Faça uma simulação com o Pravaler Icone seta
O que é ser um fiador e como funciona? O que é ser um fiador e como funciona?

O que é ser um fiador e como funciona?

Quem sonha com uma vaga na faculdade pode contar com diversas opções de financiamento estudantil, que podem facilitar as formas de pagamento das mensalidades e aliviar o bolso do estudante. Mas, para que isso seja possível, é imprescindível a figura de um fiador.

Mas o que significa ser o fiador de um financiamento e como a parceria funciona prática? É o que vamos contar a seguir! Fique por aqui 🙂

O que é fiador?

O fiador é uma figura fundamental para a realização de um financiamento ou para a aquisição de um bem de grande valor, pois vai garantir o cumprimento das obrigações financeiras, no caso de qualquer imprevisto com o titular da compra ou com o solicitante do crédito, em que este fique inadimplente em relação ao contrato. Podemos ter a figura do fiador presente no financiamento de um carro, no financiamento ou empréstimo com um banco, na locação de uma casa, no financiamento de um curso da graduação, entre outras situações que vão exigir uma garantia, por parte do solicitante do crédito, de que o pagamento será realizado mesmo sob qualquer situação de imprevisto.

O fiador, portanto, exerce a parte da segurança do contrato, uma vez que são os seus bens que vão estar sob custódia caso aconteça qualquer situação de dívida no contrato. Isso significa que, no caso da locação de um imóvel, por exemplo, a falta do pagamento de aluguel pode implicar em colocar a propriedade do fiador sob penhora. Em situações de inadimplência em financiamento, o não cumprimento das obrigações do solicitante de crédito também pode implicar, diretamente, em prejuízos financeiros para o fiador.

Por isso, é importante que, entre o fiador e quem está solicitando o crédito, exista uma sólida relação de proximidade e de confiança.

Quem pode ser fiador?

Para ser fiador, é preciso atender às demandas do programa de financiamento que está em jogo. Na maioria dos casos, exige-se que o fiador seja maior de idade e tenha uma relação próxima com quem está solicitando o crédito para o financiamento em questão.

Quais são as responsabilidades do fiador?

A maior responsabilidade do fiador é proporcionar segurança e estabilidade para o contrato. É ele que vai garantir que o pagamento das mensalidades vai ser cumprido.

Como funciona o processo de fiador?

O processo para ser fiador depende muito das exigências da instituição que vai oferecer o contrato. Em todos os casos, no entanto, é necessário entregar uma documentação completa e atender uma série de requisitos, que vão passar por um processo de análise pela empresa, que vai decidir se aprova, ou não, a pessoa indicada para ser fiador.

Tipos de fiador

Há dois tipos principais de fiador: o solidário e o subsidiário.

O fiador solidário é aquele que assume a parte quando acontece alguma situação de dívida ou inadimplência do contrato. Já o fiador subsidiário é o que garante o benefício de ordem, em que é responsável pela quitação da dívida depois do usufruto do financiamento.

Mas, as modalidades de financiamento estudantil podem criar outras categorias de fiador, que vão ser próximas a cada um dos tipos de fiador apresentados. No Fies (Fundo de Financiamento Estudantil), por exemplo, o fiador pode ser convencional, que assume a dívida desde o início do contrato ou solidário, formado por alunos do Fies que aceitem se comprometer com a dívida um do outro no caso de inadimplência.

Requisitos para ser um fiador

No Pravaler, o garantidor pode ser qualquer pessoa que quer te ajudar a estudar! Ele precisa comprovar uma renda mínima de 2x o valor da mensalidade. Além disso, nem você e nem ele podem ter restrições em serviços de proteção ao crédito.

Fiador para financiamento

O fiador é uma figura central para o acesso à universidade em muitos casos. Isso porque, com a popularização do financiamento estudantil, instituições estão facilitando o sonho da vaga na faculdade. Mas para optar por esse método, é importante ter uma pessoa de confiança para ser fiador e garantir o cumprimento das parcelas do financiamento.

Existem duas formas de financiamento: o financiamento público, popularizado, principalmente, pelo Fies, e o financiamento particular.

No financiamento estudantil público, o estudante paga o curso a partir de subsídio federal e depois retorna o dinheiro para o governo após sua formação. Já o financiamento estudantil privado é um tipo de crédito pessoal destinado a simplificar o acesso do estudante ao ensino superior. Assim como acontece no Fies, uma instituição financeira arca com as despesas dos estudos e o aluno devolve o dinheiro emprestado após um período. A diferença é que em vez de ser subsidiado pelo governo federal, o crédito vem de bancos privados ou empresas especializadas, como o Pravaler. É estabelecido um contrato com a universidade de interesse em que, semestralmente, há uma renovação e o estudante pode pagar, em oito anos, um curso de quatro anos de duração, por exemplo.

Preciso de fiador para o Fies?

Dependendo do caso. No portal oficial do Fies diz que sim, é necessário ter um fiador para pedir o financiamento. No entanto, existem diferentes tipos de fiança e algumas pessoas estão dispensadas da exigência de apresentar um fiador.

O programa dispensa a apresentação de fiador nos três casos a seguir:

  • Bolsistas parciais do Prouni: Se você possui bolsa parcial do Prouni e vai usar o Fies para financiar o restante da mensalidade do mesmo curso em que é bolsista, não precisa apresentar um fiador.
  • Estudantes de cursos de licenciatura: O Fies dispensa de apresentar fiador o estudante matriculado em curso de licenciatura.
  • Estudantes com renda familiar bruta mensal de até um salário mínimo e meio por pessoa: quem cumpre essa condição também está livre de apresentar fiador.

Mas e como fica a garantia do empréstimo se o estudante não precisa apresentar fiador? O programa já tem uma solução para isso. Quem se enquadrar em um dos casos acima vai poder contar com a fiança do Fundo de Garantia de Operações de Crédito Educativo (FGEDUC), ou Fundo Garantidor.Todos os demais casos devem escolher entre a fiança convencional e a fiança solidária.

Fiador x garantidor

Garantidor é como chamamos o fiador aqui no Pravaler, ou seja, é a mesma coisa. Ele pode ser qualquer pessoa próxima do estudante: pai, mãe, irmão, ou amigo. O que importa é que seja alguém de confiança e que consiga cumprir todos os critérios solicitados pelo programa.

O critério mais importante é que o garantidor não tenha nenhum outro contrato com o Pravaler em andamento, e que possa comprovar que tem uma renda que seja, ao menos, o dobro da mensalidade do contrato do estudante. Quer um exemplo? Vamos supor que o curso tenha uma mensalidade de R$ 800. O garantidor deve comprovar que tem uma renda mínima de R$ 1600. Também é importante estar atento se o CPF está regular e se não há nenhuma restrição de crédito no SPC, SERASA.

O garantidor não é obrigado a ficar na posição durante todo o curso do estudante. Isso porque o financiamento estudantil é semestral, isto é, não é automático sua continuidade durante todo o curso e ele deve ser renovado a cada seis meses, quando há uma nova análise de crédito. Caso seja necessário trocar o garantidor, basta que o aluno envie toda a documentação necessária por meio do Portal do Aluno.

Os documentos que o garantidor precisa ter em mãos, para que o financiamento da Pravaler saia do papel, são: contrato online assinado, documento de identificação (RG, CNH, RNE ou CTPS), CPF, comprovante de renda (estudante e garantidor) e comprovação de matrícula do estudante na instituição de ensino e curso escolhido no contrato.

Todo o processo acontece de forma online e o estudante e o garantidor precisam ficar atentos à comunicação por e-mail, já que em caso de qualquer pendência documental, o Pravaler vai notificá-los, indicando o que deve ser feito para a continuidade do processo.

Ao renovar o financiamento, o aluno deve ir ao Portal do Aluno, clicar em “solicitar renovação” e confirmar novamente os dados do garantidor, ou enviar toda a documentação necessária caso o garantidor passe a ser outra pessoa.

Análise de crédito

A análise de crédito é uma etapa imprescindível para aprovar alguém a ser fiador/ garantidor. Esse é o momento em que há a avaliação se a pessoa escolhida para ser fiadora do contrato possui as condições mínimas, em relação ao seu nome junto ao SPC e Serasa, para assumir a função.

É nesta etapa que as instituições financeiras avaliam se as chances para receber o valor financeiro do contrato são altas ou confiáveis. Empresas como SPC e Serasa, especializadas no tema, acessam um banco de dados que contém informações relevantes sobre a relação das pessoas com o mercado, e conseguem avaliar se há pendências de compras, cobranças judiciais, como é o histórico financeiro e o comportamento para a quitação de pagamentos. Também há uma análise da renda da pessoa – já que é necessário avaliar se o valor da parcela do contrato realmente vai ser acessível, pois não pode ultrapassar 30% da renda líquida mensal para que o orçamento não fique comprometido.

A partir do acesso a esses dados, é gerado um relatório que vai produzir um score, espécie de pontuação que avalia se é seguro, ou não, efetuar pactos financeiros com aquela pessoa. O que isso significa? Que se há um score baixo, as chances para que a pessoa não honre o compromisso são consideradas baixas pelo setor financeiro; se o score é médio, as chances são moderadas e, se o score é alto, as chances são maiores para evitar a inadimplência e, dessa forma, ser um pagador seguro.

A partir do resultado do score, a instituição que solicitou o crédito decide se aceita a pessoa, ou não, como fiadora do contrato.

No financiamento estudantil, a análise de crédito é uma etapa importante para a escolha do fiador. Por isso, é importante que a pessoa escolhida tenha o CPF regularizado (ou seja, não esteja negativado, ou com inadimplências, no SPC ou no Serasa), uma renda fixa, pague suas contas em dia e tenha um bom histórico de compras.

É importante lembrar que, para maior parte das instituições ligadas ao programa do Pravaler, não são aceitos fiadores com restrições no CPF encontrados no SPC ou no Serasa. Por isso, caso haja a existência de qualquer dívida, é importante negociá-la antes de pedir uma análise de crédito para ser garantidor.

Comprovação de renda

É importante entender os critérios de renda para que alguém seja habilitado a ser nomeado fiador do financiamento estudantil. Em muitos casos, a renda mínima precisa ser, ao menos, duas vezes a mensalidade do curso, como é o caso do garantidor financiamento do Pravaler. É o momento em que é possível comprovar a renda por meio do extrato da conta ou do envio do holerite de pagamento. Caso o estudante mude de garantidor durante o curso, precisa enviar, novamente, os documentos de comprovação de renda do novo fiador, no momento da renovação do financiamento estudantil, que é semestral.

CTA Educação financeira

Texto escrito por: PRASABER
x

As principais notícias sobre educação na sua caixa de e-mail. Cadastre-se já!

Saiba mais

Pesquisar

Artigos Relacionados

X Assine nossa newsletter