Intercâmbio – Guia completo

Intercâmbio Guia Completo


Estudar fora do país é uma das experiências mais ricas que o estudante pode ter e, para isso, existe o intercâmbio. Nesse tipo de programa, milhares de pessoas em idade universitária, e também em outras fases da vida, vão a outros países aprender com métodos e profissionais diferentes, além de ter acesso a culturas completamente diferentes das com que estão acostumados.

Sendo assim, nada melhor do que saber mais como funciona esse tipo de iniciativa para se preparar para ela. Ficou interessado? Então confira as informações na sequência.

O que é intercâmbio

Intercâmbio é sinônimo de troca. Sendo essa a definição que aparece no dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. “1. Troca, permuta. 2. Relações de comércio, ou culturais, entre nações”. No contexto educacional, chamamos de intercâmbio o programa em que os estudantes realizam parte de sua formação em uma instituição fora do país.

Na essência, a definição era mais condizente com a prática: o programa funcionava como uma troca entre estudantes de países diferentes. Dessa maneira, as famílias também eram parte do processo, pois havia uma troca entre elas. A família que enviava o estudante, recebia um aluno estrangeiro para um período acordado.

Hoje, a iniciativa costuma ser facilitada pelas próprias instituições de ensino por conta de parcerias firmadas com instituições internacionais e empresas financiadoras.

Existem também as agências de intercâmbio que atuam como intermediadoras dos processos para alunos dos diferentes níveis de escolaridade. Assim, existem intercâmbios teens, familiares, entre outros.

Como funciona o intercâmbio

Sabendo qual é o local para onde pretende ir, é preciso definir o programa de intercâmbio a ser feito. Ele pode ser de três tipos:

  • estudo;
  • negócios;
  • preparatório.

É preciso reunir documentos como passaporte, carteira de identidade, carteira de trabalho, comprovante de residência, certificado ou diploma e demais documentos que possam ser solicitados no processo.

É necessário também providenciar o visto para a viagem e verificar se o país de destino faz exigências quanto a seguro-saúde, entre outros.

Confira a questão cambial para ter certeza de que terá recursos para viver durante um período em outro país. É importante também verificar se seu cartão tem aceitação internacional, além de se certificar de que na sua região de destino existe atendimento da sua rede de bancos.

Vale lembrar que dependendo do tipo de escolha a ser feita, você conta com o auxílio da sua universidade ou da agência de intercâmbio. Muitas pessoas preferem recorrer diretamente a esses agentes para simplificar o processo.

Intercâmbio de idiomas

Acontece quando o objetivo do intercambista é praticar um novo idioma em outro país. Funciona praticamente como um curso de idiomas, porém, com um foco maior na questão prática, uma vez que toda a experiência de vida do participante será em outro país.

Intercâmbio voluntário

É quando a opção compreende também um trabalho voluntário no exterior. Neste caso, o participante se envolve com um projeto que pode ser ajudar a cuidar de crianças em situação precária, por exemplo. Esses programas costumam ser oferecidos por ONGs e agências de intercâmbio.

Intercâmbio cultural

Um dos modelos mais flexíveis é o intercâmbio cultural, que pode durar uma semana ou anos. Esse intercâmbio pode ser voltado a estudo ou trabalho no exterior. Neste caso, existe o costume de o intercambista ficar hospedado na casa de uma família nativa, mas este não é o único modelo. De qualquer forma, o intercâmbio cultural costuma ser o mais procurado nas agências de intercâmbio pelo país.

Intercâmbio educacional

É o intercâmbio clássico, onde ocorre a troca de estudantes com o objetivo de estudos. Vale destacar que hoje essa prática já não é a mais recorrente, sendo possível a ida para o exterior de maneira unilateral e não necessariamente para ficar na casa de habitantes locais.

Como fazer intercâmbio

Primeiro é preciso escolher o destino. É preciso definir não só o país, mas também a cidade e, caso o interesse seja educacional, a faculdade onde dará continuidade a seus estudos. Em seguida, escolha o programa de seu agrado.

Um programa de estudos é feito em uma instituição de ensino. Neste caso, cabe a você se adaptar aos horários e ao nível da instituição, pois em caso de um programa de ensino superior, as matérias podem ser aproveitadas na sua graduação.

Um intercâmbio business é um programa indicado para quem pretende evoluir em um novo idioma pensando em fazer disso um diferencial na sua carreira.

Existe também o intercâmbio preparatório, que é indicado para quem pretende se preparar para testes como o TOEFL e o IELTS.

Posteriormente, é preciso providenciar os documentos, tendo atenção para as exigências de cada país. Com o visto em mãos e toda a documentação pronta, basta garantir uma quantia necessária para o período do intercâmbio e partir para viver uma experiência inesquecível.

Como conseguir um intercâmbio pelo governo?

Existem formas de se conseguir bolsas de intercâmbio. São programas como o Ciência Sem Fronteiras, uma iniciativa do governo brasileiro para estudantes de ensino superior interessados em dar continuidade a seus estudos fora do país.

O Ciência Sem Fronteiras foi criado em 2011 e já concedeu mais de 100 mil bolsas de estudos. Para participar é preciso ter matrícula em uma das instituições de ensino participantes do programa e apresentar bom desempenho acadêmico.

Atualmente, o Ciência Sem Fronteiras se concentra mais em cursos de pós-graduação, tendo como principais destinos países como Estados Unidos e Reino Unido. Caso você tenha interesse em viajar financiado pelo governo brasileiro, basta acessar o site do programa para conferir novas informações a respeito do projeto.

Como conseguir um intercâmbio pelo PRAVALER?

O PRAVALER é um programa de crédito universitário destinado a faculdades privadas. Entretanto, você pode usar o PRAVALER para fazer seu intercâmbio por meio do Work Experience, um intercâmbio cultural que permite a possibilidade de trabalho remunerado nos Estados Unidos.

É a oportunidade que você precisava para adquirir fluência em inglês e ainda viver um período nos Estados Unidos, entre 2 e 4 meses.

Se você tem interesse em participar do Work Experience, confira mais informações no site oficial do projeto para não deixar essa oportunidade escapar.

Como conseguir uma bolsa de intercâmbio

Existem bolsas de estudo para alunos de intercâmbio. Entre elas, as mais conhecidas são as seguintes:

  • Ciência sem fronteiras, programa do governo brasileiro que atualmente se concentra mais em cursos de pós-graduação;
  • DAAD, uma solução alemã para Intercâmbio Acadêmico, estando entre as mais importantes do mundo e que costuma atrair muitos estudantes brasileiros;
  • Programa de bolsas de estudo Santander Universidades, um programa bastante acessível. Basta estar matriculado em uma instituição participante do programa para ter condições de obter o benefício;
  • Fundação Estudar, uma entidade sem fins lucrativos, que oferece o programa Estudar Fora, voltado para bolsas de intercâmbio.

É possível recorrer a outros programas parecidos, entretanto, esses são alguns dos mais populares.

Para participar, é necessário conferir as exigências de cada programa, mas de maneira geral, existem algumas burocracias em comum como no preenchimento de formulários, a entrega de cartas de motivação e documentos, entre outros.

Para que serve o intercâmbio

A essência do programa de intercâmbio é viabilizar uma troca cultural entre os alunos, compreendendo os mais diferentes aspectos.

Ainda que o conceito de troca já não se aplique aos tempos modernos, pois a grande maioria dos programas se faz como via de mão única, a experiência cultural continua sendo um dos diferenciais do intercâmbio.

Ao sair do país, o intercambista se vê obrigado a se adaptar às rotinas de um outro povo, que muitas vezes são radicalmente diferentes daquilo que tem como hábito, o que geralmente favorece o amadurecimento pessoal.

Além disso, a distância de casa exige do estudante uma nova forma de agir e resolver problemas. As cidades funcionam de formas diferentes. Assim, questões como o transporte público, a moradia e até hábitos alimentares geram uma nova visão de mundo.

Os cursos também acompanham essa lógica. Mesmo que o ensino se proponha às mesmas matérias, as instituições seguem a sua tradição, o que tende a ser diferente de um país para o outro. Isso fica evidente em cursos como de História, por exemplo, o que permite que o aluno qualifique a sua formação a partir do acesso a formas de ver o mundo diferentes.

Por isso, de maneira geral, o intercâmbio serve para enriquecer o universo do estudante, indo além do que as formações tradicionais podem oferecer justamente por colocar o aluno em contato com outras culturas. Quando o programa não é universitário, ainda assim esse enriquecimento é nítido. É o impacto da troca de conhecimentos no ser humano.

Quanto tempo dura o intercâmbio?

Isso deve ser uma escolha do intercambista. Alguns programas têm duração de seis meses, período suficiente para que o aluno faça uma quantidade de matérias boa o bastante para que as disciplinas sejam aproveitadas na instituição de origem. É por isso que as parcerias de intercâmbio entre as universidades acabam sendo interessantes: elas criam compatibilidades entre si, permitindo que a troca cultural seja simplificada.

Em média, os programas duram de seis meses a um ano, justamente porque com mais tempo do que isso, o caráter temporário do projeto, algo que caracteriza o intercâmbio estudantil, deixa de existir.

Fora das universidades, esse período pode ser até maior por se tratar de uma iniciativa desvinculada de instituições de ensino.

Qual é a idade para fazer intercâmbio?

Não existe esse tipo de exigência em lei. Por isso, agências trabalham com diferentes programas de intercâmbio. Existe, por exemplo, o intercâmbio teen, iniciativa direcionada a menores de idade. Outra opção é o intercâmbio familiar, que viabiliza a viagem de famílias inteiras para o exterior.

O mais comum, em virtude de o intercâmbio ser tradicionalmente um projeto estudantil, é que estudantes de ensino médio e principalmente do superior sejam o público mais associado a esse tipo de projeto. Entretanto, nada impede que pessoas de qualquer idade procurem uma agência de intercâmbio para conhecer seus planos e viajar para outro país pelo tempo que desejar, como fazem anualmente inúmeros brasileiros.

Países mais procurados por quem faz intercâmbio

Quando se fala em intercâmbio, muitos associam a experiência aos Estados Unidos. Entretanto, existem diferentes destinos onde os estudantes brasileiros costumam fazer seus estudos fora do país, como a Holanda e Portugal. Os motivos das escolhas são variados, indo desde a familiaridade como o idioma, como é o caso de Portugal, até a curiosidade pela vida em um país bastante diferente, como é o caso da Holanda. Assim, conheça outros destinos mais procurados pelos brasileiros no exterior.

Intercâmbio no Canadá

É possível estudar inglês e francês no país, pois os dois são idiomas oficiais do Canadá. Entre os destinos mais procurados estão Toronto, Vancouver e Montreal. Existem grandes universidades e o sistema de ensino canadense é um dos mais prestigiados do mundo.

Para bancar um período de seis meses de intercâmbio no Canadá, o ideal é juntar entre R$ 10.000 a R$ 18.000.

Intercâmbio na Irlanda

Entre os destinos preferidos de estudantes brasileiros no exterior está a Irlanda, um país onde o acesso é simplificado e o custo de vida mais baixo em relação a outros países. Muitos vão a estudo, mas também conseguem facilmente encontrar trabalho.

Assim como no Canadá, é recomendável juntar entre R$ 10.000 e R$ 18.000 para viajar à Irlanda sem problemas.

Intercâmbio nos Estados Unidos

Com uma diversidade de programas, os Estados Unidos também oferecem boas opções para os estudantes. Em cidades como Nova Iorque, a vida cultural é bastante agitada, enquanto em cidades como Minesotta, o custo de vida tende a ser mais acessível para quem pretende economizar.

Nos Estados Unidos, o custo tende a ser maior, assim, o ideal é se precaver, levando no mínimo cerca de R$ 20.000 para fazer o programa de seis meses de intercâmbio.

Intercâmbio na Austrália

Com ofertas de bolsas de estudo, a Austrália também é um ótimo atrativo para estudantes brasileiros. Localizada na Oceania, o país é muito bem organizado e conta com inúmeras instituições entre as mais apreciadas do mundo. Algumas universidades conhecidas são a Universidade de Sidney e a Universidade de Melbourne.

A depender da cidade, é possível viajar para fazer intercâmbio na Austrália com pelo menos R$ 13.000. Nas grandes cidades, pode ser mais interessante dobrar esse valor, chegando a R$ 26.000.

Para onde ir no intercâmbio?

O passo essencial é definir onde viver a experiência internacional. Posteriormente, você pode procurar uma agência de intercâmbio para tirar suas dúvidas a respeito do tempo, de onde morar e tudo o que é necessário apresentar para viabilizar a sua viagem.

Assim, é fundamental que você saiba para onde pretende ir. Quer dicas para fazer essa escolha? Então comece definindo um objetivo. Como visto, existem diferentes possibilidades para quem quer sair do país: estudo, trabalho ou passeio. Essa escolha é fundamental porque ela trará impactos no tempo que você precisará ficar no país e no valor a ser gasto.

Depois, é hora de definir o seu orçamento. Pesquise elementos como o valor dos cursos, das passagens, da hospedagem e dos gastos triviais, procurando reunir um pouco a mais para não passar dificuldades. Fique atento ao câmbio. O real brasileiro atualmente está bastante desvalorizado em relação a moedas fortes como o dólar e o euro, entretanto, ele vale muito diante de moedas de países vizinhos, como o peso argentino. Esse também pode ser um critério para a sua viagem.

Confira também se é possível trabalhar no país para onde deseja ir. Isso certamente fará com que você alivie sua situação econômica, podendo até gerar um excedente.

Se sua viagem for para estudo, faça uma análise ampla da faculdade de destino. Tenha certeza de que as matérias realmente podem ajudar você a se aperfeiçoar profissionalmente. Evite optar por um destino apenas por julgar que ele tem tudo a ver com o seu perfil. Embora isso também seja importante, é necessário buscar um equilíbrio para fazer com que essa fase da sua vida seja sim uma das mais divertidas, mas também extremamente produtiva.

Como um intercâmbio pode mudar a sua carreira

Independentemente do modelo escolhido, o intercâmbio permite que você se insira na realidade cultural de outro país e amadureça em função desse convívio diário. Muitas vezes, estamos tão acostumados com nossos hábitos e costumes que somos incapazes de compreender situações mesmo quando elas acontecem com pessoas próximas. Assim, experiências que nos tiram da zona de conforto e exigem adaptação são úteis para que possamos amadurecer em virtude de uma melhor compreensão a respeito do outro.

É nesse sentido que o intercâmbio costuma ser interessante não somente do ponto de vista técnico, dando ao estudante ferramentas diferentes das que usa no Brasil, mas também do ponto de vista do desenvolvimento pessoal, algo que certamente faz toda a diferença na construção de uma trajetória profissional bem-sucedida.

Então, gostou da ideia de fazer intercâmbio? Então com essas informações já é possível começar a pensar em dar vida ao seu projeto.

Agora que conferiu tudo o que precisa saber sobre intercâmbio, veja também como turbinar sua carreira aprendendo como ser um profissional de sucesso.

Compartilhar
Categoria: Intercâmbio
Tags: ENEM ENEM 2019

Pesquisar

Quero receber notícias do PRAVALER

Preencha o campo abaixo com seu e-mail e fique sabendo tudo sobre o PRAVALER em primeira mão.