Civilizações antigas – resumo sobre os povos da Idade Antiga Civilizações antigas – resumo sobre os povos da Idade Antiga

Civilizações antigas – resumo sobre os povos da Idade Antiga

Muitas transformações aconteceram com o passar dos tempos. O que hoje entendemos como civilização foi o resultado de muitos fatores que aconteceram durante a história do mundo.

Culturas, costumes, convicções e características sociais e políticas traçam o perfil do ser humano e, unidos a demarcação de instituições políticas e uma hierarquia social, é possível identificar uma civilização formada.

Hoje, existem milhares, mas nem sempre foi assim. Os percursores que significaram a existência das civilizações surgiram em um período chamado Idade Antiga, época reconhecida na história como a que estabeleceu as primeiras culturas e patrimônios.

O período é marcado pelo nascimento de importantes movimentos para traçar a sociedade atual e com certeza é tema que está presente em provas e vestibulares. Então, para se dar bem nos estudos, continue acompanhando este artigo e conheça tudo sobre a Idade Antiga, as primeiras civilizações e a importância de cada uma delas para a formação do mundo de hoje.

Entendendo Idade Antiga

A Idade Antiga, ou Antiguidade, é um arco temporal histórico que aconteceu entre meados dos anos 4.000 a.C. até 476 d.C. O período teve início, de acordo com historiadores, a partir da criação da primeira forma escrita pelo humano, onde os povos antigos escreviam e desenhavam em paredes acontecimentos sobre si mesmos e também sobre outros povoados em torno, com o propósito de registrar os fatos históricos passados por eles, além dos costumes seguidos na época.

O primeiro acontecimento que marcou o nascimento da Idade Antiga, como falamos, foi a criação da forma escrita. O fato aconteceu por volta do ano 3.500 a.C na Suméria, onde um grupo inventou a escrita antiga cuneiforme. Estima-se que o período se encerrou com a queda do imperador, Rômulo Augusto, e todo o império romano, no ano 476 d.C, iniciando, então a Idade Média.

A Idade Antiga é caracterizada por duas importantes divisões de civilizações: a civilização oriental e a civilização ocidental. Na civilização oriental, os povos mais estudados e que tiveram maior impacto na sociedade são os egípcios, mesopotâmicos, hebreus, fenícios e persas. Já na civilização ocidental, os destaques são para gregos e romanos.

Mas, vale destacar que esses não eram os únicos povoados que compunham civilizações antigas. Historiadores também consideram como parte importante do surgimento das civilizações os povos asiáticos, americanos, indianos africanos etc. Apesar do intenso estudo, especialistas dizem não conseguir contabilizar quantas civilizações existiam na época, mesmo que todas tivessem uma relação direta ou indireta entre elas.

Esse período foi marcado pela construção de grandes cidades e intensos conflitos territoriais. Mas também foi nessa época que surgiram os primeiros registros de rituais religiosos, leis e modelos de economia.

No vídeo logo abaixo, você pode compreender um pouco mais – e em cinco minutos – sobre a época considerada a Idade Antiga. Confira:


Antiguidade oriental

Antiguidade oriental é a união das civilizações antigas localizadas no Oriente Médio. De modo geral, as primeiras civilizações dessa região utilizavam os recursos naturais existentes no meio geográfico em que viviam, como fonte de sobrevivência e, também, de renda.

Os povoados da antiguidade oriental vivam em torno de uma crescente fértil, ou seja, ficavam centralizadas em locais com boa qualidade de terra e com fontes de água, assim, investiam fortemente a agricultura e pecuária, com exceção da região da Fenícia que, localizada ao redor do mar Mediterrâneo, decidiu investir no comércio entre povos. Além disso, as civilizações antigas do Oriente Médio são caracterizadas por utilizarem de mão-de-obra escrava para o desenvolvimento da economia local.

Logo abaixo, vamos conhecer as particularidades das principais civilizações da antiguidade oriental. Confira:

Civilização Egípcia

O antigo Egito nasceu a partir da unificação dos povoados nomos, que vivam em torno do rio Nilo. Egito é considerado pelos historiadores como uma das cidades mais ricas do mundo antigo e, no início de sua existência, foi dividida entre dois reinos, o Baixo Egito e Alto Egito. No entanto, com a coroação do primeiro faraó, Menés, a civilização egípcia passou a ser um único povoado.

A economia do Egito era vinculada diretamente ao rio que banhava a cidade, uma vez que era nas terras férteis que sua fonte de renda se encontrava. Seu governo era considerado uma monarquia Teocrática, que significa que todas as políticas e ações eram estabelecidas a partir de uma submissão religiosa. Apesar disso, os egípcios não tinham uma religião única, mas exerciam o politeísmo, ou seja, promoviam cultos aos deuses considerados donos legítimos do solo e antigos governantes das terras.

Com uma cultura muito rica, a civilização egípcia embasava seus costumes e credos a partir da astrologia, ciclos naturais e alterações climáticas. Uma das principais características que traçam esse perfil do povoado do Egito é a forma como contavam as horas e dias do ano. A partir dos movimentos do sol, criaram o Calendário Solar.

A morte sempre foi um acontecimento sagrado entre esse povo, que acreditava em um processo de desprendimento entre alma e corpo. Por esse motivo, ficaram conhecidos pela criação do processo de mumificação de faraós e importantes nomes do império, além da construção das famosas pirâmides do Egito que, na crença egípcia, eram os túmulos e a “segunda casa” dos faraós.

Com uma sociedade estratificada, ou seja, que classificava indivíduos a partir de suas condições socioeconômicas – uma espécie de pirâmide social do Egito, a civilização egípcia também é lembrada por investir fortemente em uma mão-de-obra escrava para trabalhar em suas grandes construções. E foi também a partir dessas arquiteturas que nasceram importantes criações, como fórmulas matemáticas e técnicas de engenharia.

CIVILIZAÇÃO DO ANTIGO EGITO

Nascimento do Antigo Egito

3.100 a.C, com a união Alto e Baixo Egito

Localização

Rio Nilo

Escrita oficial

Hieróglifo

Moeda

Dracma

Principais características

  • Mumificação de faraós;
  • Pirâmides como túmulos;
  • Uso do calendário solar;
  • Governado pela monarquia Teocrática;
  • Religião politeísta;
  • Economia fundamentada na agricultura, cultivo de animais e mineração;
  • Sociedade hierarquizada e pratiarcal.

Civilizacoes Antigas Civilizacao Egipcia

Hieróglifo, escrita oficial do antigo Egito


Civilização Mesopotâmica

A civilização mesopotâmica é considerada pelos historiadores como um conjunto das mais antigas civilizações. As primeiras formas humanas identificadas na região surgiram por volta do ano 7.000 a.C, no entanto, as primeiras cidades e centros urbanos foram constituídos apenas a partir de 4.000 a.C.

Se você se perguntar o que é mesopotâmia, lembre-se que essa civilização se desenvolveu a partir de dois importantes rios da região, o rio Tigre e Eufrates. Por esse motivo, o nome dado a esse povoado tem como significado “a região entre rios” ou “terra entre rios”.

Em seus primórdios, os povos da mesopotâmia eram compostos por sumérios, acárdios, caldeus, assírios e babilônicos. E é justamente por ser o berço de todas as civilizações que a Mesopotâmia foi o local onde as primeiras invenções surgiram, como a escrita cuneiforme, o conceito de agricultura e domesticação de animais e o comércio entre povos.

Além das criações de costumes e culturas, as civilizações mesopotâmicas também foram responsáveis pelo desenvolvimento do código de Hamurabi, conhecido como código penal utilizado pelo povo da Babilônia para manter a ordem e controle do império a partir de leis com direitos e deveres estabelecidos.

A agricultura foi a fonte principal da economia mesopotâmica, com o cultivo de trigo, cevada, linho, gergelim, árvores frutíferas, raízes e legumes. No entanto, com o desenvolvimento dos povos e a criação de novas ferramentas, como a roda, novos negócios foram se desenvolvendo na região, como a criação de animais para consumo e comércio para povoados que não tinham a mesma qualidade de cultivo em suas terras.

A civilização mesopotâmica não tinha uma única religião, porém, possuía centenas de deuses representados por figuras com semelhanças humanas, além de considerarem os elementos naturais (sol, lua e rios) como entidades que deveriam ser cultuados. Seus deuses eram a representação de bem e mal, por esse motivo, quem se recusavam a cumprir com suas obrigações ou não praticavam rituais de adoração, pois eram considerados castigados.

Todas essas características fizeram com que outras civilizações tomassem a Mesopotâmia como referência. Além de todas essas criações, até hoje algumas criações da região são ovacionadas e estuadas por todo o mundo, como a arquitetura e arte mesopotâmica, carregada pela luxúria e exibicionismo, a matemática, criada para solucionar questões de medidas de comprimento, superfície e capacidade de peso, e astronomia, principal ciência estudada e que deu origem ao calendário Lunar na época.

CIVILIZAÇÃO MESOPOTÂMICA

Nascimento da Mesopotâmia

7.000 a.C

Localização

Entre rio Tigre e rio Eufrates

Escrita oficial

Cuneiforme

Moeda

Grãos de cevada como meio de troca de mercadorias ou anéis fabricados a partir de conchas.

Principais características

  • A primeira civilização do mundo;
  • Conhecida pelas terras férteis para agricultura;
  • Deu origem à literatura e escrita;
  • Criou o código de Hamurabi;
  • Elementos da natureza e astronômicos eram divindades;
  • Criação e uso do calendário Lunar.

Civilizacoes Antigas Civilizacao Mesopotamica

Cuneiforme, escrita oficial da Mesopotâmia


Civilização Hebraica

A civilização hebraica surgiu com a migração de um pequeno povoado de pastores da Mesopotâmia para Canaã, na região da Palestina, por volta do ano 2.000 a.C. Sua origem é semita, ou seja, a união de pessoas vindas de diferentes povos, no entanto, esses nômades passaram a ser reconhecidos posteriormente como judeus.

O povo hebreu desenhou suas tradições e culturas a partir do patriarcado, ou seja, quando a figura masculina tem o poder primário e predominante em fatores políticos, sociais e familiares. Suas origens aconteceram a partir de Abraão – personagem presente na Bíblia – que, inclusive, promoveu a primeira organização socioeconômica dessa civilização, que era a ação de pastorar ovelhas, ou agropastoris.

Uma das principais características da civilização hebraica é a religião. Os hebreus foram um dos primeiros povos a adotar uma religião monoteísta, ou seja, que adora um único Deus. A crença, ainda seguida por muitos atualmente, era baseado em Javé – ou Jeová, e sua imagem, ao contrário das demais crenças, não era representada por esculturas ou pinturas.

Inicialmente, os hebreus não desenvolveram sua civilização com características expansionistas. No entanto, com boa parte do povoado sendo tomado como escravo pelos egípcios por conta da desestabilização da economia, foi implementado o regime de Monarquia, se destacando com o rei Davi e sua luta pela expansão das fronteiras de Israel, que já ultrapassavam o rio Jordão. Seu sucessor, Salomão, também se destacou e tornou a Monarquia de Israel uma das maiores monarquias orientais do mundo, ampliando terras e expandindo as atividades comerciais e obras públicas.

CIVILIZAÇÃO HEBRAICA

Nascimento da civilização hebraica

2.000 a.C

Localização

Rio Jordão

Escrita oficial

Aramaico

Moeda

Shekel

Principais características

  • Civilização seminômade de origem semita;
  • Sociedade patriarcal;
  • Economia baseada em agropastoris;
  • Religião monoteísta;
  • Povo conhecido pela criação da literatura salmista e apocalíptica;
  • Reconhecida como uma das maiores Monarquias da história.

Civilizacoes Antigas Civilizacao Hebraica

Aramaico, escrita oficial da civilização Hebraica


Civilização Fenícia

Uma civilização que surgiu em margens litorâneas, a Fenícia nasceu por volta do ano 3.000 a.C, mas só chegou ao ápice, com cidades estruturadas e sua população economicamente ativa, entre os anos de 1.200 a.C e 900 a.C. Suas principais características foram a autonomia e independência das cidades em relação à governança e ordem, ao contrário do que outras civilizações faziam com a construção de grandes impérios.

Inicialmente, o mercado de trabalho na região se dava a partir da agricultura. No entanto, ao contrário das regiões do Egito e Mesopotâmia, a Fenícia não possuía terras férteis para o cultivo. Visto isso e considerando a extensa floresta de cedros em torno, a civilização Fenícia passou a se destacar na construção naval e comércio entre povos.

A experiência em navegação e comércio marítimo fez da Fenícia um dos principais intermediadores para a colonização de diferentes locais ao redor do mar Mediterrâneo, como a cidade de Palermo, na Sicília, e Cartago, no Norte da África.

O desenvolvimento da economia da Fenícia, portanto, se deu a partir dos comerciantes marítimos. Com autonomia nos negócios, esses comerciantes também passaram a conquistar poder político na região, ficando ao lado de sacerdotes para administrar as cidades fenícias.

Apesar dos negócios marítimos predominarem a economia, a Fenícia também teve grande destaque no mercado artesanal. A produção de joias e tecidos – principalmente os tingidos de púrpura – era intensa e toda a elite do império antigo investia nos artigos vindos da região.

Importantes criações surgiram através do povo da Fenícia. Arquitetura, grandes construções, astronomia e matemática são algumas de suas contribuições. No entanto, o maior legado dessa civilização foi o desenvolvimento do sistema de escrita ou, como todos nós conhecemos, o alfabeto. Apesar da escrita ser de origem sumérica, os fenícios investiram na simplificação dela, com menos caracteres, uma vez que as atividades comerciais exigiam mais agilidade e organização. Tal sistema de escrita foi adotado pelos gregos e romanos, que o aprimoraram ainda mais e o tornaram matriz para a nossa escrita atual.

Se você quer se aprofundar ainda mais sobre a complexidade da civilização Fenícia, confira um podcast completo sobre o tema:

Podcast PRAVALER no Spotfy

CIVILIZAÇÃO FENÍCIA

Nascimento da Fenícia

3.000 a.C

Localização

Mar Mediterrâneo

Escrita oficial

Abjad

Moeda

Moeda Fenícia – ouro

Principais características

  • Cidades governadas por reis independentes;
  • Mercado forte em construção naval e comércio entre povos;
  • Destaque no mercado de produção artesanal de joias e tecidos;
  • Religião politeísta e Animista;
  • Teve grande participação na arquitetura e construções de importantes templos;
  • Criou o sistema de escrita, ou alfabeto, formado por 22 letras.

Civilizacoes Antigas Civilizacao Fenicia

Abjad, escrita oficial da Fenícia


Civilização Persa

Com características extremamente militar e expansionista, a civilização Persa originou-se por volta do ano 2.000 a.C, mas, em sua linha do tempo, só se estabeleceu em grandes territórios a partir de 550 a.C, com o reinado de Ciro I – ou Ciro, o Grande. Comandando o império por 25 anos, Ciro I promoveu a expansão do império conquistando cidades gregas da atual Turquia, além de boa parte do Oriente Médio, como a Fenícia, a Síria, Palestina e Babilônia.

Após a morte do sucessor de Ciro I, Cambises, civilização Persa passou a ser governada por Dario I. Com a extensão do império Persa, Dario percebeu que não era possível manter um sistema político centralizado, e foi nesse momento que decidiu fazer uma reforma política em seu território.

Dario I foi quem iniciou uma política em que divisão territorial na Persa. A administração política da região era promovida por sataprias, ou seja, um organismo responsável pelo recolhimento de impostos, além também um grupo de inspeção que fiscalizava as ações dos sátrapas.

Além de inovar com uma administração territorial diferenciada, os persas também desenvolveram uma padronização monetária, com uma moeda única, para facilitar o comércio entre as cidades da civilização Persa. Ainda para contribuir com o aumento do comércio entre cidades, o governo investiu na estruturação de estradas de ligação, dessa forma, o transporte de mercadorias e circulação de informações entre os distritos seria otimizado.

Apesar de conquistar centenas de povos para seu império, os Persas costumavam permitir que todos continuassem seguindo seus costumes ou língua de origem, mas determinavam o pagamento de impostos. Apesar disso, a cultura Persa sempre foi muito rica com elementos da natureza e se destaca com artesanatos, pinturas, arquiteturas e seus tapetes com desenhos elaborados.

Como religião, os Persas seguiam o Zoroastrismo ou Masdeísmo, crença dualista que acredita no princípio do Bem versus Mal.

Para compreender ainda mais a história do império Persa, confira o vídeo que separamos:


CIVILIZAÇÃO PERSA

Nascimento Persa

2.000 a.C

Localização

Entre Golfo Pérsico e Mar Cáspio

Escrita oficial

Perso-árabe (fârsi)

Moeda

Dárico

Principais características

  • Governo expansionista;
  • Com a grande extensão do império, criou-se uma administração política descentralizada;
  • As cidades contavam com staprias para o recolhimento de impostos;
  • Os povos do império podiam seguir com suas culturas e crenças, desde que pagassem os impostos estabelecidos;
  • Cultura rica no artesanato de tapetes persas e itens luxuosos;
  • Religião Zoroastrismo ou Masdeísmo.

Civilizacoes Antigas Civilizacao Persa

Perso-árabe, escrita oficial da Persa


Civilização Chinesa

A civilização Chinesa carrega consigo o título de cidade mais antiga do mundo, junto do Egito e Mesopotâmia, com mais de 4 mil anos de existência, segundo relatos de historiadores. Os registros sobre o início desse povoado são vagos, mas indicam que seu nascimento aconteceu nas proximidades do rio Amarelo – ou Huang-Ho.

Ainda de acordo com especialistas, foi em terras chinesas que encontraram vestígios fósseis Homem de Pequim (Homo erectus pekinensis), um dos mais antigos hominídeos do mundo. Ou seja, os sinais apontam que existia vida humana na região há mais de 400 mil anos.

Por ter a civilização desenvolvida em torno do rio Amarelo, o que, junto de uma espécie de poeira amarelada, tornava a terra apropriada para o cultivo, os chineses se estabeleceram economicamente com a agricultura, com comunidades agrícolas rebuscadas já no ano de 3.000 a.C. No entanto, também se destacavam com a metalurgia e artesanato em madeira, porcelana e bronze.

Com seu governo regido pela Dinastia desde 1.600 a.C – com a Dinastia Shang, a civilização Chinesa expandiu tanto as suas terras e conquistou tanta importância no Oriente que se tornou influência para o desenvolvimento cultural de regiões vizinhas, como Japão e Coreia.

O povoado chinês teve forte participação na criação de importantes itens, como a bússola, pólvora e porcelana, por exemplo. Mas o que mais se destacava em sua cultura era a preocupação com a saúde, o que não acontecia com frequência em outras civilizações.

Os chineses foram os precursores na invenção de produtos e técnicas medicinais que, inclusive, ainda são muito utilizadas atualmente, como a acupuntura. Uma das ideologias desse povo era de que seus corpos eram dádivas recebidas dos pais, por esse motivo, era obrigatório protegê-los contra as enfermidades.

As crenças dessa civilização se davam a partir de deuses que, muitas das vezes, eram antepassados da realeza. Apesar da maior parte dos chineses cultuarem esses deuses, ainda existiam povoados que acreditavam em espíritos da natureza ou ainda possuíam suas crenças locais.

CIVILIZAÇÃO CHINESA

Nascimento

Por volta de 3.000 a.C

Localização

Rio Amarelo (Huang-Ho)

Escrita oficial

Osso oráculo

Moeda

yǐ Bí qián / Ying Yuan

Principais características

  • Uma das civilizações mais antigas do mundo;
  • Terra onde foram encontrados os primeiros vestígios fósseis Homem de Pequim;
  • Desenvolvimento econômico baseado na agricultura;
  • Pioneiros na criação de muitos itens importantes para todas as fases da sociedade, inclusive a atual;
  • Precursores no desenvolvimento de técnicas medicinais;
  • Religião baseada na devoção de antepassados da realeza.

Civilizacoes Antigas Civilizacao Chinesa

Osso oráculo, escrita oficial da civilização Chinesa


Civilização Hindu

A civilização Hindu nasceu em meados do ano 2.000 a.C e originou-se quando dravidianos, que habitavam a Índia, tiveram um intenso confronto com povos arianos. Esse povoado vindo da Ásia Central passou a dominar o território em torno do rio Ganges, formando, assim, a civilização Hindu.

Assim como a maioria das civilizações orientais, o povo hindu se formou em torno de locais próximos a grandes rios, fazendo com que a economia se desenvolvesse a partir da agricultura. Para esse cultivo, desenvolveram uma avançada técnica de irrigação para a época. Além disso, também tinham um grande mercado de especiarias, ponto forte até hoje entre os hindus.

Com o controle do povo ariano em terras hindus, criou-se hierarquias políticas e religiosas, com a implantação de castas entre o povoado e a escravização de parte do antigo povo. As castas são títulos dados as famílias indianas e representavam o seu valor para a sociedade. Os Brâmanes eram representados pela autoridade maior, os sacerdotes, além disso existiam também os Xátrias, que eram os guerreiros, Vaixias, representados pelos comerciantes e artesãos que movimentavam a economia, os Sudras, que eram servos de castas superiores, e os Párias, considerados a escória da sociedade e que executavam os piores trabalhos.

A crença de boa parte da civilização hinduísta era a partir do deus Brahma, deus da música e canções que representa a força criadora do universo. Pessoas representadas pela casta Brâmanes acreditavam estar conectados à soberania desse Deus, por esse motivo, mantinham o poder entre a civilização.

Foi então que, visto a tirania de Brâmanes, um líder religioso do Nepal, chamado Siddhartha Gautama – ou, como conhecemos nos dias de hoje, Buda, decidiu acabar com a escravidão do povo hindu. Recluso por mais de seis anos, Buda compreendeu que para viver em paz consigo mesmo, era preciso libertar-se, assim, a alma atingiria um estágio superior, o Nirvana, e encontraria a paz e tranquilidade suprema. Sua doutrina passou a ser conhecida como budismo e, no início, foi difundida entre as classes pobres do Hindu. Hoje, o budismo atinge povos de todo o mundo, com muitos adeptos na China, Japão e toda a Ásia.

CIVILIZAÇÃO HINDU

Nascimento

2.000 a.C

Localização

Rio Ganges

Escrita oficial

Devanágari

Moeda

Karshapana

Principais características

  • Civilização originada a partir do confronto entre arianos e dravidianos;
  • Economia desenvolvida a partir da agricultura e comércio de especiarias;
  • Política e religião baseadas a partir das castas da sociedade local;
  • Região onde surgiu a filosofia budista.

Civilizacoes Antigas Civilizacao Hindu

Devanágari, escrita oficial da civilização Hindu


Civilização Cretense

A civilização Cretense, ou Minóica/Micênica, nasceu por volta dos anos 2.000 a.C, segundo relatos de historiadores. No entanto, sua origem é incerta, mas estudiosos afirmam que alguns povos da Ásia menor se reuniram e navegaram em direção à Ilha de Creta, onde passaram a viver.

Inicialmente, essa civilização se dedicava a agricultura e pastoreio local. Com o passar dos anos e a evolução do povoado, as atividades comerciais entre outros povos passaram a se destacar entre os cretenses. Mas foi com a deflagração das cidades de Creta, em decorrência de um terremoto, que possibilitou uma transformação política e econômica na região.

Com a reconstituição das cidades cretenses, estabeleceu-se uma Monarquia em Creta, onde os reis eram reconhecidos como Mino – origem do nome Minóica dado para a civilização. Sua função era ser o chefe político local, mantendo a ordem e organização entre os povos, mas também estava ligado a poder religiosos e, por esse motivo, grandes palácios, com sistemas de segurança inovadores – com armadilhas e labirintos – foram construídos.

A religião cretense era baseada a partir da adoração a deusa Reia, deusa-mãe símbolo da fertilidade. E, por terem uma divindade do gênero feminino, a civilização cretense dava grande importância e enalteciam as figuras femininas do povoado.

Algumas criações acompanharam o desenvolvimento da civilização Cretense, como armas, joias, bronze e outros produtos artesanais, mas a principal delas foi a escrita Linear A. Presente em diversas placas de argila a linguagem cretense era muito parecida com a escrita egípcia. Além de desenvolverem uma primeira escrita, esse povo também criou a escrita Linear B, uma espécie de reformulação de sua primeira criação.

Localizados em um ambiente propício para grandes desastres naturais, como terremotos, tsunamis e erupções de vulcões, a civilização Cretense passou a ficar enfraquecida para confrontar invasores, o que fez com que o império acabasse de dissipando com o tempo.

CIVILIZAÇÃO CRETENSE

Nascimento

2.000 a.C

Localização

Mar Egeu

Escrita oficial

Linear A e Linear B

Moeda

Karshapana

Principais características

  • Crescimento econômico através da agricultuca e comércio de bronze, joias, tecidos e armas;
  • Política no regime monárquico;
  • Governo conhecido pelas inovações em sistemas de segurança, com grandes labirintos em volta dos palácios;
  • Religião com adoração a deusa Reia, ou deusa-mãe;
  • Criadores das escritas Linear A e Linear B, até hoje não decifradas.

Civilizacoes Antigas Civilizacao Cretense

Linear A e Linear B, escrita oficial da civilização Cretense

Antiguidade clássica

Pode-se dizer que a antiguidade clássica é um período da história que reunia um conjunto de civilizações da Europa que mais influenciaram – e ainda influenciam – os povos por todo o mundo, como Grécia e Roma.  Sua origem se dá em meados do século VIII a.C e vai até ano de 476 d.C, com a queda do império romano.

O período foi marcado pelo surgimento de importantes filósofos e pensadores, além da presença marcante e inovadora em obras literárias, arte e ideais educacionais. De acordo com estudiosos, o início dessa trajetória se deu através da antiga poesia épica grega de Homero e continuou através do da filosofia do cristianismo.

Apesar de grande influência greco-romana, cada civilização da antiguidade clássica contava com sua particularidade. E aqui, vamos te mostrar as principais delas. Confere só:

Civilização Grega

Quando pensamos o que é civilização e o início de sua existência, logo nos vem na mente a Grécia antiga, não é?! E isso não é à toa. Isso porque essa foi uma das mais importantes e influentes civilizações do mundo. Foi a partir dela que nasceu sistemas políticos importantes, como a democracia, a matemática, a filosofia, com o conceito de refletir sobre ações do cotidiano, e a história, com a famosa mitologia grega.

A civilização grega teve início ainda no período pré-histórico, com os primeiros habitantes denominados péslagos ou pelágios. Mas, sua civilização se estruturou, de fato, apenas a partir do ano 2.000 a.C, com a chegada de povos indo-europeus – eólios, jônios e dórios – em regiões próximas ao mar Egeu.

Esparta e Atenas

Apesar da intensa expansão que passou no decorrer dos anos, a Grécia antiga foi constituída não por um único império, mas sim pelo modelo Pólis, ou seja, um conjunto de cidades-estado com autonomia para organizarem sua política, economia e questões sociais. Dentre essas cidades estão Atenas, na região Ática, Esparta, entre Lacônia e Messênia, e Tebas, em Beócia, uma das mais importantes potências econômicas da Grécia antiga que possuíam doutrinas diferentes umas das outras. Por exemplo, enquanto Atenas investia em um regime democrático, Esparta contava com o modelo aristocrático

Período clássico da Grécia

Além de inovarem no formato de administração pública, os gregos também foram grandes referências culturais. Tamanha foi sua importância nesse setor que os romanos, ao invadirem a Península Balcânica, absorveram boa parte dessa fonte cultural.

Dentre as influências culturais da civilização Grega estão as artes plásticas, com seu alto nível de detalhes corporais em esculturas. Grande destaque na arte renascentista, a filosofia, com o surgimento de importantes nomes que estudaram a existência humana e seus comportamentos, o teatro, que apresentavam espetáculos de comédia e drama com representações de conflitos humanos reais, e a música, com a prática de dois gêneros musicais (vocal e instrumental).

Além de todas essas inovações que os gregos trouxeram e nos influenciam até hoje, esse povo deixou dois importantes legados. O primeiro é a mitologia grega, que é um conjunto de estórias e narrativas com lendas e mitos – inclusive, com a criação de deuses, monstros, heróis e figuras mitológicas – sobre diferentes acontecimentos para o surgimento da sociedade e até mesmo para fatos históricos. Para que você entenda melhor, a mitologia grega pode ser comparada ao nosso folclore e criou figuras muito conhecidas por todos, como Minotauro, Medusa, Zeus, Hércules etc.

Já o segundo legado deixado pelos gregos foi no esporte. Para homenagear seus deuses, principalmente Zeus, deus supremo desse povo, a civilização grega reunia atletas de diversas cidades para disputarem entre si diferentes competições, como natação, corrida e arremesso, por exemplo. Tamanha era a importância desse evento que os atletas que venciam os jogos eram recebidos em suas cidades como verdadeiros heróis. Até os dias de hoje os jogos acontecem, só que agora é mundial. Se você ainda não sabe do que se trata, esse grande evento inventado pelos gregos e passado de geração para geração, estamos falando das Olimpíadas.

Império Macedônio

A região macedônica é um dos assuntos mais polêmicos da história da Grécia Antiga. Isso porque o império, que se estendia entre Península Balcânica e Índia, se considerava parte da civilização grega, estes, por sua vez, não os consideravam membros de suas cidades-estado, mas sim como semibárbaros, ou seja, estrangeiros.

Apesar disso, o império Macedônico tinha como cultura, moeda, religião e língua a influência dos gregos. No entanto, o destaque se dá pela ousadia militar e pensamento expansionista de seus comandantes, como Filipe II e seu sucessor, Alexandre Magno – ou Alexandre, o Grande.

Quer conhecer mais sobre o grande império da Macedônia e suas famosas falanges? Então a dica é conferir o podcast abaixo:

Podcast PRAVALER no Spotfy

CIVILIZAÇÃO GREGA

Nascimento

2.000 a.C

Localização

Mar Egeu

Escrita oficial

Grego Micênico ou Linear B

Moeda

Dracma

Principais características

  • Uma das civilizações mais antigas da história, com registros humanos na pré-história;
  • Império regido pela doutrina Pólis, ou seja, estabelecido pelo conjunto de cidades-estado que tinha autonomia para governar seus povos;
  • Iniciou sua economia e cultura com a agricultura, mas desenvolveu fortes traços no comércio e cultivo de animais;
  • Uma das maiores potências econômicas da antiguidade;
  • Influência cultural para outras civilizações;
  • Deu origem às técnicas da arte renascentista;
  • Criou os Jogos Olímpicos.

Civilizacoes Antigas Civilizacao Grega

Grego Micênico, escrita oficial da civilização grega


Civilização Romana

Assim como a civilização grega, o império de Roma foi uma forte influência para o desenvolvimento das culturas e valores no mundo ocidental contemporâneo. Com sua origem em meados do século VIII a.C (753 a.C), essa civilização se estendeu ao longo do mar Mediterrâneo. Com sua rápida expansão, a cidade de Roma passou a ser o centro da civilização e seu império passou a ser um dos maiores do mundo antigo.

Dentre suas influências, estão os regimes de governo implantados na época, as inovações em engenharia e arquitetura, com o desenvolvimento de técnicas diferenciadas para aquedutos, estradas, palácios e monumentos – métodos esses que deram origem a obras como o Coliseu e Pont du Gard, literatura, na poesia lírica, dramática, cômica e erótica, tecnologia, principalmente na construção civil e saneamento básico, e artes, com pinturas expressivas e decorativas – que é o caso da obra Pompeia, uma das poucas resgatadas em boas condições da época.

Além de todos esses setores desenvolvidos na região, a civilização romana ficou marcada pelo investimento e expansão das forças armadas. Mas, com muitas mudanças durante o período antigo (de 800 a.C a 476 d.C), passou a dividir-se entre exército e marinha, se tornando a instituição militar mais efetiva e duradoura conhecida da história.

Como religião, os romanos praticavam o politeísmo, uma vez que acreditavam em diversos deuses. A diferença para a civilização grega é que, enquanto os gregos personificavam seus deuses, os romanos definiam suas divindades como espíritos sagrados denominados nunes. Dentre os principais deuses romanos, estão Júpiter, Juno, Apolo, Marte, Vênus e Baco.

Expansão romana

Muitas histórias permeiam a civilização de Roma, mas as que mais se sustentam entre os estudiosos da que os primeiros povos a habitarem na região eram de origem latina e sabina, vindos da Europa-Central em meados do milênio II a.C. A união de sete tribos localizadas em torno do rio Tibre aconteceu através dos irmãos Rômulo e Remo, descendentes de Enéias, um herói troiano que fugiu para a Itália após a destruição de Troia pelos gregos, em meados do ano 1.400 a.C.

Com governos expansionistas, a civilização romana passou a crescer e se tornar uma das maiores potências da antiguidade e da região do Mediterrâneo. As terras conquistadas pelos romanos estão distribuídas pela Europa Ocidental e Meridional, Ásia Menor, Norte da África e partes da Europa Setentrional e Oriental. Além disso, junto com a Grécia Antiga, passou a dominar territórios conhecidos como greco-romano.

Entenda mais sobre a expansão da civilização Romana nesse podcast que selecionamos:

Podcast PRAVALER no Spotfy

Império Romano

Em todos os seus anos de existência, a Roma Antiga passou por muitas e intensas mudanças políticas, dividindo a história da civilização romana entre os períodos de (de 753 a.C. a 509 a.C.), República (de 509 a.C. a 27 a.C.) e Império (de 27 a.C. a 476 d.C.).

A Monarquia romana, o povo era classificado por sua atuação na sociedade e economia local. Existiam os patrícios, que era a classe dominante formado pela elite (nobres e proprietários de terras), os plebeus, constituídos por comerciantes, camponeses e artesãos, e os clientes, prestadores de serviços que dependiam dos patrícios e plebeus para sobreviverem.

Durante o período monarca, existia a Assembleia Curiata, formada por trinta chefes de famílias. Além deles, existia o Senado, formado por patrícios, que assessorava o rei e tinha o poder de vetar leis. Com o passar dos anos e com o desejo do último rei de Roma, Tarquínio, o Soberbo, de reduzir a importância do Senado e se aproximar da plebe, a Monarquia romana sofreu um golpe político e passou a não existir mais.

Foi com a queda da Monarquia que surgiu a República Romana. Os patrícios que formavam o Senado implantaram o regime político afim de reafirmar seu poder diante da plebe. Foi nesse período que os plebeus se voltaram contra a política e economia aplicada pelos patrícios, que lutavam para preservar seus privilégios. Durante os anos de 449 e 287 a.C. os plebeus organizaram revoltas que resultaram em várias conquistas e ficaram muito conhecidas na história: Tribunos da plebe, Leis das XII tábuas, Leis Licínias e Lei Canuleia.

Com todas as batalhas organizadas pelos plebeus, as duas classes acabaram se igualando, no entanto, o número de escravos utilizados para a produção ultrapassava o total de pessoas livres, o que também acabou resultando em intensos confrontos, como a revolta de Espártaco. Para manter o equilíbrio, o Senado decidiu indicar três líderes políticos para Roma, Pompeu, Crasso e Júlio César. Com a morte de Júlio César e as mudanças nos nomes desse Triunvirato, disputa de poder passaram a acontecer e Otávio, um dos substitutos da primeira Triunvirato, recebeu o título de Prínceps (primeiro cidadão), o que abriu as portas para a primeira fase do império romano.

Otávio Augusto foi nomeado, então, o primeiro imperador romano. Sua passagem pela liderança foi marcada pela expansão e organização do comércio e distribuição de alimentos – principalmente pão e trigo. Além disso também investiu no entretenimento da sociedade, com a criação da política pão e circo, que foi a promoção de banquetes, eventos esportivos e artísticos, assim como subsídios de alimentos, com o propósito de manter a ordem da população.

Depois do imperador Otávio, passaram pela liderança romana, o imperador Tibério, imperador Calígula, imperador Nero, imperador Tito, imperador Trajano, imperador Adriano e imperador Marco Aurélio. A partir do ano 235 a.C, o império passou a ser governado por imperadores-soldados, que visavam o combate da invasão de civilizações distintas.

A partir da morte do imperador Teodósio, em 395 a.C, Roma foi dividida entre o império oriental e ocidental para seus dois filhos, Honório e Arcádi. A queda do império romano se deu em um período chamado baixo império, onde um conjunto de fatores contribuíram para que a fase fosse encerrada, como a grande crise econômica com a drástica queda na produção agrícola, o aumento de impostos, o fim da política pão e circo, as tensões sociais aumentando a invasão dos povos bárbaros nas fronteiras de Roma.

CIVILIZAÇÃO ROMANA

Nascimento

753 a.C

Localização

Mar Mediterrâneo

Escrita oficial

Latim

Moeda

Áureo, Denário, Sestércio, Dupôndio e Asse.

Principais características

  • Uma das maiores civilizações do mundo antigo;
  • Forte influência na criação de técnicas para engenharia e arquitetura;
  • Presença destacada na literatura, arte, tecnologia;
  • Uma das civilizações que mais investiram nas forças armadas;
  • Religião Politeísta.

Civilizacoes Antigas Civilizacao Romana

Latim, escrita oficial da civilização Romana

Antiguidade na América

Apesar de não ter a mesma visibilidade que outros povos, as civilizações instaladas na América tiveram grande importância na história do desenvolvimento das civilizações antigas. Com presença em territórios que vão do México até a Cordilheira dos Andes, os primeiros povos identificados nas regiões tinham características nômades, caçadores e coletores.

Com a evolução humana, a estrutura social das civilizações americanas se desenvolveu – e muito – sob influência do regime imperialista. Os principais poderes da época eram as imponentes civilizações Astecas, Maias e Incas. Vamos contar as principais características delas aqui, mas se quiser compreender mais sobre a antiguidade na América, confere só esse vídeo:


Civilização Asteca

Originados da civilização pré-colombiana mexicas, os Astecas se estabeleceram no Vale do México entre os séculos XIV e XVI, formando, assim, uma das mais antigas e potentes civilizações das Américas.

A partir de um presságio do deus Huitzilopochtliom, os primeiros povoados foram consolidados em uma ilha no lago Texcoc, criando a primeira cidade Asteca, Tenochtitlán. Com o desenvolvimento da agricultura, comércio e marcado artesão, a civilização Asteca passou a prosperar e, consequentemente, conquistar novos povos. No total, os Astecas chegaram a se formar por 500 povos.

A riqueza na agricultura asteca relacionava-se com a técnica inovadora criada por essa civilização. Chinampa era o nome das ilhas artificiais construídas com matéria orgânica para cultivar os alimentos. Além das ilhas flutuantes, também foi desenvolvido um sistema de irrigação. Com essas técnicas, os astecas conseguiam alimentar uma população superior a 200 mil, grande avanço para a época.

Além da forte presença na agricultura e comércio entre povos, os astecas também prosperaram com a cobrança de impostos dos povos conquistados. Com uma política rígida e extremamente estratificada, ou seja, sua população era classificada a partir de seu poder econômico. Os Astecas contavam com o governo de um imperador considerado semi-divindade.

Com religião politeísta, a civilização Asteca acreditava em diferentes deuses, entre eles estão Huitzilopochtli, Quetzalcoatl e Tezcatlipoca. Para adorar suas divindades, esse povo ficou conhecido por acreditar no sacrifício humano, principalmente de prisioneiros de batalhas.

A queda do império Asteca aconteceu a partir do ano de 1.519, com a chegada dos espanhóis ao Vale do México. Com uma intensa batalha entre os povos, os espanhóis liderados por Hernán Cortés acabaram conquistando a cidade de Tenochtitlán e ceifando milhões de astecas.

CIVILIZAÇÃO ASTECA

Nascimento

Século XIV e XVI

Localização

Lago Texcoco,

Escrita oficial

Náuatle

Moeda

Sementes de cacau

Principais características

  • A mais antiga civilização das Américas;
  • Grande desenvolvimento de técnicas de agricultura, como sistemas de irrigação e ilhas artificiais Chinampa;
  • Crescimento do império por conquistas de povos vizinhos e cobrança de impostos;
  • Religião Politeísta;
  • Conhecidos por acreditarem no sacrifício humano para agradarem suas divindades.

Civilizacoes Antigas Civilizacao Asteca

Náuatle, escrita oficial da civilização Asteca


Civilização Inca

Originados da civilização Andinas, os Incas surgiram por volta de 1.438 e 1.532 nas regiões que hoje estão localizadas parte da Colômbia, Norte do Chile, Argentina e Peru. Seu nascimento se deu a partir domínio de Cusco e, com o império Sapa Inca Pachacuti, passou a expandir suas conquistas territoriais, atingindo mais de 4 mil quilômetros em terras.

Assim como os Astecas, a civilização Inca enriqueceu a partir da cobrança de impostos de povos dominados pelo império. Além disso, sua base econômica era na produção agrícola de milho, batata, algodão e pimenta. A inovação acontece com a divisão desse processo, chamado de ayllus, que consistia em unidades sociais para cultivar em determinados pedaços de terra.

Os Incas também são responsáveis por criarem o mita, espécie de trabalho compulsório que determinava onde um trabalhador deveria atuar para sua cidade-estado durante um período do ano.

O sistema político que regia esse povo era a teocracia, ou seja, o governo tinha suas decisões influenciadas por crenças religiosas. O imperador Inca era conhecido como um descendente do sol e, por esse motivo, era detentor de poderes irrestritos, inclusive no que dizia respeito ao casamento, viagens e mudanças territoriais de seu povo.

Um dos destaques do povo Inca é a religião. Politeístas, acreditavam em deuses ligados à natureza, tendo como supremos o Sol e a Lua. Para que a transmissão espiritual fosse efetivada, essa civilização realizava rituais com a folha sagrada huillca ou vilca, a mastigação de folha de coca, festivais e sacrifícios humanos e de animais. E foi justamente por ter o sol como um de seus principais deuses que os Incas construíram templos íngremes, como os localizados em Macchu Picchu.

Além das conhecidas construções, os Incas ficaram extremamente conhecidos pelo alto nível de detalhe em suas cerâmicas e pelas técnicas cirúrgicas, como a trepanação, e descobrimentos farmacológicos, com um catálogo com mais de 1.400 espécies de folhas e vegetais para os mais diferentes tratamentos médicos.

CIVILIZAÇÃO INCA

Nascimento

1.438

Escrita oficial

Quíchua

Moeda

Escambos

Principais características

  • Uma das maiores civilizações da América do Sul, com mais de 4 mil quilômetros em terras conquistada;
  • Economia forte em cobrança de impostos de povos conquistados e agricultura;
  • Política teocrática;
  • Politeístas, adoravam o Sol e a Lua;
  • Conhecidos pelos rituais com folhas sagradas, sacrifícios humanos e de animais;
  • Amplo conhecimento medicinal, criaram técnicas cirúrgicas e catálogo farmacológico.

Civilizacoes Antigas Civilizacao Inca

Quíchua, escrita oficial da civilização Inca


Civilização Maia

Os historiadores dizem que não é possível datar um período exato para o nascimento da civilização Maia, no entanto, estima-se que sua origem se deu no século I a.C, se desenvolvendo por volta de 1.200 a.C  entre as regiões do México, Guatemala, Salvador, México, Belize e Honduras.

Considerada uma das civilizações mais complexas da região, os Maias tiveram suas cidades estabelecidas e totalmente desenvolvidas no período clássico (250 d.C. a 900 d.C.) e conquistou terras que somaram um aumento populacional que atingiu 19 milhões de pessoas, sendo um dos povoados com maior diversidade e dinâmica cultural.

A economia, assim como boa parte das civilizações antigas, foi constituída pela agricultura local. Além disso, com características teocráticas, os camponeses, classe mais baixa da sociedade Maia, eram submetidos a um trabalho escravo coletivo, a fim de servir aos sacerdotes e guerreiros, grupos socialmente superiores.

Dentre as características culturais mais conhecidas e estudadas da civilização Maia está a criação de um método de escrita baseado nos hieróglifos – caracteres muito utilizados também no Egito Antigo. Além disso, também tiveram grande participação no desenvolvimento da matemática, criando um sistema de cálculos e de expressão numérica a partir do conceito de zero, ou seja, a representação de um número nulo ou neutro.

Outro conhecimento desenvolvido pelos Maias foi o estudo astronômico, com o cálculo de datas a partir dos movimentos do céu, esse povoado criou o calendário solar, a forma mais precisa de acompanhamento do tempo da natureza já criada pelos homens.

Pouco se conhece da religião Maia, no entanto, sabe-se que era baseado no politeísmo. Suas crenças acreditavam em diferentes deuses, que eram adorados a partir da contagem cíclica natural do tempo a partir de rituais associados aos ciclos terrestres e celestiais. A civilização Maia acreditava, ainda, em três planos principais no cosmo: a Terra, o céu e o submundo.

Quer conhecer mais sobre a civilização Maia? Então confira nossa sugestão de podcast sobre o tema:

Podcast PRAVALER no Spotfy

CIVILIZAÇÃO MAIA

Nascimento

1.200 a.C

Escrita oficial

Hieróglifos Maias

Moeda

Escambos

Principais características

  • Civilização com a maior diversidade cultural e populacional;
  • Economia potencializada pela agricultura e sistema teocrático;
  • Criação de um método de escrita baseado nos hieróglifos;
  • Desenvolvimento do calendário solar, o mais preciso feito pelo homem;
  • Religião Politeísta.

Civilizacoes Antigas Civilizacao Maia

Hieróglifos Maias, escrita oficial da civilização Maia

Caiu no Vestibular!

Muitas universidades contemplam as histórias da criação das civilizações no vestibular. Isso porque foi a partir do desenvolvimento delas que muitos sistemas, filosofias e culturas – que, inclusive, também são temas para o processo seletivo – passaram a existir. Confira algumas das instituições que já tiveram questões que abordaram a idade antiga e suas civilizações:

  • Faculdade de Tecnologia (FATEC);
  • Pontifícia Universidade Católica (PUC);
  • Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC);
  • Fundação Getúlio Vargas (FGV);
  • Universidade de Brasília (UnB).

Além dessas que listamos, muitas outras universidades também investem em um conteúdo sobre Idade Antiga. Além disso, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) também pode apresentar questões sobre o tema. Portanto, é importante estar preparado e conhecer todas as principais civilizações da época. Nesse podcast, estudiosos fazem uma análise do caderno de história do Enem de 2019, dá uma olhada nos possíveis temas:

Podcast PRAVALER no Spotfy

Para quem tem interesse em ingressar em um curso de história muitas das civilizações mencionadas por aqui farão parte da grade curricular da graduação. Estar preparado com um conteúdo completo, para não ser pego desprevenido na hora da prova ou ainda nos estudos, pode fazer toda a diferença.

Agora, para te dar aquela forcinha, depois de todo esse conteúdo que compartilhamos, preparamos um caderno de exercícios sobre civilizações antigas, com questões que já caíram em importantes vestibulares. Faça o download e teste seus conhecimentos!

Download dos
exercícios

Glossário

Neste glossário, você vai encontrar o significado de alguns termos presentes no artigo que acabou de ler ou ainda em outros conteúdos sobre civilizações antigas.

Acrópole

Local sagrado onde era construído as estruturas mais nobres, como os templos. São caracterizas como regiões com partes mais altas do relevo do estado. A posição tem valor simbólico e estratégico, já que dali podiam defender o território com melhor visibilidade.

Antropomorfismo

Filosofia que atribui características do corpo humano a representações de animais, deuses e elementos da natureza, como a mitologia grega, por exemplo.

Aquedutos

Canal, subterrâneo ou construído na superfície, criado para conduzir água de fontes para cidades e vilas.

Assíria

Reino da civilização Mesopotâmica, constituído no Antigo Oriente no século XXV a.C. Seu colapso ocorreu entre 612 e 609 a.C.

Augusto

Adjetivo para caracterizar algo – ou alguém – respeitável, de grande imponência e solene. Na Roma Antiga, foi utilizado como título a alguns imperadores.

Bárbaros

Termo utilizado na Idade Antiga para caracterizar um grupo de pessoas tidas como não-civilizadas ou vindas de uma civilização urbana inferior e selvagem.

Clima árido

Ou clima desértico, é um local com grande evaporação e temperaturas elevadas, de modo que água é escassa para sustentar uma vegetação.

Cosmopolita

Característica dada a alguém inerente à diferentes cidadanias e busca transcender a divisão de fronteiras demarcadas pelos governos. Define-se como ser independente e não aceita nenhuma identidade patriótica.

Cristianismo

Religião monoteísta que seguem a filosofia e ensinamentos vindas de Jesus de Nazaré e transcritas na Bíblia Sagrada.

Cúrias

Estrutura social composta pela reunião de algumas famílias com um chefe liderando cada uma delas, chamado de curião.

Diarquia

Regime político onde o governo de um Estado maior acontece por dois líderes.

Dinastia

Sequência de reis e rainhas sucessores ao governo.

Estoicismo

Doutrina filosófica helenística, fundada na Grécia, que pratica ensinamento de como viver uma boa vida ao focar naquilo que é possível controlar.

Hebreus

Povoado semita do Oriente Médio que tem como antepassados os judeus e israelitas.

Hedonismo

Doutrina filosófica originada na Grécia que pratica os ensinamentos de que afirma que o prazer é o bem supremo da vida humana.

Hegemonia

O exercício de autoridade maior de um povo sobre outros, através da implementação de sua cultura ou por meios militares.

Hieróglifo

Escrita da Idade Antiga que utiliza caracteres e símbolos como meio de comunicação.

Islamismo

Religião monoteísta articulada pelo Alcorão que segue os ensinamentos e exemplos normativos de Maomé.

Jardins Suspensos da Babilônia

Uma das sete maravilhas da Idade Antiga, foi uma obra do rei neobabilônico, Nabucodonosor II, que pouco se sabe, mas são descritas em citações ao sacerdote babilônico Beroso.

Juiz

 Denominação para chefe político que exerce a função de autoridade arbitrária e julgadora.

Médicos

Termo histórico derivado de medos, de povos que habitavam a Pérsia, que denominavam pessoas que solucionavam enfermidades dos povos.

Mercenário

Nome dado para aquele que oferece seus serviços apenas por interesses financeiros e troca suas atividades por soldo ou outro tipo de pagamento, sem nenhuma fidelidade a Estado ou nação.

Meteco

Povos estrangeiros residentes nas Pólis gregas da antiga Atenas.

Mitologia

Termo que se refere ao conjunto de mitos e lendas utilizadas para diferentes culturas.

Moeda

Peça circular que serviu e serve como meio de pagamento e transações monetárias.

Monoteísmo

A crença da existência de apenas um deus.

Nação

Comunidade constituída por um grupo de pessoas em uma base territorial sólida que possuem línguas, costumes e culturas em comum.

Oligarquia

Regime político orquestrado por um pequeno grupo pertencente a uma mesma família, um mesmo partido político ou grupo econômico ou corporação.

Pantomima

 Herança romana – representação teatral sem uso de palavras.

Papiro

Folha utilizada para escrever ou pintar durante a Antiguidade Antigo Egito, nas civilizações do Oriente Médio.

Patriarca

Denominação dada a quem realiza o papel de liderança familiar ou religiosa.

Perieco

Classificação do grupo de pessoas intermediárias entre cidadãos e escravos da Grécia Antiga.

Pirâmide egípcia

Estruturas construídas na civilização Egípcia que tiveram como objetivo ser os túmulos que abrigavam os corpos dos faraós.

Politeísta

A crença da existência em mais de um deus, sem um gênero estabelecido.

Sátira

Herança romana – composição poética que critica ou ridiculariza vícios ou defeitos.

Senado

Uma autoridade plenária, geralmente constituída pelos membros mais velhos ou de classes nobres de determinada comunidade, que tem a função de avaliar e ponderar a legislação.

Sistemático

Algo que é regido por um sistema de ordenação.

Termas

Na Idade Antiga, são os edifícios destinados aos banhos públicos.

Torre de babel

Construção que tem como função mítica ser o caminho para chegar aos deuses no céu.

Tragédia

Herança romana – composição poética que focaliza terror, piedade e catástrofe.

Triunvirato

Aliança política informal estabelecida na República Romana por três lideranças, Júlio César, Pompeu, o Grande e Marco Licínio Crasso.

Vendetas

Guerras entre famílias por vingança.

Quero receber notícias do PRAVALER

Preencha o campo abaixo com seu e-mail e fique sabendo tudo sobre o PRAVALER em primeira mão.