável por dar vida a diferentes tipos de soluções que terão impacto na rede, de maneira que o ambiente digital seja mais do que uma alternativa aos veículos tradicionais, mas sim, uma evolução.

Assim, as oportunidades estão na criação de layouts, de peças publicitárias de diferentes tipos, artes, UX ou design de experiência do usuário, design de animação, também chamado de motion graphics, entre outras áreas.

Áreas de atuação do designer digital

Com o diploma em mãos, o profissional pode trabalhar em agências e produtoras de mídia digital, na indústria criativa, como estúdios de vídeo e animação ou startups de diferentes segmentos, além de empresas tradicionais, como emissoras de TV e departamentos de comunicação.

Vale destacar que nos últimos anos os veículos tidos como mais tradicionais têm recorrido a esses profissionais para modernizar a sua comunicação e assim evitar perder espaço para os novos agentes do mercado.

Além disso, o egresso desse curso poderá atuar no departamento de criação em birôs de computação gráfica, escritórios de design e comunicação visual, agências de publicidade, provedores de internet, startups de diversos segmentos, empresas nacionais e internacionais de Marketing Digital e de desenvolvimento de games.

Como é o curso

É possível cursar a graduação em Design Digital ou então optar pela pós-graduação, caso você já tenha concluído uma formação superior em uma carreira correlata.

De maneira geral, o programa visa a formação de especialistas para trabalhar com meios e mídias digitais, sendo assim, no caso da pós-graduação, o ideal é que o aluno tenha um mínimo de contato com a área para que assim possa se aperfeiçoar com maior facilidade.

No caso de um completo iniciante, o mais indicado é optar pela graduação, pois assim ele terá acesso a um programa que vai do estágio zero ao avançado.

Seja na graduação ou na pós-graduação, o curso é voltado para o trabalho com inovação e criatividade, onde professores que já atuam no mercado digital dão a orientação para que o aluno construa a sua própria trajetória de maneira mais eficiente.

Tanto na graduação quanto na pós, o aluno participa de diferentes tipos de projetos de pesquisa, que vão desde a criação até a apresentação de projetos, o que costuma ser um diferencial na busca por uma inserção no mercado de trabalho. Em função desses projetos e da demanda do mercado atual, acaba sendo comum o estudante conseguir bons estágios logo no começo do curso.

Grade curricular

Cada faculdade terá sua própria especificidade em relação à grade curricular do curso de Design Digital, mas normalmente seguem a uma estrutura geral para desenvolver no estudante as habilidades fundamentais para ingressar nesse mercado. A grade curricular do curso da Anhembi Morumbi, por exemplo, apresenta a seguinte organização:

1º Semestre

  • Comunicação
  • Fundamentos do Design
  • Computação gráfica
  • Fotografia
  • Lógica e ambientes de programação

2º Semestre

  • Estética e história da arte
  • Arquitetura da informação: UX/UI
  • Banco de Dados: Back-end
  • Tipografia
  • História do Design

3º Semestre

  • Metodologia científica
  • Design de Som
  • Direção de Arte para Web
  • Interfaces Digitais: Front-End
  • Projeto Interdisciplinar: visualização de dados

4º Semestre

  • Antropologia e Cultura Brasileira
  • Laboratório de Cinema e TV
  • Narrativas em Meios e Mídias Digitais
  • Design de Dispositivos Móveis
  • Projeto Interdisciplinar: audiovisual

5º Semestre

  • Desafios Contemporâneos
  • Comportamento e Cibercultura
  • Meios e Mídias Digitais: Interface, Navegação e Interação
  • Ergonomia
  • Projeto Interdisciplinar: Ciberativismo

6º Semestre

  • Interfaces Físicas e Mobilidade
  • Modelagem 3D
  • Optativa I
  • Projeto Interdisciplinar: Mobilidade

7º Semestre

  • Gestão de Design Digital
  • Optativa II
  • Projeto Final em Design Digital: Concepção
  • Tópicos Especiais em Design

8º Semestre

  • Estágio Supervisionado
  • Laboratório de Design Digital
  • Direção de Arte em Design Digital
  • Projeto Final em Design Digital: Produção
  • Atividades complementares

Quanto custa um curso de Design Digital

Tomando como base os cursos de graduação disponíveis, a média fica em torno de R$ 1.000 mensais. Entretanto, o interessado pode optar por soluções como concursos de bolsa e financiamento estudantil.

É possível conseguir bolsas de estudo participando de programas realizados pelas próprias instituições, o que muitas vezes acontece logo no vestibular, quando elas concedem o benefício integral ou parcial para os candidatos com melhor desempenho.

Além disso, o governo brasileiro conta com o ProUni, que é o programa de bolsas de estudo para estudantes de baixa renda.

Onde fazer o curso de Design Digital

Confira algumas instituições onde você pode estudar design digital.

PUCCamp

A unidade da PUC na cidade de Campinas oferece o curso de bacharelado em Design Digital no modelo presencial no período da manhã.

Anhanguera

Também no modelo presencial, o bacharelado da faculdade Anhanguera é realizado no campus da Vila Mariana em São Paulo nos períodos da manhã e da noite.

Anhembi Morumbi

O bacharelado presencial na Anhembi Morumbi, unidade Paulista II, em São Paulo, está disponível no período da tarde.

Universidade Veiga de Almeida

A UVA também oferece a graduação em Design Digital com ênfase em Animação Digital. O curso ocorre na unidade da Tijuca/RJ, é presencial e pode ser cursado no período matutino ou noturno.

PUCPR

A PUC Paraná conta com a graduação em Desenho Industrial com ênfase em Design Digital. O curso é no campus Curitiba, no modelo presencial no período da tarde.

Como começar

O primeiro passo é garantir a sua aprovação em uma boa faculdade. Caso você já seja formado, é preciso considerar as opções entre os cursos de pós-graduação. É possível ingressar na faculdade por meio do vestibular tradicional ou via Exame Nacional do Ensino Médio, o Enem, uma opção que acaba sendo mais prática, pois permite que o candidato participe de vários processos seletivos ao mesmo tempo. Basta você ir bem no exame para usar a sua nota em diferentes processos seletivos.

Para faculdades particulares, também é possível recorrer ao financiamento estudantil, que é o crédito universitário a juros baixos. Saiba mais sobre essa solução na sequência.

O crédito estudantil

Da mesma maneira que você pode obter crédito para fazer compras, também é possível financiar seus estudos. O crédito estudantil é uma possibilidade para que você comece a estudar em uma universidade privada com melhores condições de pagamento.

Nessa lógica, os principais programas são o Fies e o PRAVALER. O primeiro trata-se de um programa do Governo Federal que possibilita o pagamento das mensalidades somente após o término do curso, com juros baixos ou zero, dependendo da situação socioeconômica do aluno. Para concorrer uma vaga nesse programa, é necessário ter alcançado a nota mínima do Enem de 450 pontos e renda familiar compatível com os critérios do programa – até 3 salários mínimos.

Já o PRAVALER funciona de maneira parecida ao Fies, já que possibilita o financiamento a longo prazo do curso escolhido, mas conta com um critério bem menos burocrático para aprovar o processo. Além disso, ao contrário do Fies, o PRAVALER pode ser utilizado em cursos a distância e pós-graduação, atendendo a um público mais amplo.

Saiba mais sobre o PRAVALER e como ele pode ser útil para o seu objetivo de estudar. Acesse o site, faça a sua simulação e comece a fazer seus planos.

Quer ter acesso a outros conteúdos como esse e ter toda a informação disponível para escolher o curso que mais combina com você? Continue acessando o nosso blog!

Quero receber notícias do Pravaler

Preencha o campo abaixo com seu e-mail e fique sabendo tudo sobre o Pravaler em primeira mão.