Curso Técnico em Agricultura – saiba tudo sobre a profissão Curso Técnico em Agricultura – saiba tudo sobre a profissão

Curso Técnico em Agricultura – saiba tudo sobre a profissão

Apesar do avanço de muitas áreas no mercado brasileiro, a agricultura é, sem dúvidas, uma das que permanecem em destaque. Isso porque o país é o maior exportador mundial de diversos produtos que saem desse setor, como o café, a soja etc.

Com sua grande importância para economia e constante transformações em relação aos processos e tecnologias, a agricultura busca cada vez mais profissionais qualificados e certificados. Para isso, o curso técnico é considerado uma ótima alternativa!

É a partir da formação técnica que o estudante aprende a planejar ações e operacionalizar equipamentos de maneira rápida e eficaz, tornando a busca por uma colocação no mercado muito mais fácil.

Se você tem interesse em ingressar uma carreira no setor da agricultura e curtiu a ideia de começar com um curso técnico, vamos te explicar tudo sobre a formação na área. Acompanhe por aqui ?

O curso técnico em agricultura

O profissional técnico em agricultura, de maneira geral, é formado para atuar em diferentes vertentes do agronegócio. Seu principal propósito é desempenhar funções no planejamento, execução e monitoramento de todas as etapas da produção agrícola.

As atividades atribuídas ao profissional de agricultura formado por um curso técnico contemplam ações que visam o aperfeiçoamento dos processamentos das matérias-primas de origem vegetal, bem como a conservação do meio ambiente pensadas em todas as suas intervenções.

Para se tornar um técnico em agricultura é preciso ter, principalmente, gosto pela natureza e zona rural. Isso porque suas funções são desempenhadas 100% nesses ambientes e o profissional irá lidar com fatores que estão envolvidos nesse meio.

Como funciona o curso técnico em agricultura?

De acordo com o Catálogo Nacional de Cursos Técnicos (CNCT), documento que reconhece os títulos de cursos técnicos disponíveis e válidos nacionalmente pelo Ministério da Educação (MEC), dentre as ocupações de um técnico em agricultura estão o planejamento, organização, controle e propagação das espécies vegetais sustentáveis. Para isso, desenvolve o manejo do solo e água mediante práticas conservacionistas, projeta e implanta sistemas de irrigação e drenagem, opera máquinas e implementos agrícolas e promove o manejo integrado de pragas, doenças e plantas espontâneas.

O profissional da área também se torna apto para aplicar técnicas mercadológicas para distribuição e comercialização de produtos do setor agrícola, além de planejar, fazer a gestão e controlar toda a produção. Também é sua atribuição a supervisão da colheita e pós-colheita das principais culturas e a administração das propriedades rurais.

A auditoria do setor agrícola também pode acontecer com o parecer de um técnico. Com suas habilidades desenvolvidas a partir do curso de especialização, o profissional elabora laudos, perícias, pareceres e relatórios para indústrias e empresas do segmento.

Quem pode fazer um curso de técnico de agricultura?

Para começar um curso técnico em agricultura, o estudante deve ter, pelo menos, 16 anos de idade e concluído ou matriculado no segundo ano do ensino médio em uma escola regular, pública ou privada.

Áreas de atuação

Ainda de acordo com o CNCT, o técnico agrícola possui registro na CBO (Classificação Brasileira de Ocupações) que é identificado com a numeração 321105. Dentre os setores que empregam o profissional, estão:

  • Propriedades rurais;
  • Empresas de produção e consultoria agrícola;
  • Instituições públicas ou privadas de assistência técnica, extensão rural e pesquisa;
  • Indústrias de processamento de produtos de origem animal e vegetal;
  • Comércio do agronegócio;
  • Indústrias de insumos agropecuários;
  • Cooperativas e associações rurais;
  • Profissional autônomo;
  • Empresas de mapeamento/topografia;
  • Consultoria ambiental;
  • Empreendimento próprio.

Tipos de cursos

No setor da educação, existem três modalidades diferentes: o presencial, semipresencial e EAD. Apesar de suas particularidades, os formatos possuem a mesma quantidade de horas exigidas em cursos técnicos e, principalmente, contam com o mesmo nível de qualidade no ensino.

Quando falamos em técnico em agricultura, vimos que os formatos disponíveis para os estudantes são o presencial e a distância. A necessidade de adaptar o curso para a versão EAD se deu, pois, as instituições que aplicam as matérias se encontram em locais distantes e consideradas zonas rurais. Com algumas modificações na grade curricular, foi possível atender estudantes que buscavam se capacitar no mercado agricultor sem ter que se mudar ou até mesmo perder horas na estrada.

Abaixo, você pode conferir as principais diferenças dos três modelos de ensino disponíveis em todos os níveis de ensino:

EAD

As aulas de EAD acontecem em uma plataforma chamada Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA), com encontros presenciais apenas para as avaliações, que ocorrem de 1 a 2 vezes por semestre. Vale destacar que em algumas instituições, as provas e apresentações de seminários também acontecem via internet.

O estudante pode escolher os melhores dias e horários para os seus estudos, acompanhando aulas ao vivo previamente marcadas e realizando atividades no seu tempo livre.

Semipresencial

Os cursos semipresenciais são conhecidos como cursos híbridos, uma vez que nessa modalidade acontece a mistura do ensino EAD com o ensino presencial.

 Para um curso ser considerado semipresencial, é necessário que, ao menos, 20% da carga horária seja destinada para aulas a distância. Os encontros presenciais ocorrem de 1 a 2 vezes por semana, dependendo da instituição de ensino.

Presencial

O estudante na modalidade presencial tem aulas frequentes que podem ser em dias diferentes ou durante todos os dias da semana. A carga horária costuma ser mais alta, já que é necessário a presença do aluno na instituição de ensino.

As atividades e provas são realizadas na instituição de ensino e, para conseguir aprovação nas matérias, é necessário ter 70% de frequência mínima nas aulas, além das notas mínimas estipuladas pela escola.

Qual o salário de um técnico em agricultura?

De acordo com o Site Nacional de Empregos (SINE), um técnico em agricultura conta com salários que variam de R$ 1.482,00 e R$3.733,00. A variação acontece a partir do tempo de experiência, região e companhia em que o profissional atua.

Onde fazer curso técnico em agricultura?

Curso técnico presencial

  • Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar);
  • Instituto Federal Rio Grande do Norte;
  • Institutos Tecnológicos do Estado de Goiás (Rede Itego);
  • Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza (CEETEPS);
  • Universidade Federal de Santa Maria.

Duração média de um curso técnico em agricultura?

A CNCT estabelece que o curso técnico em agricultura atinja o período mínimo de 1.200 horas, que são distribuídos em 1 ou 2 anos. No entanto, existem instituições que contam com uma grade curricular que contemplam 4 anos de estudo.

Diploma e certificado

Quem optar por um curso técnico garante um diploma de identificação de conclusão do curso e de comprovação que está apto para desenvolver atividades que são atribuídas ao setor estudado. No entanto, vale reforçar que o estudante deve se matricular em uma instituição reconhecida pelo MEC, dessa forma, garante a qualidade na grade curricular e ainda conta com certificado válido nacionalmente.

Possibilidades de certificação intermediária

Também há possibilidade de certificações intermediárias para o curso, que são:

  • Tratorista Agrícola;
  • Agricultor Agroflorestal;
  • Agricultor Familiar;
  • Agricultor Orgânico;
  • Operador de máquinas agrícolas.

Possibilidades de especialização técnica

Com sua formação no curso técnico em vista, o estudante que investiu os estudos no setor da agricultura tem a possibilidade novas formações com alguns cursos de especialização, que são:

  • Especialização técnica em sistemas de produção vegetal agroecológica;
  • Especialização técnica em fruticultura;
  • Especialização técnica em olericultura;
  • Especialização técnica em produção de grãos;
  • Especialização técnica em pós-colheita.

Possibilidades de verticalização para cursos de graduação superior

Já para quem pensa em começar uma graduação na área, pode pensar nos seguintes cursos superiores:

  • Curso superior de tecnologia em agronegócio;
  • Curso superior de tecnologia em cafeicultura;
  • Curso superior de tecnologia em horticultura;
  • Curso superior de tecnologia em produção agropecuária;
  • Curso superior de tecnologia em produção de grãos;
  • Licenciatura em biologia;
  • Licenciatura em ciências agrícolas;
  • Bacharelado em agronomia;
  • Bacharelado em engenharia agrícola;
  • Bacharelado em engenharia ambiental;
  • Bacharelado em engenharia de agronegócio;
  • Bacharelado em engenharia florestal.

Quero receber notícias do PRAVALER

Preencha o campo abaixo com seu e-mail e fique sabendo tudo sobre o PRAVALER em primeira mão.