Filosofia – Principais pensadores, épocas e teorias Filosofia – Principais pensadores, épocas e teorias

Filosofia – Principais pensadores, épocas e teorias

Os estudantes do ensino médio querem saber: o que costuma cair na prova de Ciências Humanas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem)? Chega de mistério! Aqui você vai encontrar tudo que precisa saber sobre filosofia e seus principais pensadores.

Continue a leitura!

O que é Filosofia?

Vamos conhecer a história da filosofia!

O que significa a palavra “filosofia”?

A palavra filosofia tem origem grega e é uma junção das palavras “philos” (amor) e “sophia” (conhecimento), que significa amor ao conhecimento ou, também, amor à sabedoria. Esta palavra foi utilizada pela primeira vez por Pitágoras no século VI a.C., um filósofo e matemático bem conhecido.

Já a palavra filósofo significa o que ama a sabedoria e tem amizade pelo saber, deseja saber. Assim a filosofia indica um estado de espírito da pessoa que ama, isto é, deseja o conhecimento, o estima, o procura e o respeita.

Desde a Antiguidade, a surpresa e o espanto perante o mundo levaram o homem a formular questões sobre a origem e a razão do universo e a buscar o sentido da própria existência. Segundo a filosofia, todos os aspectos da cultura humana podem ser objetos de reflexão. A questão central de cada corrente filosófica está inserida na estrutura econômica, social e política de determinado momento histórico.

Como surgiu?

São diversos os fatores históricos que fazem parte do surgimento da filosofia. São eles: a humanização dos deuses gregos, as viagens marítimas, o desenvolvimento de uma economia comercial urbana, a utilização em larga escala da moeda, a criação de um calendário laico, o uso do alfabeto, a atividade política e o surgimento da razão.

A humanização dos deuses gregos se dá pela projeção de traços humanos nas divindades gregas ou a concepção dos deuses à imagem dos seres humanos, o que facilita a autonomia humana em relação à religiosidade, algo que constituiria importante aspecto da especulação filosófica.

No mesmo sentido, atuam as viagens marítimas, que revelam a diferença entre os relatos míticos e as observações geográficas efetuadas. Por conta de sua construção e localização geográfica, a sociedade grega tornou-se um importante centro de comércio e uma potência marítima. Isso fez com que os gregos tivessem contato com outras culturas.

Outro importante fator para a desmitificação da realidade é ao uso de um calendário desvinculado da religião, organizado com base em eventos humanos e regularidades da natureza, como as estações do ano. A economia comercial urbana, a circulação generalizada da moeda e o uso do alfabeto também contribuíram para o desenvolvimento de um pensamento abstrato.

As cidades-estados gregas, formadas no período arcaico e consolidadas em configurações democráticas ou oligárquicas na época clássica da Antiguidade Helênica (séculos V a.C. e IV a.C.), instituíram uma novidade histórica. Trata-se do surgimento da política, compreendida como corpo cívico no qual os cidadãos, em igualdade de condições, apresentam propostas, debatem e participam diretamente das decisões de sua comunidade.

Nas assembleias das cidades gregas, o discurso racional assume o plano principal dos debates, pois os temas da coletividade são discutidos por cidadãos que, para a defesa de seus pontos de vista, dependem apenas da qualidade de suas argumentações. Então, pode-se constatar que o surgimento da filosofia corresponde ao exercício da política e na constituição de uma cultura propensa à dessacralização do saber e da razão.

O primeiro filosofo da história foi Tales de Mileto, no início do século VI a.C., mas foi o Pitágoras quem criou o termo filosofia. Desde então, a filosofia é a atividade que se dedica a compreender, identificar e comunicar a realidade através de conceitos lógico-racionais.

A partir do final do século VII a.C., os primeiros filósofos, conhecidos como filósofos pré-socráticos – recebem esse nome pois são os filósofos que antecederam Sócrates – dedicaram-se à investigação sobre a natureza (physis) e buscaram estabelecer princípios lógicos para a formação do mundo. A natureza desmitificada (sem o auxílio das explicações míticas) era o objeto de estudo, tendo como principal objetivo encontrar o elemento primordial (arché) que teria dado origem a tudo o que existe.

Esses pensadores buscavam nos elementos da natureza as respostas sobre a origem do ser e do mundo e por isso eram chamados de “filósofos da physis” ou “filósofos da natureza”. Foram eles os responsáveis pela transição da consciência mítica para a consciência filosófica. 

A filosofia nascida com esses primeiros filósofos deu origem a uma produção de conhecimento e de representação da realidade. Toda essa construção serviu como base para o desenvolvimento da cultura ocidental.

Então, ficou claro qual é o conceito de filosofia? Para que não fique nenhuma dúvida, assista o vídeo que separamos para você.


Linhas de Pensamento

Lógica

Trata da preservação da verdade e dos modos de se evitar a inferência e raciocínio inválidos.

Metafísica ou ontologia

Trata da realidade, do ser e do nada.

Epistemologia ou teoria do conhecimento

Trata da crença, da justiça e do conhecimento.

Ética

Trata do certo e do errado, do bem e do mal.

Filosofia da Arte ou Estética

Trata do belo.

A importância da Filosofia no mundo de hoje

A Filosofia é uma forma de aprender a pensar e refletir, despertando o nosso senso crítico, o que nos auxilia na construção de uma visão mais ampla do mundo. Por isso, ainda é de suma importância no mundo de hoje, mesmo que muitos não saibam seu significado ou acreditem que ela não serve para nada.

Nascida entre os séculos VII e VI a.C., a filosofia ainda nos leva a quebrar as barreiras do conhecimento e aumenta nosso poder de argumentação que é outra importante característica dessa ciência, além de nos ajudar a esclarecer a história da nossa existência. O homem continua sendo o principal objeto da filosofia e quando este não tem o mínimo de entendimento dela, está sujeito a viver preso aos conceitos do senso comum, pois é a filosofia que dá ao homem o desejo de conhecimento.

É a filosofia que estimula consciência e nos ajuda na formulação do nosso caráter moral. A verdadeira importância da filosofia está no efeito que ela causa sobre as pessoas, tornando-as mais livres para uma postura crítica e questionadora. Por esses e outros motivos, a filosofia é tão importante no mundo atual, ajudando as pessoas a desenvolverem uma visão mais humanística.

Quem aí nunca filosofou? Afinal, a filosofia traz ao homem o desejo do conhecimento de si próprio, faz refletir sobre a sua posição no universo e na sociedade, sempre buscando a verdade, e está disponível para todos.

Períodos da Filosofia e principais pensadores

Filosofia Antiga – a.C. a 300 d.C.

É a fase de origem da filosofia, entendida como uma maneira de pensar totalmente nova que se originou na Grécia no final do século VII e início do século VI a.C.  A filosofia antiga marca a primeira forma de pensamento filosófico existente e surge da admiração e do questionamento de alguns pensadores gregos insatisfeitos com as explicações tradicionais da realidade. Até então, todas as indagações humanas acerca do mundo e da natureza tinham recebido respostas baseadas no misticismo, na magia e na religião.

Os pensamentos desenvolvidos na época serviram de base para a construção do raciocínio crítico e do modo de pensar ocidental. Antes, não havia preferência para explicações racionais e lógicas para os fenômenos da natureza. Com os primeiros raciocínios filosóficos (baseados em análises empíricas da realidade), surgiram as primeiras formas de ciências.

Isso ocorreu na região da Jônia (Grécia), onde as cidades eram movimentadas pelo mercantis do mar Mediterrâneo e, por isso, tinham grande concentração de intelectuais. Foi precisamente na cidade de Mileto que surgiram os três primeiros filósofos (Tales, Anaximandro e Anaxímenes), que tinham ideias que rejeitavam as explicações tradicionais baseadas na religião e buscavam apresentar uma teoria cosmológica baseada em fenômenos observáveis.

A Filosofia Antiga pode ser dividida em três períodos, pré-socrática, socrática e pós-socrática.

Pré-socráticos

Parmênides de Eleia (c. 515 – 440 a.C.)


Parmênides é considerado o fundador da escola de pensamento de Eleia, colônia grega que ficava no litoral da região da Campânia (sul da Itália). Para alguns estudiosos, ele teria sido discípulo do pitagórico Amínia, para outros ele era considerado um seguidor do pensamento de Xenófanes.

Ele foi admirado por seus contemporâneos por ter levado uma vida regrada e exemplar. Pouco se conhece sobre a sua vida, mas sabe-se que ele esteve em Atenas por volta da metade do século V, onde conheceu e se tornou amigo de Sócrates.

Parmênides foi o mais influente dos filósofos antes de Platão. Em sua doutrina se destacam o monismo e o imobilismo. Ele defendia a ideia de que tudo o que existe é eterno, imutável, indestrutível, indivisível e, portanto, imóvel. Além disso, ele considera que o pensamento humano pode atingir o conhecimento e a compreensão.

Ao contrário da maioria dos filósofos precedentes, que divulgaram seus pensamentos em prosa, Parmênides era um poeta e escreveu sua grande obra – hoje, disponível apenas fragmentos – em versos hexâmetros semelhantes aos de Homero. Além disso, ele atribuiu suas ideias a uma revelação divina.

Principais Obras
  • Sobre a Natureza

Pitágoras (c. 580 – 497 a.C.)


A vida desse filósofo, considerado um dos fundadores da Matemática, está envolvida em muitas lendas, porque talvez Pitágoras não tenha deixado uma obra escrita. Mas, o que se sabe, com certeza, é que os primeiros trabalhos expondo a doutrina dessa escola filosófica foram escritos por Filolau, um contemporâneo de Platão.

Segundo a lenda, Pitágoras nasceu na ilha de Samos, na Ásia Menor, por volta do primeiro quarto do século VI a.C., tendo falecido ao fim desse mesmo século. Aristocrata, teria deixado a ilha por aversão à tirania de Polícrates, passando, então, a visitar santuários gregos e o Egito.

A vida e a obra de Pitágoras ficaram conhecidas como sendo o “filósofo feminista” por admitir mulheres na sua escola, ao contrário do que era habitual na época, em que às mulheres era atribuído um papel secundário e subserviente. Da obra dele, ressalta que a sua reforma religiosa foi tão relevante que viria a servir de suporte ao pensamento filosófico de Platão.

Por volta de 530 a.C. teria se mudado para a cidade de Crotona, na Magna Grécia, onde passou a se dedicar ao ensino e à política. Ao que parece, a confraria fundada por Pitágoras teve atuação decisiva na derrota que, em 510 a.C., Crotona atribuiu à cidade de Sibaris. Depois, Pitágoras e seus partidários aristocratas teriam sido derrotados por um partido democrático. Não se tem notícia sobre as causas da morte do filósofo, mas alguns estudiosos acreditam que ele poderia ter sido assassinado em uma perseguição política.

Principais Obras

Não se sabe as obras realizadas por Pitágoras, mas sabemos que foi ele que deu os primeiros passos para a descoberta da teoria dos números – estudo das relações abstratas envolvendo números. Uma interessante curiosidade sobre os estudos pitagóricos são os números amigáveis: dois números se dizem amigáveis se cada um deles é igual à soma dos divisores próprios do outro.

Quem vai prestar vestibular já deve ter estudado uma das grandes descobertas geométricas dos pitagóricos, o Teorema de Pitágoras, que é uma relação matemática entre os comprimentos dos lados de qualquer triângulo retângulo. Ou seja, num triângulo retângulo, a soma dos quadrados dos comprimentos dos catetos é igual ao quadrado do comprimento da hipotenusa.

Além disso, outras importantes descobertas atribuídas aos pitagóricos são:

  • Aritmética pitagórica;
  • Descoberta de grandezas irracionais;
  • Identidades algébricas;
  • Resoluções geométricas de equações quadráticas;
  • Transformações de áreas.

Tales de Mileto (c. 624 – 556 a.C.)


Tales, considerado o primeiro pensador do ocidente, era tão sábio que, prevendo pela meteorologia uma colheita abundante, comprou todos os instrumentos usados para processar a azeitona, arrendando-os tempos depois com um grande lucro. Por esse motivado, além de ter sido matemático, também ficou conhecido como astrônomo.

Nascido na cidade de Mileto (Ásia Menor), sua grande contribuição foi a busca de um princípio único para as coisas da natureza. Segundo alguns historiadores, Tales foi comerciante, o que lhe rendeu recursos suficientes para dedicar-se a suas pesquisas. Ele provavelmente viajou para o Egito e a Babilônia, entrando em contato com astrônomos e matemáticos. Depois de aposentado, passou a dedicar-se à matemática, estabelecendo os fundamentos da geometria.

Atribuem-se a Tales diversas descobertas matemáticas. Além de estudar a geometria do círculo e do triângulo isósceles, ele demonstrou o cálculo da altura de uma pirâmide, baseado no comprimento de sua sombra. Daí, surgiu o Teorema de Tales, que afirma que num plano, a interseção de retas paralelas por retas transversais, forma segmentos proporcionais.

Principais Obras

Sabemos que Tales foi um dos grandes contribuidores para a matemática e a ciência tal como ela é hoje. Porém, não foram encontrados pelos historiadores modernos nenhum tipo de arquivo deixado por ele. Nem manuscritos, nem estudos, nada existe de autoria do próprio filósofo.

No entanto, podemos citar os feitos de Tales descritos por Aristóteles e Heródoto como o conjunto de sua obra. São eles:

  • Teorema de Tales;
  • Descoberta do triângulo isósceles;
  • Explicação e previsão sobre eclipse solar;
  • Explicação sobre as enchentes no Rio Nilo;
  • Descoberta de que o triângulo é determinado pela sua base e os ângulos de suas extremidades;
  • Formulação da primeira teoria cosmológica e invenção da filosofia.

Filosofia Clássica

A Filosofia Clássica teve os sofistas – grandes mestres que eram procurados por jovens bem-nascidos, dispostos a pagar muito dinheiro para aprender o que os filósofos tinham a lhes ensinar – e Sócrates como principais personagens. Eles se distinguem pela preocupação metafísica, ou procura do ser, e pelo interesse político em criar a cidade harmoniosa e justa que tornasse possível a formação do homem e da vida de acordo com a sabedoria. Esse período corresponde ao apogeu da democracia e é marcado pela hegemonia política de Atenas.

Vamos conhecer os principais pensadores dessa época:

Sócrates (469 a.C. – 399 a.C.)


Conhecido somente pelo testemunho de Platão, já que não deixou nenhum documento escrito, Sócrates desloca a reflexão filosófica da natureza para o homem e define, pela primeira vez, o universal como objeto da ciência. Dedica-se à procura metódica da verdade identificada com o bem moral. Seu método se divide em duas partes. Pela ironia (do grego eironéia, perguntar) ele força seu interlocutor a reconhecer que ignora o que pensava saber. Descoberta a ignorância, tenta extrair do interlocutor a verdade contida em sua consciência (método denominado maiêutica).

Sócrates é famoso por ter contribuído para os primeiros estudos dessa área, sendo considerado, inclusive, patrono da filosofia ocidental. Alguns duvidavam de sua existência. Contudo, depois que os diálogos com seus discípulos, como Platão, vieram à tona por meio de obras escritas, teve-se a certeza da sua vida e obra.

Foi no momento de esplendor de Atenas e da democracia ateniense que Sócrates floresceu, expressão que tradicionalmente designa o período de atuação dos filósofos, em especial da Antiguidade. Ele estudou as doutrinas de seus antecessores (os chamados pré-socráticos) e concluiu que elas eram um emaranhado de teorias conflitantes, além de inexistir um modo efetivamente satisfatório de se decidir por uma delas.

Além disso, Sócrates também questionou o interesse do conhecimento desenvolvido pelos que vieram antes dele, o qual se voltava para a natureza o mundo e do universo. Sócrates se perguntava em que isso afeta o nosso comportamento. Para ele, o mais importante era saber o que é bom, o que é certo, o que é justo, ou seja, estabelecer um conhecimento que ajudasse a pautar uma conduta correta para o ser humano.

Ao contrário dos pré-socráticos, que discutiam questões relacionadas à natureza, Sócrates e os socráticos apreciavam analisar questões humanas, seus valores, verdades e fundamentos. Para eles, os homens fariam melhor se investigassem a si mesmos: a verdadeira descoberta estava no interior da alma humana, e não fora dela.

O filósofo foi tido por muitos como um homem sábio justamente por assumir não saber de nada. A frase mais célebre atribuída a ele é: “Só sei que nada sei”.

Considerado por alguns como o primeiro a ter pensamentos humanistas, Sócrates gostava de desenvolver suas reflexões filosóficas em praças públicas de Atenas. Conversava com jovens, em especial sobre política e religião, buscando saber o que pensavam.

Principais Obras

Não há registros e obras escritas por Sócrates. Naquela época, era difícil guardar material escrito. Além disso, relatos apontam que ele considerava a tradição oral mais importante.

Sócrates confiou seus estudos aos discípulos. Isso significa que o que realmente se sabe sobre ele é por meio dos seus alunos – Platão, Xenofonte e Aristófanes.

Platão (427 a.C. – 347 a.C.)


Um dos filósofos mais importantes de todos os tempos, Platão não deixou uma obra filosófica sistemática, organizada de forma lógica e abstrata. As obras dele foram escritas em forma de diálogo, em que diferentes personagens discutem um determinado tema. Aliás, o diálogo não é apenas a forma como o filósofo se expressa, mas também a essência de seu método filosófico de descoberta da verdade.

Uma das principais ideias de Platão era que o conhecimento é resultado do convívio entre homens que discutem de forma livre e cordial. Discípulo de Sócrates, Platão afirma que as ideias são o próprio objeto do conhecimento intelectual, a realidade metafísica. Para melhor expor sua teoria, utiliza-se de uma alegoria, o mito da caverna, no qual a caverna simboliza o mundo sensível, a prisão, os juízos de valor em que só se percebem as sombras das coisas.

O exterior é o mundo das ideias, do conhecimento racional ou científico. Feito de corpo e alma, o homem pertenceria simultaneamente a esses dois mundos. A tarefa da filosofia seria libertar o homem da caverna, do mundo das aparências para o mundo real, das essências.

Principais Obras

A maior parte dos escritos de Platão é composta pelos diálogos socráticos, em que Sócrates, é a figura central. Os diálogos se baseiam em um tema, mas podem se desdobrar em outros assuntos. Hoje, conhece-se 35 diálogos que podem ser compreendidos dentro de quatro períodos distintos:

  • Diálogos de juventude ou socráticos: Apologia de Sócrates, Láques ou Da coragem, Cármides ou da sabedoria;
  • Diálogos ditos de transição: Hípias menor, Hípias maior, Górgias, Protágoras, A República (livro I);
  • Diálogos de maturidade: Fédon, O Banquete, A República (livros II a X);
  • Diálogos considerados de velhice: Parmênides, Teeteto, O Sofista, Timeu.

Aristóteles (384 a.C. – 322 a.C.)


Nascido na cidade de Estagira, pertencente ao Império Macedônico, Aristóteles era aluno de Platão e passou a discordar de uma ideia fundamental de sua filosofia e, então, o pensamento dos dois se distanciou. Talvez seja esse o ponto de partida para se falar da obra filosófica aristotélica.

O filósofo grego se dedicou aos estudos de lógica, que renderam bons resultados para a argumentação, para a linguagem e para a escrita filosófica até a contemporaneidade, quando filósofos da linguagem desenvolveram novos modos de se entender e estudar a lógica.

A lógica, segundo ele, é um instrumento para atingir o conhecimento científico, ou seja, aquilo que é metódico e sistemático. Ao contrário de Platão, afirma que a ideia não possui uma existência separada – ela só existe no ser real e concreto.

Ele foi o fundador do Liceu, uma escola filosófica para ensinar os seus discípulos. Havia muitas semelhanças entre o Liceu de Aristóteles e a Academia de Platão. E até por isso, quando Platão morreu, Aristóteles esperava receber o cargo de gestor da Academia, o que não aconteceu. Chateado com a situação, o pensador mudou-se para Artaneus, cidade na Ásia Menor, onde ele recebeu o cargo de conselheiro político.

Talvez o maior legado que Aristóteles tenha deixado para a posteridade seja a classificação sistemática das áreas do conhecimento, a lógica e a valorização do conhecimento empírico para a obtenção de qualquer conhecimento prático sobre o mundo.

Principais Obras

Nos dias de hoje, temos o conhecimento de 22 textos deixados por Aristóteles. A maioria são extensos e escritos pelo próprio filósofo e, em muitos casos, divididos em vários livros. Dentro de sua obra, também se encontram alguns conjuntos de notas que deveriam ser usadas nas aulas do filósofo no Liceu. Especula-se que algumas dessas notas tenham sido feitas por seus alunos.

Veja alguns dos principais escritos de Aristóteles:

  • Tratado metafísico: A Metafísica, conjunto de escritos denominado pelo filósofo de Escritos sobre Filosofia Primeira e, posteriormente, reunidos em catalogados por Andrônico de Rodes, é um extenso tratado sobre uma filosofia pura que se dedicaria a entender o que é o ser em sua totalidade, ou seja, uma espécie de ciência geral, mestra de todas as ciências;
  • Tratados de lógica: Possui dois tipos, o Categorias, pequeno tratado de lógica que apresenta a necessidade da distinção de categorias diferentes para que a expressão filosófica faça sentido e o Da Interpretação, que é um texto que possui pontos em comum com O Sofista, de Platão. Fala sobre a verdade e sobre a relação das palavras escritas e as operações mentais, ou o raciocínio;
  • Tratados de Física: Constituída de oito livros, a obra faz observações científicas sobre a Física Antiga, anotando algumas noções que os antigos já possuíam sobre, por exemplo, densidade e movimento;
  • Tratados de Biologia: Nestes tratados ele analisou o funcionamento dos corpos animais, classificação de plantas e insetos e as teorias sobre a origem da vida. Entre seus tratados sobre o assunto, estão: História dos animais, Da Geração e da Corrupção, Da Geração Animal;
  • Tratados de antropologia: Chamado de Da Alma, foram escritos sobre a formação da alma, que habitaria e daria movimento e vida aos corpos humanos, além da capacidade racional. Também pode ser considerado um tratado de psicologia antigo;
  • Tratados sobre a escrita: Titulados de Poética e Retórica.
Frases de Aristóteles:
  • “Nunca existiu uma grande inteligência sem uma veia de loucura.”
  • “As pessoas dividem-se entre aquelas que poupam como se vivessem para sempre e aquelas que gastam como se fossem morrer amanhã.”
  • “O sábio nunca diz tudo o que pensa, mas pensa sempre tudo o que diz.”
  • “A alegria que se tem em pensar e aprender faz-nos pensar e aprender ainda mais.”
  • “Valor fundamental da vida depende da percepção e do poder de contemplação ao invés da mera sobrevivência.”
  • “Nosso caráter é o resultado da nossa conduta.”
  • “Valor final da vida depende mais da consciência e do poder de contemplação, que da mera sobrevivência.”
  • “Tive pena do ser humano por trás do erro, e não de seu caráter.”

Filosofia Helenística

O período helenístico corresponde ao final do século III a.C. – marcado pela morte de Alexandre Magno – e se estende, segundo alguns historiadores, até o século VI d.C. As preocupações filosóficas fundamentais voltam-se para as questões morais, para a definição dos ideais de felicidade e virtude e para o saber prático.

Vamos conhecer as escolas filosóficas do período helenístico e seus principais filósofos:

Cícero (106 a.C. – 43 a.C)


Filósofo e orador, Marco Túlio Cícero nasceu em Arpino (Itália) e sua educação foi baseada nos maiores oradores e jurisconsultos de sua época. Cícero permaneceu afastado da política por quase dois anos, elaborando suas obras filosóficas.

Seu primeiro triunfo no Fórum de Roma ocorreu em 80 a.C., quando defendeu Sextio Róscio Amerino, num processo que assumiu importância política. Para escapar à vingança, Cícero viajou para a Grécia, onde se dedicou ao estudo da filosofia e voltou para Roma depois da morte de Sila, já com grande prestígio.

Grande intelectual, nos anos de ócio forçado pela ditadura produziu verdadeira biblioteca de escritos filosóficos. Como filósofo, Cícero foi eclético e divulgador do pensamento grego. A ele devemos o conhecimento de muitas doutrinas que, de outro modo, estariam perdidas.

Foi ele quem dotou, primeiro Roma, depois a Europa, de um vocabulário filosófico. Conceitos como “qualidade”, “individual”, “indução”, “elemento”, “definição”, “noção”, “infinidade” etc. e foram por ele introduzidos na língua latina.

Principais Obras

Suas principais obras são: Sobre a república e Sobre as leis, em que tenta interpretar a história romana em termos da teoria política grega; Sobre a consolação e Sobre os objetivos da ética, exposição e refutação do epicurismo e do estoicismo; Discussões em Túsculo, diálogos sobre a dor, a morte e a virtude; Sobre a natureza dos deuses, Catão o velho ou Sobre a velhice, Sobre a adivinhação, Sobre a amizade, Sobre os deveres e Questões Naturais.

Algumas de suas obras nos deram grande parte do atual conhecimento da filosofia grega, enquanto outras influenciaram profundamente a ética cristã e a moral leiga moderna, pela sua compreensiva sabedoria humana.

Marco Aurélio (121 – 180 d.C.)


O governo de Marco Aurélio, que se estendeu por quase duas décadas (até sua morte, em campanha militar), foi marcado por guerras prolongadas e por uma série de dificuldades internas. Ele foi um excelente guerreiro e administrador e, ao mesmo tempo, humanizou profundamente o exercício do poder.

Quando as obrigações de governo permitiam, ele se entregava à reflexão filosófica e escrevia seus pensamentos, em língua grega. Tornou-se assim a terceira e última figura do estoicismo romano.

O conteúdo de suas “meditações” – como ficaram conhecidos posteriormente seus pensamentos, registrados em forma de diário – é marcado pela filosofia estoica. As especulações físicas e lógicas cedem lugar ao caráter prático dos romanos e ao aconselhamento moral. Para os estoicos, a filosofia não representa conhecimento, mas modo de vida.

Para Marco Aurélio, a questão central da filosofia é o problema de como se deve encarar a vida para que se possa viver bem. O problema é tratado com grande dedicação por ele, que é um homem religioso e pouco interessado na investigação científica. Em seus pensamentos, são bem visíveis as tendências ecléticas.

Principais Obras
  • Meditações: formado por 12 livros, este é título de uma série de escritos pessoais do imperador romano, onde ele apresentou suas ideias sobre a filosofia estoica e escreveu como uma fonte para sua própria orientação e para se tornar uma pessoa melhor. 

Sêneca (4 a.C. – 65 d.C.)


Lucius Annaeus Seneca via a razão como guia para o comportamento moral, uma característica da filosofia estoica. As obras dele tiveram grande influência na filosofia e na literatura posterior.

Sêneca foi educado em Roma, onde estudou retórica e filosofia. Tornou-se famoso como advogado, foi membro do senado romano e posteriormente nomeado questor, magistrado da justiça criminal.

Quando foi exilado – após ter sido acusado de adultério, escreveu suas famosas “consolações”, textos dirigidos a um interlocutor com o propósito de confortar. Após esse período, afastado da vida pública, sofreu perseguição do imperador Nero e foi acusado de participar da Conspiração de Piso, que teria planejado o assassinato de Nero, e condenado ao suicídio.

Principais Obras

Suas obras filosóficas tiveram grande influência na produção de dramaturgias durante a fase do Renascimento. As principais são:

  • Consolação a Márcia: dirige-se a uma mulher que acabou de perder um filho, tecendo considerações sobre a inconstância da sorte e a fragilidade da vida humana;
  • Consolação a Hélvia: dirige-se à própria mãe, consolando-a pelo sofrimento de ver seu filho no exílio;
  • Consolação a Políbio;
  • Diálogos;
  • Espístolas Morais;
  • Questões Naturais.

Filosofia Medieval – 300 d.C. a 1500

A Filosofia Medieval é toda filosofia desenvolvida na Europa durante a Idade Média (período compreendido entre a queda do Império Romano no século V até a Renascença no século XVI). Na Europa a filosofia começou a renascer no século XI com Anselmo, outro dos santos filosóficos, que ficou famoso por ter inventado o Argumento Ontológico da existência de Deus.

Considerada um processo de recuperação da antiga cultura filosófica desenvolvida na Grécia e em Roma durante o período clássico, a Filosofia Medieval é caracterizada pela necessidade de abordar os problemas teológicos da época. Considerando que a Idade Média foi marcada pela forte influência da igreja católica, os pensamentos filosóficos medievais tinham relação com a fé e a razão, a existência e a influência de Deus e os propósitos da teologia e da metafísica.

Tendo em vista o caráter predominantemente teológico da filosofia medieval, os pensadores eram, muitas vezes, membros da igreja e raramente se consideravam filósofos, uma vez que o termo ainda estava muito relacionado a filósofos como Aristóteles e Platão. Contudo, o raciocínio teológico da época utilizava muitos métodos e técnicas dos filósofos antigos para refletir sobre a doutrina cristã.

Assim, é seguro afirmar que a Filosofia Medieval buscou adequar duas áreas distantes: a razão científica e a fé cristã. Saiba quais são os pensadores daquela época:

Nicolau de Cusa (1401 – 1464)


Cardeal, teólogo, administrador e filósofo alemão, pouco se conhece da formação de Nicolau de Cusa. Mas sabemos que, em 1416, ele foi matriculado na Universidade de Heidelberg, um ano depois se mudou para Pádua, onde recebeu o grau de doutor em direito canônico. Dedicado à reforma do calendário e à unificação da cristandade, ele se envolveu na resolução de diversos problemas político-eclesiásticos.

Tido por muitos como um filósofo versátil, é possível identificar em seu sistema desde a mística neoplatônica até o nominalismo racionalista dos franciscanos. Nicolau de Cusa é reconhecido como a grande figura na transição do pensamento medieval para o pensamento moderno, sendo gestado no Renascimento e em seu trajeto repleto de contrastes.

Principais Obras
  • De Concordantia Catholica: obra em que pregava a unidade da Igreja católica e a concordância de todas as fés cristãs;
  • De Docta Ignorantia: a primeira obra clássica alemã, que, de fato, fundou a filosofia moderna;
  • De Conjecturis;
  • Apologia Doctae Ignorantiae;
  • De visione Dei;
  • De apice theoriae.

Santo Agostinho (354 – 430 d.C.)


Agostinho de Hipona, conhecido universalmente como Santo Agostinho, foi um dos mais importantes teólogos, filósofos e escritores nos primeiros séculos do Cristianismo. Ele era bispo de Hipona – uma cidade na província romana da África, e foi uma das personalidades mais importantes da igreja católica no período da História Medieval. Suas obras foram muito influentes no desenvolvimento do Cristianismo e da filosofia ocidental.

Santo Agostinho buscou entender os conceitos da vida por meio da psicologia, filosofia e religião, porém afirmava que cada acontecimento era uma providência divina. Era defensor da ideia de pecado original e da predestinação – teoria de que o destino da vida humana é planejado por Deus. A fé seria o único meio de alcançar a verdade, sendo a razão o responsável pela comprovação dessa verdade.

Principais Obras

As obras do santo são requisitadas também na atualidade. Entre os muitos assuntos, escreveu intensamente sobre os problemas da liberdade: o direito de escolha e a figura divina como incentivador do autoconhecimento humano. Sua coletânea também inclui textos da doutrina cristã, comentários sobre trechos da bíblia – principalmente o livro de Gênesis – salmos, sermões e cartas. As mais conhecidas são:

  • Confissões (Confessiones): título de um livro autobiográfico, no qual relata a sua vida antes de se tornar cristão e sua conversão.
  • A Cidade de Deus (De Civitate Dei): descreve o mundo, dividido entre o dos homens (o mundo terreno) e o dos céus (o mundo espiritual);
  • Doutrina Cristã (De doctrina Christiana);
  • Livre arbítrio (De libero arbitrio);
  • Trindade (De Trinitate);
  • A mentira (De mendacio).

Tomás de Aquino (1225 – 1274)


Deus existe? É possível provar sua existência? Razão e fé são incompatíveis? Tais questões foram centrais na filosofia medieval, que, por mais de mil anos, subordinou especulações filosóficas aos dogmas das escrituras sagradas, sob o domínio da igreja católica.

O período conhecido como Escolástica (século VIII a XIV), assim chamada em razão dos professores das universidades medievais (os escolásticos), foi marcada pela tentativa de conciliação entre razão e fé. Um dos mais importantes nomes da filosofia medieval e maior representante deste período foi Santo Tomás de Aquino.

Na época de Tomás de Aquino começaram a ser difundidos na Europa escritos de Aristóteles, então coube a ele tornar a metafísica aristotélica aceitável na igreja católica. Ele auxiliou na reintrodução da filosofia aristotélica no pensamento europeu e atualizou a teologia cristã junto à filosofia medieval, tendo escrito sobre os conflitos entre fé e razão existentes no período.

Suas principais influências são, de um lado, Platão e Santo Agostinho (que pode ser considerado um neoplatônico) e, de outro, Alberto Magno e Aristóteles (que representa o pensamento filosófico grego dominante durante a Escolástica). Para Aquino, a identidade era o elo fundamental que, ao conectar a existência e a essência, mostrava o toque divino. A perfeição divina era capaz de alcançar e de explicar essa relação tão obscura e intrigante.

Principais Obras

Tomás de Aquino produziu uma vasta obra escrita, somando mais de 60 livros. Entre os principais, encontram-se a Suma Teológica e O Ente e a Essência.

Frases mais famosas:
  • “Ninguém tende a uma determinada coisa pelo desejo e pelo estudo, se tal coisa não lhe for previamente conhecida.”
  • “Por seu pecado, os hereges merecem não apenas ser separados da Igreja, pela excomunhão, mas também do mundo, pela morte.”
  • “A humildade é o primeiro degrau para a sabedoria.”
  • “Deus é uno, simples, perfeito, infinito, dotado de inteligência e vontade.”

Filosofia Moderna – Sec. 16 a 18

A desintegração das estruturas feudais, as grandes descobertas da ciência e a ascensão da burguesia marcam o nascimento do Renascimento. Em contraste à Filosofia Medieval, dogmática e submissa à Igreja, a Filosofia Moderna é irreligiosa e crítica. Representada por leigos que procuram pensar de acordo com as leis da razão e do conhecimento científico, é caracterizada pelo antropocentrismo – que considera o homem o centro do Universo – e pelo humanismo.

O único método aceitável de investigação filosófica é o que recorre à razão. Além do racionalismo, as principais correntes da filosofia moderna são o empirismo e o idealismo, movimentos que têm relação com a ascensão da burguesia e com a Revolução Industrial.

Renascimento

Foi um período de intensa renovação e caracterizou-se por ser um movimento intelectual baseado na recuperação dos valores e modelos da Antiguidade greco-romana, contrapondo as tradições medievais. O Renascimento referiu-se não apenas às artes plásticas, a arquitetura e as letras, mas também à organização política e econômica da sociedade.

Erasmo de Rotterdam (1469 – 1536)


Conhecido como o porta-voz do humanismo, o filósofo holandês passou para a história por se opor ao domínio da igreja sobre a educação, a cultura e a ciência. A influência religiosa vigorou praticamente sem contestação durante toda a Idade Média no Ocidente e ainda no tempo de Erasmo era preciso ousadia para ir contra ela.

Erasmo se inseria no panorama cultural como um símbolo da nova era. Num tempo em que os papas instigavam guerras e acumulavam fortunas e o clero dava mostras de ostentação, hipocrisia e arrogância, Erasmo pregou a volta aos valores cristãos originais, a começar pela paz. Sua obra mais célebre, O Elogio da Loucura, é uma sátira à inversão de valores que detectava na sociedade de seu tempo.

Principais Obras
  • O Elogio da Loucura: trata-se de uma das obras filosóficas mais divertidas de todos os tempos, uma vez que seu autor resolveu escrevê-la de modo francamente satírico, em seus 68 breves capítulos.

Maquiavel (1469 – 1527)


Quando queremos dizer que alguém é falso, astuto ou traiçoeiro, costumamos dizer que é maquiavélico. O adjetivo não é nada amistoso, mas o responsável por ele é um dos filósofos mais importantes da história da filosofia política, Nicolau Maquiavel, nascido em Florença, na época do Renascimento.

Durante o período medieval, o poder político era concebido como presente divino. Os teólogos elaboraram suas teorias políticas baseados nas escrituras sagradas e no direito romano. No período do Renascimento, os clássicos gregos e latinos passaram a carregar o pensamento político. Maquiavel, no entanto, elaborou uma teoria política totalmente inédita, fundamentada na prática e na experiência concreta.

Nesse momento, a Europa passava então por grandes transformações. Uma nova classe social, a burguesia comercial, buscava espaço político junto à nobreza, ao mesmo tempo em que assistia a um movimento de centralização do poder que daria origem aos Estados absolutistas (Portugal, Espanha, França e Inglaterra).

Como tinha sido diplomata e homem de estado, Maquiavel conhecia bem os mecanismos e os instrumentos de poder. Em sua principal obra, O Príncipe (palavra dada a todos os governantes), o que temos é uma análise lúcida e cortante do poder político. A política não é vista mais através de um fundamento exterior a ela própria (como Deus, a razão ou a natureza), mas sim como uma atividade humana. O que move a política, segundo Maquiavel, é a luta pela conquista e pela manutenção do poder.

Principais Obras
  • O Príncipe: Sintetiza o pensamento político de Maquiavel. A obra, publicada em 1532, foi escrita durante algumas semanas, em 1513, durante o seu exílio, que tinha sido banido de Florença, acusado de conspirar contra o governo;
  • A Mandrágora;
  • História de Florença.

Thomas More (1478 – 1535)


Thomas More foi um filósofo, escritor, advogado, diplomata e estadista inglês, e representa uma das figuras mais importantes do humanismo renascentista. Desde cedo teve uma boa educação, estudando línguas, matemática, astronomia e teologia até se tornar advogado em Oxford, exercendo a profissão por algum tempo.

Por conta de seu reconhecimento na posição de homem das leis, fez parte da Corte inglesa a partir de 1520. Ao lado da família real, tornou-se embaixador, cavaleiro e chanceler da Inglaterra.

Thomas foi um ortodoxo religioso que defendeu os dogmas da igreja atacando os valores da monarquia e o luxo desnecessário. Em sua principal obra, A Utopia, ele faz críticas a sociedade inglesa de sua época, donde a utopia seria uma ilha composta pela sociedade ideal, porém é inatingível.

Principais Obras
  • A Utopia: Propõe uma sociedade alternativa e perfeita;
  • A Agonia de Cristo;
  • A Apologia;
  • Diálogo da fortaleza contra a tribulação;
  • Tratado sobre a Paixão de Cristo;
  • Os Novíssimos;
  • Réplica a Martinho Lutero;
  • Diálogo contra as heresias;
  • Súplica das Almas;
  • Epitáfio.

Racionalismo Clássico

Francis Bacon (1561 – 1626)


Filho de uma das mulheres mais eruditas da época, Francis Bacon nasceu na Inglaterra e sua educação orientou-se para a vida política, na qual alcançou posições elevadas. Foi um filósofo, político inglês e um dos fundadores do método indutivo de investigação científica, o qual estava baseado no Empirismo e seus estudos contribuíram para a história da ciência moderna.

Em pouco tempo, Bacon conseguiu fama em seu país, sendo um homem respeitado não somente por sua posição política, mas por suas contribuições nas áreas jurídica e filosófica. Além disso, foi um dos mais importantes pensadores da filosofia moderna, criando um método de investigação filosófica. Por esse motivo é considerado o “Pai do Método Experimental”.

Principais Obras

Além de obra filosóficas, Francis Bacon escreveu obras políticas, jurídicas e literárias, reunindo uma vasta produção intelectual das quais se destacam:

  • Novo Instrumento (Novum Organum);
  • Ensaios;
  • História de Henrique VII;
  • Da Sabedoria dos Antigos;
  • Grande Restauração;
  • Das Marés;
  • Classificação das Ciências;
  • História Natural e Experimental;
  • Escala do Entendimento;
  • Antecipações à Filosofia.

George Berkerley (1685 – 1753)


George Berkeley foi um filósofo, teólogo e bispo anglicano irlandês. Adotou a doutrina imaterialista, em reação ao materialismo de Hobbes. Idealista subjetivista, ele admitia que as qualidades das coisas são apenas sensações dos homens. Dizia que as coisas são só um complexo de sensações. Por isso, os objetos existem na medida em que são percebidos. Existir significa, para Berkeley, ser percebido.

Ao tentar deixar a doutrina que considerava o “eu” como a única realidade do mundo, em contradição com o princípio básico de sua filosofia, afirmava que a causa das sensações é Deus (que existe independentemente delas). Assim chega ao idealismo subjetivista: o mundo já não é a representação do seu eu, senão resultado de uma causa espiritual suprema.

Principais Obras
  • Tratado Sobre o Conhecimento Humano;
  • Livro do Lugar Comum;
  • O Filósofo da Minúcias;
  • Um ensaio para uma nova teoria da visão;
  • Tratado sobre os princípios do conhecimento humano;

Isaac Newton (1642 – 1727)


Quando criança, Isaac Newton não foi um aluno brilhante, mas gostava de inventar e construir objetos. Graças a um tio, estudou em Cambridge, onde desenvolveu um recurso matemático, o binômio de Newton. As reflexões enquanto ficou refugiado na fazenda de sua mãe – na época de sua formatura, o levaram a formular importantes teorias.

Ao observar uma maçã caindo de uma árvore, Newton começou a pensar que a força que havia puxado a fruta para a terra seria a mesma que impedia a Lua de escapar de sua órbita. Assim, ele descobriu a lei da gravitação universal. Foi a primeira vez que uma lei física foi aplicada tanto a objetos terrestres quanto a corpos celestes. Ao firmar esse princípio, ele eliminou a dependência da ação divina e influenciou profundamente o pensamento filosófico do século XVIII, dando início à ciência moderna.

Para quem vai estudar para o Enem certamente vai ouvir falar sobre um dos principais físicos, matemáticos, filósofos e alquimistas da história, já que Isaac Newton deixou estudos e teorias que são utilizados até hoje e suas obras são referências fundamentais para o estudo da matemática e da física.

Principais Obras
  • Princípios Matemáticos da Filosofia Natural (Philosophiae Naturalis Principia Mathematica);
  • Method of fluxions;
  • Opticks;
  • Arithmetica Universalis;
  • The Cronology of Ancient Kingdoms Amended.
Principais teorias e leis:
  • Lei da gravitação universal: Estabelece que, se dois corpos possuem massa, eles sofrem a ação de uma força atrativa proporcional ao produto de suas massas e inversamente proporcional a sua distância;
  • Leis de Newton: São um conjunto de três leis (Primeira Lei de Newton: Princípio da Inércia, Segunda lei de Newton: Princípio da Dinâmica, Terceira Lei de Newton: Princípio da Ação e Reação) capazes de explicar a dinâmica que envolve o movimento dos corpos, que fundamentam a base da Mecânica Clássica;
  • Teoria do Binômio de Newton: É qualquer binômio elevado a um número n em que n é um número natural. Graças a esse estudo, foi possível verificar regularidades que facilitam a representação do polinômio gerado a partir da potência de um binômio;
  • Criação e desenvolvimento do cálculo diferencial e cálculo integral: ferramenta importante para o estudo dos fenômenos físicos;
  • Leis do movimento.

John Locke (1632 – 1704)


Artesão do pensamento político liberal, filósofo, acadêmico e pesquisador médico inglês, Locke nasceu numa aldeia inglesa, filho de um pequeno proprietário de terras. A maior parte de sua obra é caracterizada pela oposição ao autoritarismo, em todos os níveis: individual, político e religioso. Ele acreditava que usar a razão para obter a verdade e determinar a legitimidade das instituições sociais era a melhor opção.

Para o pensador inglês, o que dá direito à propriedade é o trabalho que se dedica a ela. E desde que isso não prejudique alguém, fica assegurado o direito ao fruto do trabalho. Foram essas as bases da ideia de uma sociedade sem a interferência governamental, um dos princípios básicos do capitalismo liberal.

John Locke baseava sua crença no poder da educação como transformadora do mundo. Para ele, todo conhecimento humano pode ser obtido por meio da percepção sensorial ao longo da vida. A mente do ser humano ao nascer seria como uma folha em branco, e tudo que se sabe é aprendido depois.

De pesquisador a secretário de um nobre no governo inglês, tornou-se um escritor de economia, ativista político e um revolucionário cujas ideias ocasionaram a vitória da Revolução Gloriosa (1688), contra o absolutismo. Locke foi também o precursor do pensamento iluminista nas questões políticas.

Principais Obras
  • Dois Tratados sobre o Governo: Tinha como objetivo contestar a doutrina do direito divino dos reis e do absolutismo real;
  • Ensaios;
  • Cartas sobre a Tolerância;
  • Ensaio sobre o Entendimento Humano;
  • Pensamentos sobre a educação.

René Descartes (1596 – 1650)


Aposto que você já ouviu a célebre expressão “Penso, logo existo”, certo? A origem dessa expressão está na obra do filósofo francês René Descartes, que por vezes chamado de o fundador da filosofia moderna e o pai da matemática moderna, é considerado um dos pensadores mais influentes da história humana.

René Descartes foi a maior personalidade do chamado Racionalismo Clássico e realizou diversos trabalhos na área da filosofia, ciências e matemática. Relacionou a álgebra com a geometria, fato que fez surgir a geometria analítica e o sistema de coordenadas, conhecido hoje como Plano Cartesiano.

Descartes propôs uma filosofia que nunca acreditasse no falso, que fosse totalmente fundamentada na verdade. Sua preocupação era com a clareza. Além disso, sugeriu uma nova visão da natureza, que anulava o significado moral e religioso da época, pois ele acreditava que a ciência deveria ser prática e não especulativa.

Principais Obras
  • Discurso sobre o Método: É um tratado filosófico e matemático que lançou as bases do racionalismo como a única fonte de conhecimento;
  • Meditações metafísicas: Nessa obra o filósofo discute as questões metafísicas tradicionais, como a questão da alma e de Deus. Descartes era cristão, mas modifica as estruturas cristãs ao tratar da alma e do alcance do logos proporcionado por Deus;
  • Tratado do Mundo;
  • Princípios da Filosofia.
Descartes frases:
  • “Penso, logo existo.”
  • “O bom senso é a coisa do mundo melhor partilhada.”
  • “Muitas vezes as coisas que me pareceram verdadeiras, quando comecei a concebê-las, tornaram-se falsas, quando quis colocá-las sobre o papel.”
  • “Não basta termos um bom espírito, o mais importante é aplicá-lo bem.”

Thomas Hobbe (1588 – 1679)


Thomas Hobbes foi um teórico político e matemático inglês, considerado um dos principais filósofos do pensamento contratualista na Filosofia Política. Hobbes foi muito próximo da família real e defendeu, até o fim de sua vida, a monarquia. 

Ao terminar o estudo básico, Hobbes ingressou, com apenas 15 anos, no ensino superior da Universidade de Oxford. Nesse momento ele conheceu a Filosofia tomista aristotélica, o que influenciou a sua ideia de conceber a sociedade como um mecanismo formado por “átomos”, que são os indivíduos. Também conheceu e foi influenciado pelas ideias de Maquiavel.

Para ele, o Estado deve ser forte e com o poder centralizado, pois ele precisa ter capacidade para conter os impulsos naturais que promovem uma relação caótica entre as pessoas. A partir de suas obras, a interpretação da época o considerou ateu, o que lhe rendeu polêmicas com o governo republicano e com a nova monarquia restaurada. No fim de sua vida, Hobbes ficou próximo do rei e do governo inglês e faleceu, aos 91 anos de idade, em Witshire (Inglaterra).

Principais Obras
  • O Leviatã;
  • O Cidadão.
Thomas Hobbes frases:
  • “O homem é lobo do homem, em guerra de todos contra todos.”
  • “O medo dos poderes invisíveis, inventados ou imaginados a partir de relatos, chama-se religião.”
  • “Primeiro viver, depois filosofar.”
  • “A razão é o passo, o aumento da ciência o caminho, e o benefício da humanidade é o fim.”

Iluminismo

Iluminismo – nome dado ao movimento composto por intelectuais que condenavam as estruturas de privilégios, absolutistas e colonialistas e defendiam a reorganização da sociedade – teve início na Inglaterra, mas difundiu-se rapidamente na França, onde Montesquieu e Voltaire desenvolviam uma série de críticas à ordem estabelecida.

Adam Smith (1723 – 1790)


Adam Smith foi um economista e filósofo social do iluminismo escocês e é considerado o pai da Economia Moderna.

Abordou questões como o crescimento econômico, ética, educação, divisão do trabalho, livre concorrência, evolução social etc. Seu pensamento fundaria a teoria econômica e suas obras são referências para os economistas e filósofos de todo o mundo até hoje.

Uma das grandes influências no pensamento de Adam Smith foi o pensamento do filósofo escocês David Hume, que seguia a ideia de que havia uma relação entre a moral natural, baseada no impulso egoísta e no altruísmo. Mais do que a bondade, o que levava o ser humano a agir corretamente era a sobrevivência.

Principais Obras
  • A Teoria dos Sentimentos Morais: nessa obra, ele analisa criticamente a moral do seu tempo e da natureza humana, buscando entender suas motivações para atuar na sociedade;
  • Investigação sobre a Riqueza das Nações;
  • Ensaio sobre Temas Filosóficos.

Denis Diderot (1713 – 1784)


Escrito e filósofo francês, Denis Diderot foi uma das mais relevantes figuras do Iluminismo. Consagrou-se como um grande escritor e fez da literatura o seu trabalho, o que valeu uma vasta produção literária. Apesar de sua iniciação religiosa, foi um ateu materialista e um dos precursores da Filosofia Anarquista.

Diderot acredita na razão como guia, da qual a filosofia deveria se basear para desvendar a verdade e constituir um sólido conhecimento. Ele elaborou sua metodologia segundo os moldes e informações das ciências exatas, de acordo com o materialismo científico.

Já em termos políticos, o filósofo acreditava que a política tinha como missão de eliminar as diferenças sociais, o que se chocava com as ideias absolutistas da época, bem como questionava a influência da igreja na sociedade, a qual afirmava que deveria se restringir aos assuntos eclesiásticos.

Principais Obras

Dentre as principais obras de Diderot, destacam-se:

  • Pensamentos Filosóficos;
  • Carta sobre os cegos para uso dos que enxergam;
  • Encyclopédie;
  • Jacques, o fatalista e seu mestre;
  • A religiosa;
  • O sobrinho de Rameau.

Immanuel Kant (1724 – 1784)


Immanuel Kant era filho de um pequeno artesão e passou toda a vida em sua pequena cidade natal, Königsberg. Era conhecido por ser um homem metódico e de saúde frágil. Não se casou nem teve filhos, dedicando toda sua vida à elaboração de uma das obras mais importantes da história da filosofia, chamada Crítica da Razão Pura.

Kant tornou-se um filósofo respeitado e conhecido e seus trabalhos são pilar e ponto de partida para a filosofia alemã moderna até hoje. Contudo, devido a suas ideias sobre religião, foi proibido de escrever ou dar aulas sobre assuntos religiosos pelo rei Frederico Guilherme II, da Prússia, em 1792.

Principais Obras
  • Crítica da Razão Pura: realizado através de estudos do conhecimento, investigando seus limites, suas possibilidades e suas aplicações;
  • Crítica da Razão Prática: discute os princípios da ação moral, a ação do homem em relação aos outros e a conquista da felicidade;
  • A Religião nos Limites da Simples Razão.
Frases de Kant:
  • “A missão suprema do homem é saber o que precisa para ser homem.”
  • “Duas coisas que me enchem a alma de crescente admiração e respeito: o céu estrelado sobre mim e a lei moral dentro de mim.”
  • “O sábio pode mudar de opinião. O ignorante, nunca.”
  • “Não somos ricos pelo que temos, e sim pelo que não precisamos ter.”
  • “Ciência é o conhecimento organizado. Sabedoria é vida organizada.”
  • “O juízo em geral é a faculdade de pensar o particular como compreendido sob o universal.”
  • “A felicidade é o estado no mundo de um ser razoável, a quem, em todo o curso da sua existência, tudo acontece segundo a sua aspiração e a sua vontade.”

Jean-Jacques Rousseau (1712 – 1778)


Bem no início do Contrato Social, Rousseau afirma que “o homem nasce livre, e por toda a parte encontra-se a ferros”. Discutindo esse fato, o filósofo criou uma das obras fundamentais da filosofia política ocidental.

Filósofo mais popular durante a Revolução Francesa, Jean Jacques Rousseau foi um dos principais influenciadores da formação do pensamento político e educacional moderno. Primeiramente, procurou entender e estabelecer uma visão acerca do comportamento humano no chamado estado de natureza, um conceito em filosofia moral e política que denota as condições hipotéticas de como a vida dos humanos pode ter sido antes da existência da sociedade civil organizada. E assim, dedicou-se particularmente a desafiar a posição de Thomas Hobbes sobre o estado de natureza.

Em 1745, Jean-Jacques Rousseau estava de volta a Paris, onde descobre Iluminismo e passa a colaborar com o movimento. Em 1750, participa do concurso da Academia de Dijon: “As artes e as ciências proporcionam benefícios à humanidade?”, que oferece um prêmio ao melhor ensaio sobre o assunto.

O Parlamento de Paris condenou algumas de suas obras (Contrato Social e Émile), que foram consideradas repletas de heresias religiosas. Para o tempo em que a Europa vivia, as ideias democráticas de Rousseau eram audaciosas e ousadas.

Já afastado de seu amigo Denis Diderot e dos demais filósofos, por não compartilhar de seu raciocínio, Rousseau foi forçado a se exilar na Suíça, pois havia uma ordem de prisão contra ele. Constantemente perseguido, encontra asilo na Inglaterra, onde o filósofo David Hume o acolheu.

Principais Obras
  • O Contrato Social;
  • Discurso sobre Desigualdade;
  • Julie ou a Nova Heloísa;
  • Émile ou da Educação.

Voltaire (1694 – 1778)


Filósofo e escritor francês e, junto Montesquieu e Rousseau, um dos grandes representantes do Movimento Iluminista na França. Foi também ensaísta, poeta, dramaturgo e historiador.

De temperamento e ideias revolucionárias, Voltaire – pseudônimo literário de François Marie Arouet – frequentou a Société du Temple, que reunia os livres pensadores. Nessa época, os importantes avanços econômicos, culturais e científicos levaram à crença de que o destino da humanidade era o progresso. Além do racionalismo e do liberalismo, outro princípio tipicamente iluminista era o anticlericalismo (posição política contrária ao poder da igreja).

Na Inglaterra, Voltaire retornou o contato com as ideias de John Locke e influenciado pelo regime de governo parlamentar, instituído após a Revolução Gloriosa de 1688, passou a defender a ideia de que a tolerância religiosa e a monarquia constitucional inglesa deveriam ser adotadas por todas as nações europeias.

Ele criticava o Absolutismo, porém defendia a necessidade de uma Monarquia centralizada em que os reis, assessorados pelos filósofos fossem capazes de fazer reformas de acordo com o interesse da sociedade. Embora afirmasse que “todo homem tem o direito de acreditar ser igual aos outros homens”, Voltaire tinha verdadeiro desprezo pelo povo.

Voltaire foi atuante propagandista das ideias liberais, defendendo o direito dos indivíduos à liberdade política e de expressão. Criticava a Igreja, mas não era ateu e sim deísta – acreditava que Deus estava presente na natureza e, como nela se encontra o homem, Deus estava presente também no homem, que pode descobri-lo por meio da razão, dizendo que ela guia o homem para a sabedoria.

Principais Obras
  • Tratado Sobre a Tolerância;
  • Dicionário Filosófico;
  • Cartas Inglesas ou Carta Filosóficas.

Filosofia Contemporânea – Sec. XIX a XX

A Filosofia Contemporânea, cronologicamente, situa-se entre algum período impreciso do século XIX até os dias atuais. Alguns estudiosos preferem classificar os pressupostos teóricos e pensamentos filosóficos produzidos no século XIX como parte da Filosofia Moderna. Podemos dizer que a principal marca da Filosofia Contemporânea é a crítica aos modelos filosóficos desenvolvidos até a modernidade.

Vamos conhecer os principais filósofos contemporâneos:

Século XIX

Arthur Schopenhauer (1788 – 1860)


Talvez nenhum outro filósofo tenha exercido maior influência no mundo das artes do que o alemão Arthur Schopenhauer. Trabalhou como aprendiz e com a morte do pai, recebeu uma herança que possibilitou que ele se dedicasse inteiramente a suas atividades intelectuais.

Na literatura, o número de romancistas e contistas que compartilharam das ideias de Schopenhauer é imenso – nesta lista está incluso o brasileiro Machado de Assis. Ele também foi influência para nomes como Friedrich Nietzsche, Sigmund Freud e Carl Gustav Jung.

A filosofia de Arthur Schopenhauer é influenciada por Immanuel Kant, mas sem uma razão. Por ela entende-se que o que conhecemos do mundo é apresentado a nós pelos sentidos e é organizado subjetivamente. A razão apenas forma ideias abstratas com os dados empíricos. É a inteligência, presente em todos os seres vivos, que identifica uma causa externa para essas impressões, mas que nos é inacessível.

Principais Obras
  • O Mundo como Vontade e Representação;
  • Sobre a Vontade da Natureza.

Auguste Comte (1798 – 1857)


A palavra positivismo foi empregada pela primeira vez pelo filósofo francês Claude Saint-Simon – um dos chamados socialistas românticos – para designar o método exato das ciências e a possibilidade de sua extensão à filosofia. Mais tarde, o politécnico Auguste Comte, que foi seu secretário, utilizou a expressão para designar a sua filosofia, que teve grande expressão no mundo ocidental durante a segunda metade do século XIV.

Basicamente, segundo Comte, a característica essencial ao Positivismo é a devoção à ciência, vista como único guia da vida individual e social, única moral e única religião possível. Desse modo, em última análise, o Positivismo é compreendido como a “religião da humanidade” e uma corrente filosófica, política e científica.

Considerado o pai da Sociologia, foi ele quem usou o termo sociologia pela primeira vez. O filósofo é o primeiro a teorizar a necessidade de uma ciência que estudasse a sociedade, a fim de reorganizá-la para o maior desenvolvimento possível.

Principais Obras
  • Curso de Filosofia Positiva;
  • Discurso Sobre o Espírito Positivo;
  • Uma Visão Geral do Positivismo;
  • Religião da Humanidade.

Friedrich Nietzsche (1844 – 1900)


Filósofo e filólogo alemão, Friedrich Nietzsche é autor de uma vasta e polêmica obra. Seus livros deixaram os primeiros indícios do surgimento da filosofia contemporânea.

Quando criança, Nietzsche já se mostrava diferente dos seus colegas, apresentando um rigor com os estudos e um comportamento de severo autocontrole. Ainda na infância, o filósofo começou a sofrer sérios problemas de saúde jamais diagnosticados com precisão e que o acompanhariam por toda a sua vida: problemas de visão que o levaram à cegueira quase total no fim de sua vida.

Em suas principais ideias aparecem temas centrais como norteadores para entender o seu pensamento, os quais, para facilitar a compreensão, devem ser dispostos de acordo com a cronologia da sua obra dividida pelos estudiosos em três grandes momentos: juventude, período intermediário e maturidade.

Principais Obras
  • Nascimento da Tragédia: analisa a tragédia grega como o elemento máximo que a cultura ocidental teria atingido, justamente por valorizar a vida material como elemento superior, não depositando confiança em uma religião como o cristianismo, que nega a vida terrena e aposta na vida após a morte, a promessa da plenitude no paraíso;
  • Humano, Demasiado Humano, A Gaia Ciência Aurora: aqui Nietzsche reúne uma mistura de ideias que têm sobre a filosofia, estabelece diversos pontos de sua crítica à filosofia desde Sócrates e intensifica a sua crítica à cultura e à moral cristã ocidental;
  • Assim falou Zaratustra;
  • Genealogia da Moral, Além do Bem e do Mal, O AnticristoCrepúsculo dos ídolos: são livros escritos na fase em que Nietzsche pretendia compor a sua grande obra intitulada Vontade de Poder. Todos eles adentram no assunto da moral e da crítica à moral cristã como meio de levar o ser humano a reconhecer o seu processo de autodesvalorização, para que ele mesmo pudesse se recompor e chegar a um novo estado de desenvolvimento pessoal.

G.W.F. Hegel (1770 – 1831)


Georg Wilhelm Friedrich Hegel foi um filósofo alemão idealista que abriu novos campos de estudo na História, Direito, Arte, entre outros. Ele pensava que a consciência deveria passar por uma série de desenvolvimentos para superar as contradições percebidas em conceitos que seriam aparentemente opostos e buscou uma interpretação racional da multiplicidade sensível, tentando enxergar no finito o que havia de absoluto. 

Sua obra A Fenomenologia do Espírito é tida como um marco na filosofia mundial e na filosofia alemã. Hegel pode ser incluído naquilo que se chamou de Idealismo Alemão, uma espécie de movimento filosófico marcado por intensas discussões filosóficas entre pensadores de cultura alemã do final do século XVIII e início do XIX.

Principais Obras
  • A Fenomenologia do Espírito;
  • Propedêutica Filosófica;
  • Ciência da Lógica;
  • Enciclopédia das Ciências Filosóficas;
  • Princípios da Filosofia do Direito.

Karl Marx (1818 – 1883)


Fundador do Socialismo, Karl Marx foi um filósofo, economista liberal e revolucionário alemão. Suas obras influenciaram a Sociologia, a Economia, a História e a até a Pedagogia.

Para Marx, as condições econômicas e a luta de classes são agentes transformadores da sociedade. A classe dominante nunca deseja que a situação mude, pois se encontra em uma situação muito confortável. Já os desfavorecidos têm que lutar pelos seus direitos e esta luta é que moveria a história, segundo ele.

Assim, nasceu o Marxismo, onde as reações dos operários aos efeitos da Revolução Industrial fizeram surgir críticos que propunham reformulações sociais. Eles sugeriam a criação de um mundo mais justo e foram chamados de teóricos socialistas.

Entre os vários pensadores, o mais notável teórico socialista foi o alemão Karl Marx, com passagem pela França e pela Inglaterra. Ele testemunhou as transformações sociais decorrentes da industrialização e suas teorias influenciaram a Revolução Russa (1917), além de teóricos como Lênin, Stalin e Che Guevara.

Principais Obras
  • O Capital: onde sintetiza suas críticas à economia capitalista;
  • Manifesto Comunista: nele Marx critica o capitalismo, expõe a história do movimento operário e termina com o apelo pela união dos operários no mundo todo;
  • Luta de Classes;
  • Socialismo Utópico;
  • O que é Sociologia?
Confira as principais frases de Marx:
  • “A produção econômica e a organização social que dela resulta, necessariamente para cada época da história, constituem a base da história política e intelectual dessa época”.
  • “A história da sociedade até aos nossos dias é a história da luta de classes”.
  • “Sem sombra de dúvida, a vontade do capitalista consiste em encher os bolsos, o mais que possa. E o que temos a fazer não é divagar acerca da sua vontade, mas investigar o seu poder, os limites desse poder e o caráter desses limites”.

Século XX

Bertrand Russell (1872 – 1970)


“Por que repetir erros antigos, se há tantos erros novos a escolher?” A provocação espirituosa de Bertrand Russell bem demonstra seu interesse pela vida, pela liberdade e pelo conhecimento. Para ele, a inteligência seria o único remédio capaz de sanar os problemas do mundo.

Uma das características mais marcantes do pensamento de Russell é o ceticismo. O primeiro mandamento do filósofo era: “Não tenha certeza absoluta”.

Como matemático, Bertrand Russell foi autor de uma das obras mais intrincadas do século XX. Durante a maior parte da vida, ele escreveu e publicou muitos livros de divulgação científica. Entre eles, um guia da Teoria da Relatividade, do físico Albert Einstein e uma história da Filosofia Ocidental. Além disso, tornou-se um conhecido militante, entre outras causas, do pacifismo e do pensamento lógico aplicado a diversas esferas, como a Educação.

Principais Obras

Suas maiores contribuições para o debate da filosofia contemporânea foram a teoria das descrições definidas, a teoria do descritivismo dos nomes próprios, a teoria realista dos universais e, principalmente, a teoria da verdade como correspondência. Sempre provocativo nas questões religiosas, ele escreveu Porque Não Sou Cristão, onde derruba as principais ideias e evidências do cristianismo.

Outra obra é Ensaios Céticos, uma coletânea que debate guerras doutrinárias, a busca pela felicidade, liberdade e educação. Os textos, a maioria deles escritos na década de 1920, defendiam o valor do ceticismo.

Carl Gustav Jung (1875 – 1961)


Considerado o pai da Psicologia Analítica, Carl G. Jung foi um dos maiores estudiosos da vida interior do homem e tomou a si mesmo como matéria prima de suas descobertas. Ainda pequeno, se mudou para a cidade de Basileia – na época um dos maiores centros de cultura da Europa, onde realizou seus primeiros estudos.

Carl Gustav Jung procurava entender o significado simbólico dos conteúdos do inconsciente, a fim de fazer a distinção entre a psicologia individual e a psicanálise, e assim deu a sua disciplina o nome de Psicologia Analítica. Em sua teoria, é fundamental para o desenvolvimento humano o processo de individuação, de autorrealização e alcance da individualidade.

Principais Obras
  • Psicologia e Patologia dos Fenômenos ditos Ocultos;
  • A Dinâmica do Inconsciente;
  • Estudos sobre Psicologia Analítica;
  • Memórias, Sonhos e Reflexões.

Claude Lévi-Strauss (1908 – 2009)


Um dos grandes pensadores do século XX, Lévi-Strauss tornou-se conhecido na França, onde seus estudos foram fundamentais para o desenvolvimento da antropologia e, por isso, foi considerado o mestre da Antropologia Moderna. Nascido em Bruxelas, filho de um artista e membro de uma família judia francesa intelectual, estudou na Universidade de Paris.

O antropólogo Claude Levi-Strauss deixou diversas obras, dedicou sua vida a elaboração de modelos baseados na linguística estrutural, na teoria da informação e na cibernética para interpretar as culturas, que considerava como sistemas de comunicação, deixando contribuições fundamentais para o progresso da Antropologia Social.

Principais Obras
  • As Estruturas Elementares do Parentesco;
  • Tristes Trópicos;
  • O Caminho das Máscaras.

Jean-Paul Sartre (1905 – 1980)


Jean-Paul Sartre foi um filósofo e crítico francês. É considerado um dos maiores pensadores do século XX e representantes da filosofia existencialista – pautada na liberdade do ser humano, ao lado de nomes como Albert Camus e Simone de Beauvoir.

Desde cedo, Sartre lia muitos clássicos e se interessava pelas artes, especialmente o cinema, o que mais tarde, o levaria a escrever peças de teatro e novelas. Segundo ele, o ser humano existe como uma coisa e uma consciência (mente).

No campo político, a vida de Sartre foi decisivamente marcada pelo marxismo. O filósofo era marxista e compartilhava com as ideias socialistas aplicadas no campo prático. Porém, ele deu uma interpretação bem diferente aos ideais de Marx como maneira de adaptar o sistema comunista à sua obra e às novas demandas do século XX.

Principais Obras
  • O Ser e o Nada: ensaio de ontologia fenomenológica;
  • Crítica da Razão Dialética;
  • O Muro;
  • As Moscas;
  • A Imaginação;
  • Esboço de uma Teoria das Emoções.

Sigmund Freud (1856 – 1939)


Certamente você já ouvir falar de Freud, uma das figuras mais marcantes e influentes do século XX. Considerado o pai da psicanálise como método de investigação clínica, ele contribuiu com diversas áreas da medicina, psicologia, literatura, filosofia e política.

No entanto, seu principal feito, enquanto profissional da área de saúde e especialmente da mente humana, é ter criado uma importante teoria, a psicanálise ou teoria freudiana. Desde a criação desse estudo, o procedimento psicoterápico é um dos mais usados em pacientes de todo o mundo.

Enquanto estudante na Faculdade de Medicina da Universidade de Viena (1873), Freud fez diversas pesquisas que contribuíram para áreas da medicina e da biologia, tais como fisiologia, anatomia, histologia, anestesia e pediatria. Outras de suas contribuições foram investigações sobre temas como a natureza das afasias (distúrbios de linguagem), a paralisia cerebral na infância e as propriedades anestésicas da cocaína.

Após sua formação, Freud abriu seu consultório em Viena para atender pacientes com distúrbios nervosos. Ele tentou usar a hipnose de forma terapêutica – usada atualmente, mas acabou desenvolvendo outra técnica: tratar pessoas com a chamada talking cure (tratamento pela palavra), que se tornou a base de toda psicoterapia.

Após diversos estudos e aplicações sobre o referido tratamento, Freud desenvolveu a teoria da psicanálise, cujo objetivo era entender como funcionava a mente dos homens. Ele entendeu que as pessoas que não expressavam seus sentimentos tinham a mente doente, e que, ao aplicar técnicas da psicanálise, como a livre associação e a interpretação dos sonhos, por exemplo, os pacientes eram estimulados a externar seus pensamentos e memórias que causavam as neuroses.

E, para que seus pacientes se sentissem à vontade, o médico pedia para que se deitassem em um sofá, conhecido hoje como o famoso divã de Freud.

Principais Obras
  • As Interpretações dos Sonhos;
  • Totem e Tabu;
  • A psicopatologia da vida cotidiana;
  • Três ensaios sobre a teoria da sexualidade;
  • Além do Princípio do Prazer.

Mulheres na filosofia

Antes de tudo, você precisa saber que as mulheres sempre existiram na filosofia e influenciaram o desenvolvimento do pensamento filosófico científico de diversas formas ao logo da história. Inclusive, mostrar essa influência é o propósito do Centro de História de Mulheres Filósofas e Cientistas (Alemanha), do qual a diretora e fundadora é Ruth Hagengruber.

Ela desenvolve, desde os anos 1990, este trabalho de mostrar como os escritos filosóficos de mulheres, desde a Antiguidade, contribuíram, essencialmente para filosofia e pensamento contemporâneo. Nossa história da filosofia começa com duas importantes mulheres que fizeram filosofia e ensinaram Sócrates: Diotima e Aspásia.

Sabemos que quando falamos sobre filósofos famosos, normalmente é uma figura masculina que vem à mente. Então, vamos falar sobre incríveis mulheres da filosofia que talvez você ainda não conheça!

Filosofia antiga – a.C. a 300 d.C.

Aspásia de Mileto (470 – 410 a.C.)


Junto com Diotima, ela tem um papel fundamental em toda a história da filosofia. Elas não são institucionalizadas, mas são lembradas pelas suas posições sociais. Conhecida como a mulher que ensinou oratória a Sócrates e Péricles, Aspásia era cortesã e sofista grega, nascida em Mileto, tradicionalmente tida como uma mulher bonita, muito inteligente, bem falante e, sobretudo, historicamente lembrada por ter tido importante influência sobre os destinos políticos do governo. 

Aspásia aparece em várias obras importantes da literatura moderna e em escritos filosóficos de Platão, Xenofonte e Antístenes e seu nome está intimamente ligado a fama de Péricles. Na modernidade, a reputação da filósofa continuou a ser altamente respeitada e sofreu uma renascença dramática (e, inicialmente, romântica). Walter Savage Landor (1775-1864) publicou seu famoso Péricles e Aspásia em 1836; um trabalho ficcional de cartas entre os dois em que Péricles, erroneamente, morre na Guerra do Peloponeso.

Principais Obras

Estudar o papel das mulheres na Grécia antiga significa enfrentar a ausência de evidências textuais do seu trabalho. Os dados sobre a vida de Aspásia são um tanto incertos, ainda que o seu nome apareça em trabalhos de autores como Platão e Aristófanes.  Portanto, devemos rastrear a história de suas vidas e obras, quase sempre imersas nos depoimentos relacionados a outros pensadores e, às vezes, de confiabilidade duvidosa.

Enheduana (2286 – 2251 a.C)


Foi a primeira escritora na história a assinar a autoria de suas obras, sendo por isso a primeira pensadora. Além disso, foi também a primeira sacerdotisa, sábia e filósofa da Antiguidade. Nos templos, dirigia várias atividades: comércio, artes, matemática, ciências e especialmente o movimento das estrelas e dos planetas.

É conhecida por ser uma das primeiras autoras e poetas de nome conhecido e atribuído na história. Foi a primeira mulher a deter o título de EN, um papel de grande importância política, posteriormente atribuído a todas as filhas reais, em um movimento político do pai para assegurar o poder sumério sobre a cidade de Ur.

Principais Obras

Enheduana deixou um grande legado literário, definitivamente escrito por ela, que inclui textos devotados à deusa Inana – uma antiga deusa mesopotâmica associada ao amor, ao erotismo, a fecundidade e a fertilidade – e uma coleção de hinos conhecido como Hinos Sumérios do Templo.

Hipátia de Alexandria (360 – 415 d.C.)


Hipátia de Alexandria foi a primeira mulher matemática da história e se dedicou nas áreas da filosofia, medicina e na astronomia. Além disso, foi a primeira mulher a ter uma biblioteca em seu nome, chamada de biblioteca de Alexandria. Manteve viva a chama do pensamento helênico de raiz ateniense numa Alexandria dilacerada pelas lutas religiosas. Foi brutalmente assassinada por uma multidão de religiosos fanáticos.

Principais Obras

Poucas contribuições de Hipátia foram preservadas, pois muitos de seus projetos foram perdidos durante a destruição da Biblioteca de Alexandria. Um de seus alunos, Sinésio de Cirene, declarou que ela construiu um astrolábio (instrumento naval), um hidrômetro e um higroscópico (material que absorve água). 

Filosofia Medieval – 300 d.C. a 1500

Akka Mahadevi (1130 – 1160)


A ela foi concedido o título honorífico Akka pela relevância da obra. Sabe-se que foi ativa em favor de causas femininas e do bem-estar das mulheres e que ela participou de grupos de estudo em filosofia do Anubhavamantapa e de ascensão espiritual (Moksha; por ela nomeado de arivu).

Principais Obras

Suas Vachanas são consideradas uma forma de poesia didática e sua maior contribuição para a literatura canaresa – uma das principais línguas dravídicas do sul da Índia e uma das mais antigas do país , intitulada de Bhakti.

Catarina de Siena (1347 – 1380)


Nascida em Siena (Itália), cresceu tendo visões de santos e anjos e liderou uma comunidade de homens e mulheres, sendo considerada a última reformadora religiosa do período medieval. Catarina tornou-se uma personagem essencial na questão do Grande Cisma do Oriente, convertendo-se em uma significativa imagem feminina no interior da igreja, quando as mulheres nem sonhavam ainda em conquistar um papel importante nesta estrutura totalmente masculinizada.

Principais Obras
  • Diálogo da Doutrina Divina.

Cristina de Pizan (1365 – 1431)


Considerada a primeira autora profissional, foi uma poetisa e filósofa italiana que viveu na França durante primeira metade do século XV. Ela era conhecida por criticar a misoginia (desprezo ou preconceito contra mulheres ou meninas) presente no meio literário da época, predominantemente masculino, e defender o papel vital das mulheres na sociedade. Foi a primeira mulher francesa de letras a viver do seu trabalho.

Principais Obras

Pizan foi uma escritora bem produtiva: produziu mais de 40 obras em uma gama variada de gêneros literários e para públicos diversos. Destacam-se os livros de instrução moral para o cultivo das virtudes, guias políticos para membros da corte e a defesa do sexo feminino. Listamos alguns destes livros:

  • A Cidade das Mulheres: questiona a autoridade masculina dos grandes pensadores e poetas que contribuíram para a tradição misógina e decide fazer frente às acusações e insultos contra as mulheres;
  • Caminho de Longo Estudo;
  • Livro do Corpo Político;
  • Cartas de Otea a Héctor;
  • O Livro da Paz.

Filosofia Moderna – Sec. XVI a XVIII

Louise Labé (1524 – 1566)


Nascida em Lyon, na França, Louise foi erudita, literata, poetisa e música. Realizava reuniões literárias que marcaram a época. São inúmeros os poemas compostos em homenagem ao seu talento e à sua beleza, por admiradores fervorosos que participavam dos saraus.

Principais Obras
  • Sonetos;
  • Debate entre a Loucura e ao Amor: na dedicatória deste livro escreve uma espécie de manifesto das reivindicações femininas – o direito das mulheres à ciência e outros conhecimentos.

Mary Wollstonecraft (1739 – 1797)


Foi uma escritora inglesa do século XVIII, assim como filósofa e defensora dos direitos das mulheres. Durante sua breve carreira, escreveu romances, tratados, uma narrativa de viagem, uma história da Revolução Francesa, um livro de boas maneiras e livros infantis.

Principais Obras
  • Pensamentos sobre a Educação das Filhas;
  • Reivindicação dos Direitos dos Homens;
  • A Reivindicação dos Direitos das Mulheres: Ela argumenta que as mulheres não são, por natureza, inferiores aos homens, mas apenas aparentam ser por falta de educação e escolaridade.

Oliva Sabuco (1525 – 1646)


Pioneira na medicina psicossomática, Olivia Sabuco foi uma filósofa espanhola da época da Renascença que, à frente de seu tempo, propôs uma análise conjuntural da saúde humana, abrangendo estudos de corpo, alma e mente. Algumas pistas parecem apontar para o que podem ter sido as raízes intelectuais de Oliva: uma família de farmacêuticos e um avô médico.

 Na região onde nasceu havia oito grandes conventos, um deles perto de onde morava, os Dominicanos, ensinavam a elite e Oliva pode ter aprendido muito com eles. Além disso Dom Simon Abril, um humanista, lógico, matemático, gramático reconhecido, pode ter sido seu mentor.

Principais Obras
  • Nova Filosofia da Natureza Humana Não Conhecida e Não Alcançada Pelos Antigos Filósofos Que Melhora A Vida Humana E A Saúde: descreve como as emoções podem impactar o corpo e conclamam médicos para uma medicina holística, que possa abranger a totalidade do paciente, corpo, alma e mente.

Filosofia Contemporânea – Sec. XIX a XX

Angela Davis (1944)


Angela Davis é uma professora e filósofa socialista estadunidense que alcançou notoriedade mundial na década de 1970. Ela se destacou como integrante do Partido Comunista dos Estados Unidos e dos Panteras Negras, além de sua militância pelos direitos das mulheres e contra a discriminação social e racial nos Estados Unidos.

Sua luta envolve feminismo, antirracismo e anticapitalismo. Davis acredita que raça, classe e gênero são categorias que devem ser consideradas em conjunto. Para ela, apesar de vários argumentos defenderem a classe como o fator mais importante, é necessário considerar os outros aspectos para entender como, juntos, podem criar diferentes tipos de opressão.

Principais Obras

Seus escritos trazem um pensamento transformador para a reflexão filosófica no século XX.

  • Mulheres, Raça e Classe: defende que o racismo encoraja a violência sexual;
  • Mulheres, Cultura e Política;
  • A liberdade é uma luta constante;
  • Estarão As Prisões Obsoletas?;
  • Angela Davis: uma autobiografia.

Ayn Rand (1905 – 1982)


Nascida em São Petersburgo, Ayn Rand foi uma escritora, dramaturga, roteirista e controversa filósofa estado-unidense de origem judaico-russa, mais conhecida por desenvolver um sistema filosófico chamado de Objetivismo, e por seus romances.

Rand defendeu a razão como o único meio de adquirir conhecimento e rejeitou a fé e a religião. Na política, ela condenou a iniciação da força como imoral e se opôs ao coletivismo e ao estatismo, bem como ao anarquismo, em vez disso apoiando o capitalismo laissez-faire, que definiu como o sistema baseado no reconhecimento dos direitos individuais, incluindo os direitos de propriedade.

Na arte, ela promoveu o realismo romântico, criticando fortemente a maioria dos filósofos e tradições filosóficas conhecidas por ela, com exceção de Aristóteles, Tomás de Aquino e liberais clássicos. Os romances preconizam o individualismo filosófico e liberalismo econômico.

Principais Obras
  • A Revolta de Atlas;
  • A Nascente.

Chimamanda Ngozi Adichie (1977)


A nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie é uma das principais vozes do feminismo na literatura atual e ganhou seu espaço com o lema “todos devemos ser feministas”. Para ela, a igualdade de gênero diz respeito a todos, homens e mulheres, pois esse é um movimento libertador. 

Em março de 2012, ela realizou a palestra “Conectando Culturas” no evento Commonwealth Lecture 2012 at the Guildhall, em Londres e já participou do TED Talk, compartilhando sua experiência como uma africana feminista, e sua visão sobre construção de gênero e sexualidade. Além disso, várias partes do discurso de Adichie foram incorporados na música Flawless, de Beyoncé, ganhando assim uma maior notoriedade.

Principais Obras
  • Sejamos Todos Feministas;
  • Hibisco Roxo;
  • Meio Sol Amarelo

Edith Stein (1891 – 1942)


Edith Theresa Hedwig Stein, filósofa e teóloga alemã, era de origem judia e se converteu ao catolicismo, sendo canonizada pelo papa João Paulo II como Santa Teresa Benedita da Cruz. Ela prestava serviço para a Cruz Vermelha e se dedicou a uma intensa atividade, traduzindo obras de São Tomás de Aquino e Newman.

Primeira mulher a defender uma tese de filosofia na Alemanha, foi discípula e depois assistente de Edmund Husserl, o fundador da fenomenologia. Morreu aos 51 anos, no campo de concentração de Auschwitz-Birkenau.

Principais Obras
  • Sobre o Estado e a Fenomenologia de Husserl;
  • Ethos: momento em que se interessou pela questão feminina no campo filosófico e religioso.

Rosa de Luxemburgo (1871 – 1919)


Responsável pela publicação do Jornal A Causa Operária, em Paris. Rosa Luxemburgo participou sempre à esquerda das atividades do Partido Social Democrata Polonês e do III Congresso da Internacional Socialista e foi presa diversas vezes.

Ativista, lutou por todas as minorias e os oprimidos – trabalhadores e mulheres especialmente, mas também por negros e judeus, sendo ela mesma uma judia. Defendeu o materialismo dialético de Marx e a concepção de história, tornando-se uma destacada dirigente do movimento comunista internacional.

Principais Obras
  • Acumulação do Capital;
  • Contribuição para a explicação do Imperialismo;
  • Militarismo, guerra e classe operária;
  • A revolução Russa.
Frases de Rosa Luxemburgo:
  • “Liberdade somente para os partidários do governo não é liberdade. Liberdade é sempre liberdade daquele que pensa de modo diferente.”
  • “Liberdade não é um artigo de luxo, um bem etéreo, desconectado da economia. Liberdade funciona, pois a criatividade é filha da crítica.”
  • “A massa não é apenas objeto da ação revolucionária, é sobretudo sujeito.”
  • “Por um mundo onde sejamos socialmente iguais, humanamente diferentes e totalmente livres.”

Simone de Beauvoir (1908 – 1986)


Simone de Beauvoir foi escritora, filósofa, intelectual, ativista e professora. Integrante e representante do movimento existencialista francês, Beauvoir foi considerada uma das maiores teóricas do feminismo moderno. Nas décadas de 50 e 60 ela viajou pelo mundo debatendo sua produção filosófica, com grupos políticos e feministas.

Foi professora, mas seguindo seu impulso político, decidiu fazer parte da classe operária. Seus textos refletem suas experiências e suas intuições, bem como seu percurso pelo marxismo até a religião.

Principais Obras
  • O Segundo Sexo;
  • Por uma moral ambiguidade;
  • A força das coisas;
  • Balanço Final;
  • Reflexões sobre as Causas da liberdade e da opressão social;
  • Reflexões sobre a Origem do Hitlerismo;
  • A Cerimônia do Adeus.

#ficadica: essa é uma das figuras femininas que já caiu no Enem. Será que você saberia responder?

Caiu no Vestibular!

Filosofia é um dos temas frequentes em avaliações de escolas, vestibulares de universidades públicas e privadas (como e até mesmo na prova do Enem. Por esse motivo, é fundamental estudar a história e entender como surgiu a filosofia, os principais filósofos e as frases de grandes pensadores.

Ter tudo isso na ponta da língua – ou melhor, do lápis, pode te ajudar a garantir a vaga que tanto deseja. Para isso, busque podcasts para estudar sobre o tema ou, ainda, você pode responder as questões aplicadas em vestibulares dos anos anteriores.

Para facilitar e te ajudar ainda mais, nós preparamos um compilado de questões para você inserir no seu cronograma de estudos e treinar suas habilidades filosóficas! Agora é com você, bons estudos!

Download dos
Exercícios

Quero receber notícias do PRAVALER

Preencha o campo abaixo com seu e-mail e fique sabendo tudo sobre o PRAVALER em primeira mão.