saiba tudo sobre bolsa de estudos


Bolsa de estudo: saiba tudo sobre esse tema

As instituições de ensino podem conceder bolsa de estudo para seus alunos. Essa tem sido a solução encontrada por muitos estudantes quando não têm condições para bancar uma graduação em faculdades privadas.

Existem bolsas para alunos de diferentes graus de escolaridade, mas elas são especialmente interessantes quando falamos de ensino superior, pois permitem acesso a grandes faculdades.

Como esse benefício pode aparecer de maneiras diferentes, vale a pena saber mais sobre ele e sobre como você pode aproveitar as ofertas de bolsa de estudo disponíveis no país.

Ficou interessado? Então confira.

O que são as bolsas de estudo

São descontos na mensalidade do curso. Eles podem ser integrais, ou seja, referentes a 100% do valor cobrado pelas instituições, ou ainda, parciais, quando somente uma parte dos custos são descontados.

Esse benefício é concedido por órgãos públicos ou então por empresas privadas, obedecendo a lógicas diferentes. As bolsas públicas podem ser de natureza federal, estadual ou municipal, com o foco maior na inclusão de estudantes de baixa renda no ensino superior. Já as bolsas particulares defendem os interesses de cada instituição. É comum que elas ofereçam custeio para alunos com notas mais altas, procurando assim atrair talentos para o seu corpo discente.

Vantagens de contar com a bolsa de estudo

O aluno interessado em entrar em uma instituição de ensino superior tem bons motivos para tentar a bolsa de estudo. O primeiro deles, evidentemente, é o econômico. Muitas vezes, sem condições financeiras, o estudante não tem como pagar cursinho para passar em uma faculdade pública, muito menos recursos para arcar com as despesas de uma faculdade privada. Nesse caso, a bolsa pode ser a solução para o problema.

Além disso, o estudante com bom desempenho acadêmico pode atrelar sua formação ao seu desempenho, não à questão financeira. Assim, ele passa a ter um incentivo maior para evoluir dentro do curso e se tornar um profissional cada vez mais qualificado.

Quanto às bolsas de pesquisa, elas podem ser um importante incentivo para que o aluno não precise recorrer ao mercado de trabalho enquanto ainda não está pronto, mas já desenvolve projetos que podem ser úteis para a sociedade como um todo.

Bolsas públicas

Entre as soluções custeadas por agentes públicos, o destaque maior fica para o Programa Universidade para Todos (ProUni), uma iniciativa do governo federal que tem como função colocar estudantes com baixa renda nas universidades particulares. Para tanto, entre as exigências estão a participação no Enem e a conclusão de todo o ensino médio em escola pública ou em escola particular com bolsa integral. O ProUni concede bolsas parciais e integrais para os aprovados em um processo que acontece duas vezes por ano.

Além disso, existem programas como o CnPQ e a Capes, de natureza federal, que são mais direcionados à pesquisa, com incentivo à iniciação científica e trabalhos de mestrado e doutorado. Fundações estaduais como a FAPESP em São Paulo e a FAPEMIG, de Minas Gerais, também se destacam no apoio à pesquisa e inovação científica e tecnológica a partir da concessão de bolsas para estudantes de ensino superior.

Vale destacar que as bolsas podem ser feitas para custear os cursos ou para servir como incentivo aos pesquisadores. No caso, o ProUni funciona como pagamento das mensalidades de faculdades particulares e as fundações citadas, como apoio para que os projetos sejam realizados.

Bolsas privadas

As próprias instituições de ensino podem oferecer bolsas de estudo para seus graduandos. Algumas delas são tradicionais e costumam conceder desconto de até 100% no valor das mensalidades para alunos que tiverem o melhor desempenho em seus vestibulares ou na prova do Enem. Essas são chamadas bolsas de estudo por mérito.

Também existem bolsas por avaliação socioeconômica, nas quais a seleção é feita de acordo com a renda apresentada pelos candidatos, além das chamadas bolsas voltadas para educação corporativa, nas quais colaboradores e seus dependentes recebem descontos para estudar onde trabalham. Alguns exemplos de instituições que oferecem diferentes tipos de bolsas de estudo são a UNIP, a Metodista e a Anhembi Morumbi.

Um diferencial dos programas privados em relação aos públicos é o alcance. Entidades particulares costumam cobrir uma quantidade maior de modalidades, incluindo ensino a distância (EAD) e cursos de pós-graduação do tipo lato sensu e MBA.

Como conseguir bolsa de estudo para graduação

O caminho mais conhecido é o do ProUni. Fazendo a prova do Enem e se adequando aos requisitos do programa você pode obter o desconto integral da sua mensalidade.

As regras para o ProUni são muito claras: participação no Enem com o mínimo de 450 pontos, renda mínima familiar de até 1,5 salário-mínimo por pessoa para bolsa integral e entre 1,5 e 3 para parcial e ensino médio concluído em escola pública ou particular com bolsa. Além disso, professores de escola pública e pessoas com deficiência têm direito à participação no exame.

Outra opção é ir até a faculdade que você pretende fazer a sua graduação ou pós-graduação e perguntar se existe oferta de bolsa e quais são as regras para se inscrever.

Caso você já esteja inserido no mercado de trabalho, confira se o seu empregador participa de algum convênio com instituição de ensino. Isso é comum quando a empresa procura qualificar sua equipe.

Uma vez matriculado, seja em uma faculdade pública ou privada, você pode participar de projetos de pesquisa e dessa forma tentar uma bolsa junto a órgãos ou agências de fomento. No caso da FAPESP, por exemplo, o aluno precisa estar matriculado em qualquer faculdade dentro do estado de São Paulo, contar com orientação acadêmica e ter concluído uma quantidade mínima de disciplinas para se candidatar a uma bolsa de estudos.

Bolsas de estudo ou financiamento estudantil

É comum a confusão entre bolsa de estudo e financiamento estudantil. No caso da bolsa, uma instituição arca com as despesas relativas às atividades do aluno sem uma contrapartida, ou melhor, a contrapartida é o seu bom desempenho acadêmico ou algum outro tipo de benefício que não seja o pagamento das mensalidades.

Já o financiamento estudantil é um tipo de crédito concedido ao aluno. Isso significa que alguma instituição empresta dinheiro para ele arcar com suas despesas para que futuramente esse dinheiro seja devolvido. Na prática, o financiamento estudantil é um empréstimo com condições de pagamento facilitadas.

O governo federal trabalha com essas duas possibilidades para facilitar o acesso dos alunos às instituições de ensino superior. O ProUni é a solução para quem procura bolsas de estudo, já o FIES é voltado para o crédito universitário. Com a nota do Enem você pode participar dos dois programas.

É importante saber que, tanto para os programas públicos quanto para os privados é possível acumular bolsa e financiamento. Bolsistas parciais do ProUni, por exemplo, têm direito à participação no FIES. O mesmo vale para instituições particulares. No caso dos programas do governo, essa é uma estratégia válida somente para quem pretende arcar com o restante da mensalidade de um único curso, em uma mesma faculdade, não sendo possível para quem uma pessoa fazer determinado curso com o ProUni e outro com o FIES, por exemplo.

Saiba qual é a melhor opção

A melhor opção é sempre ficar de olho nas regras que os programas apresentam, pois cada um deles oferece possibilidades e exigências diferentes. Se adaptar a isso é fundamental para fazer a escolha certa.

De uma maneira geral, as bolsas de estudo exigem dedicação maior por parte de seus beneficiários, uma vez que as instituições atrelam o desempenho acadêmico à concessão desse benefício. Consequentemente, situações como a de trabalhadores que precisam se dividir entre a rotina de trabalho e a de estudos, podem dificultar o processo.

Em termos de financiamento estudantil, o FIES costuma ser interessante pelo prazo oferecido para pagamento e os juros baixos, entretanto, é um programa que tem apresentado exigências cada vez maiores para o acesso. Anualmente, o FIES tem apresentado alterações nas suas regras, o que condiz com o momento de corte de despesas do governo.

Sendo assim, a procura por soluções oferecidas pela iniciativa privada começa a ganhar força. Tanto para a concessão de bolsas de estudo pelas próprias faculdades quanto para o financiamento estudantil, vale a pena conhecer as possibilidades que o mercado oferece.

O programa PRAVALER

Além das opções oferecidas pelo governo, existe também o PRAVALER, um projeto privado de crédito universitário. Com o PRAVALER você consegue crédito para fazer sua graduação em faculdade particular sem precisar da nota do Enem. Além disso, o programa beneficia também estudantes de cursos EAD, o que aparece como um importante diferencial em relação aos programas do governo.

O PRAVALER fica disponível o ano todo, de tal maneira que você só precisa conferir quais são as faculdades participantes para tentar a sua vaga. Conheça melhor as regras do projeto e financie seus estudos com maior tranquilidade.

Enfim, as bolsas de estudo geralmente são possibilidades interessantes para quem atende às exigências, entretanto, isso não vale para todas as pessoas. Se esse é o seu caso, fique atento às oportunidades que programas como o PRAVALER oferecem.

Agora que sabe sobre bolsas de estudo, confira também como funciona o financiamento estudantil.

Compartilhar
Categoria: Bolsa de estudos
Tags: ENEM ENEM 2019

Pesquisar

Quero receber notícias do PRAVALER

Preencha o campo abaixo com seu e-mail e fique sabendo tudo sobre o PRAVALER em primeira mão.