Faça uma simulação com o Pravaler Icone seta
Supletivo: o guia definitivo para você voltar a estudar Supletivo: o guia definitivo para você voltar a estudar

Supletivo: o guia definitivo para você voltar a estudar

O ensino supletivo é uma modalidade de ensino que contempla pessoas que não conseguiram concluir seus estudos no período regular. Hoje ele funciona como Educação de Jovens e Adultos, ou EJA, servindo com o mesmo propósito, ou seja, permitir que pessoas que não terminaram os estudos tenham como encerrar esse ciclo em um período menor.

Além disso, existem outras possibilidades que a pessoa interessada em voltar a estudar precisa conhecer. É por isso que preparamos este texto. Leia com atenção e saiba mais sobre o tema.

Como funciona o supletivo?

Basicamente, existem dois programas: o de ensino fundamental e o de ensino médio. Você precisa ter acima de 15 anos para realizar o ensino fundamental e, no mínimo, 18 anos para o ensino médio. Assim, adultos de qualquer idade podem fazer o EJA, ou supletivo, como ainda é comum as pessoas chamarem o programa.

O EJA, como modalidade de ensino, apresenta algumas facilidades em relação ao ensino regular. Isso se dá porque o foco do programa está na inclusão.

  • A etapa 1, voltada para a conclusão do ensino fundamental, se concentra em alunos com no mínimo 15 anos para cursarem da 1ª até a 9ª série. Essa etapa pode ser concluída em pelo menos 2 anos. Lembrando que o ensino fundamental se dedica ao início do processo de aprendizado.
  • Já a etapa 2 é a do ensino médio. Nela, a idade mínima é de 18 anos e o curso dura, em média, 18 meses. Uma vez concluída a etapa 2, o estudante termina a educação básica, o que permite a ele um preparo um pouco maior para o mercado de trabalho e o ingresso no ensino superior.

Cursos supletivo online

Existem duas formas de fazer o supletivo no modelo EAD. A primeira delas, e a mais comum, é por correspondência, ou seja, o aluno faz a matrícula na instituição de ensino e, periodicamente, recebe pelo correio os materiais necessários para fazer as atividades em casa.

É possível também fazer o curso supletivo a distância em instituições particulares. A secretaria da educação autoriza esse tipo de formação e emite o certificado para o aluno que concluir seus estudos nessa modalidade.

Entretanto, esses cursos costumam ser pagos, com cobranças de matrícula e de mensalidades. Você pode procurar se informar a respeito desses cursos nas escolas mais próximas. Hoje em dia, os cursos online são oferecidos dentro de plataformas sofisticadas e isso facilita bastante a vida do aluno, ainda que nesse tipo de formação não seja possível ter o contato direto com o professor.

Assim como funciona no modelo presencial, ele permite que você tire as dúvidas diretamente com o professor, o que pode ser uma vantagem, uma vez que se trata de um nível de ensino que ainda não é avançado. Em resumo, essa é uma possibilidade interessante para quem pretende voltar a estudar, mas não quer arcar com custos maiores e se sente seguro em ter o professor disponível durante as aulas.

Tanto no primeiro quanto no segundo modelo, as avaliações precisam ser realizadas de maneira presencial, ou seja, ainda que possa fazer a maioria das atividades em casa, é necessário comparecer a um polo presencial para fazer os exames supletivos. A essa participação, está atrelado o recebimento do diploma no encerramento do curso.

A forma como o processo será conduzido depende de cada instituição de ensino, sendo que algumas podem exigir um número maior ou menor de atividades presenciais em relação a outras. Fique atento a essas informações antes de fazer a sua matrícula e escolha aquela que mais combina com o seu perfil e disponibilidade.

Vantagens do supletivo online

Existem vantagens para o aluno que opta por essa modalidade de ensino. Entre as principais, podemos citar:

  • A possibilidade de o próprio aluno determinar local e horários de estudo, sendo essa flexibilidade uma vantagem principalmente para quem trabalha e não tem como dedicar um período inteiro para as atividades escolares;
  • A possibilidade de o estudante não comprometer sua agenda ao longo da semana. É possível que as atividades sejam concentradas nos fins de semana, se o aluno julgar conveniente. Nesse caso, ele precisa apenas garantir um tempo maior de dedicação nesses dias para compensar os dias da semana em que não estudou;
  • A possibilidade de conciliar trabalho e estudo, uma vantagem muito interessante deste modelo. Estudando a distância é possível, inclusive, fazer as duas coisas ao mesmo tempo, caso o estudante tenha como pausar as atividades profissionais e se concentrar nos estudos;
  • Poder começar os estudos em qualquer momento do ano. Mesmo em épocas pouco usuais, os alunos podem solicitar a matrícula e começar o curso, algo inviável no modelo presencial que depende da formação de turma para iniciar;
  • menor tempo para a conclusão do curso. O curso a distância pode ser ainda mais rápido do que o EJA, uma vez que cabe ao aluno cumprir com suas obrigações para avançar no programa do curso. Assim, se ele se dedicar, pode progredir rapidamente e se formar mais cedo.

Diferença entre EJA e Encceja

Na maioria das vezes, o supletivo rápido é interessante para quem tem mais tempo para dedicar às atividades estudantis. Mesmo que o curso seja diferenciado em relação ao ensino tradicional e quanto ao tempo de duração, ele ainda tem na frequência um de seus principais métodos de avaliação, o que pode representar um problema para quem trabalha e possui outros compromissos ao longo do dia.

Nesse caso, o mais indicado é recorrer a outro tipo de solução, como o curso online ou a preparação individual para o exame do Encceja.

Como funciona o Encceja?

Existe ainda uma modalidade nova, criada no ano de 2017, que permite ao aluno se preparar e fazer somente uma prova para conseguir o diploma. É o ENCCEJA, sigla para Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos.

Neste caso, o INEP disponibiliza o material para estudo em seu site oficial e o estudante precisa apenas imprimir ou estudar usando seu computador ou tablet. Na data marcada, ele comparece até o endereço da prova e, caso consiga obter a pontuação mínima, irá concluir o ensino e recebe o diploma.

As regras são as mesmas para o EJA, o que significa que o aluno precisa ter ao menos 15 anos para fazer o curso de ensino fundamental e 18 para realizar o ensino médio. A prova é dividida em dois turnos e cada um deles conta com 30 questões. Além disso, é preciso fazer uma redação.

  • Para o ensino fundamental são 30 questões de Ciências Naturais e Matemática na parte de manhã e 30 de Língua Portuguesa, Língua Estrangeira Moderna, Artes, Educação Física e Redação, História e Geografia na parte da tarde.
  • Para o ensino médio, são 30 questões de Ciências da Natureza e Suas Tecnologias e Matemática e Suas Tecnologias no período da manhã e 30 questões de Linguagens e Códigos e suas Tecnologias e Redação e Ciências Humanas e suas Tecnologias na parte da tarde.

Como funciona o EJA?

O supletivo representa uma oportunidade para quem não concluiu os estudos. É por isso que ele é mais enxuto em comparação ao formato regular. Enquanto no ensino médio tradicional o aluno precisa de 3 anos para fazer o primeiro, o segundo e o terceiro ano, no supletivo ensino médio o curso completo pode ser concluído em um ano e meio, ou seja, na metade do tempo.

Além disso, a própria abordagem dos professores costuma ser diferenciada em função das necessidades dos alunos do supletivo. Como a ideia é inclusão e a democratização do ensino, existe uma preocupação maior com a dificuldade dos alunos que fazem EJA.

Assim, os professores atuam com maior cuidado em relação ao tempo e preparo de cada aluno, além de considerarem a sua história de vida e, claro, a faixa etária. Vale destacar que é bastante diferente conduzir o processo educacional de uma turma no modelo tradicional de outra que faz EJA e isso exige bastante esforço dos professores.

Como é o diploma do supletivo?

De qualquer forma, ter feito EJA, ENCCEJA ou curso supletivo online não interfere na hora da certificação. O estudo por meio de supletivo é reconhecido pelo MEC e em qualquer uma das três modalidades citadas, o estudante recebe um certificado válido em todo o país e com o mesmo valor. Com esse diploma em mãos, o aluno pode fazer matrícula em faculdades, participar de concursos públicos e demais exames em todo o Brasil que exigem o ensino fundamental e o ensino médio como pré-requisitos.

A única exigência é que a secretaria de educação de cada estado autorize a instituição de ensino a exercer a atividade e, consequentemente, emitir o diploma. Fique atento a isso principalmente em relação aos cursos online. Existem escolas que oferecem essa formação mas não contam com a certificação oficial, o que torna a torna inválida.

O que fazer depois do supletivo?

O supletivo representa uma oportunidade para quem ficou pelo caminho mas pretende retomar a trajetória estudantil completando o ensino fundamental e médio. Com ele, você pode, além de elevar a sua autoestima, conseguir uma série de benefícios, como o ingresso ao ensino superior, que exige, no mínimo, o ensino médio por parte dos candidatos.

A dica aqui é fazer o supletivo, seja via EJA, ENCCEJA ou curso online, garantir o seu diploma e, em seguida, prestar o Exame Nacional do Ensino Médio, o Enem, para tentar uma vaga no ensino superior. Saiba mais sobre esse exame na sequência.

O Enem já foi um exame avaliador da qualidade do ensino médio no Brasil. Hoje, ele funciona mais como um exame que ajuda a preencher vagas nas faculdades brasileiras, tanto públicas quanto privadas. Com o seu diploma de ensino médio você pode prestar o Enem e usar a nota para concorrer às vagas disponíveis, além de participar de programas como o Sisu, que seleciona alunos para universidades públicas, o ProUnie oFies, que selecionam para programas de faculdades particulares.

600x160 Dicas Estudos Semfoto

Texto escrito por: PRAVALER
Categoria: SupletivoPra saber
x
< class="main-title dsprv-font-header-textset-2 dsprv-color-secondary-textcolor-1">

Pesquisar

Artigos Relacionados

X Assine nossa newsletter